Coleccionar beleza I

Ando a coleccionar as melodias da minha vida.

Há quem diga «este é o filme da minha vida», «o carro da minha vida», «a mulher da minha vida» ou, então, claro, «ele é, sem dúvida, o homem da minha vida»!

Eu ando à procura da música, eventualmente, das músicas da minha vida.

Pavane, que poderá ouvir clicando no respectivo link é, seguramente, uma das mais lindas obras musicais que já ouvi. A primeira vez que entrou pelos meus ouvidos, foi acompanhando o anúncio do sabonete Palmolive. Se não foi o Palmolive era, com certeza, um sabonete.

Se gosta dos Il Divo, então conhece o tema «Isabel». Divinal mas, claro, a música não é deles, antes do genial compositor romântico do séc. XIX, Gabriel Fauré.

Há músicas que se ouvem sem cansar. Repete-se, repete-se, como se de um chocolate se tratasse. É linda demais, saborosa, de arrepiar, a Pavane op.50 do compositor francês. A tal ponto é sublime, que uma pessoa se pergunta «é possível escrever algo mais bonito que Pavane?». Claro que sim, mas esta é perfeita. E aí está uma daquelas músicas que é um desperdício desconhecer.

Espero que gostem!

Jornalismo é imprimir o que alguém não quer ver impresso,

tudo o resto são relações públicas. – George Orwell

Tudo bons rapazes!

Barclays multado por manipulação de mercado. – A multa é ridiculamente pequena, mas serve para mostrar que os bancos não são pessoas de bem.

RESPECT, com caixa alta e tudo

A UEFA lançou a campanha RESPECT, uma forma de sensibilização para que se respeitem as equipas de arbitragem. Mas não devia quem pede respeito começar pode dar-se ao respeito? O futebol, não me ocorre outro, é o único desporto onde erros crassos podem ser cometidos sem que haja lugar a correcção. Veja-se, por exemplo, o caso Ucrânia-Inglaterra com um golo válido, sem sombra para dúvida, mas que não foi validado.

E não seriam precisos meios tecnológicos sofisticados para resolver o problema. No ténis, um desporto onde a bola se move com maior velocidade, em caso de dúvida, pode-se pedir o visionamento, num número limitado de vezes.

Não se muda porque não se quer. Não há respeito em dívida.

É só um jogo contra a selecção dos restantes povos da nossa Ibéria


Mas espero bem que Portugal ganhe.

Carta de um Mineiro

Trabalhei 25 anos na mina. Desci a um poço, quando tinha 18 anos, e gostaria de vos dizer que me surpreendem muitos comentários que leio sobre a atividade mineira e as reformas antecipadas, neste grupo e noutros. Dói-vos o meu parecer, mas vou ver se consigo dissipar várias dúvidas que vejo que existem sobre este sector.

1º A luta que estão a fazer os companheiros, neste momento, não é para pedir dinheiro, mas para que se respeite o acordo assinado no ano passado entre o Ministério da Industria e os sindicatos mineiros. A assinatura deste acordo tinha umas acordadas até 2018. Este dinheiro foi dado pela Comunidade Europeia e não os Governos Espanhóis. Com isto quero dizer que não foi nenhum espanhol a ajudar-nos, como pensa muita da gente que tanto nos critica….

Quanto a este dinheiro, o que eu pergunto, como quase todas as famílias mineiras, é: onde está a parte dos Fundos Mineiros que supostamente seria destinada à criação de industrias alternativas ao carvão nas bacias mineiras, depois do encerramento das minas. Pois bem, como em muitos outros sectores, o dinheiro foi utilizado por políticos e sindicatos. Com parte deste dinheiro, poder-vos-ia dizer, por exemplo, que o Senhor Gabino de Lorenzo (ex-alcaide de Oviedo) pagou a iluminação pública da sua cidade, o novo Palácio de Exposições e Congressos e muitas outras obras. A ex-alcaide de Gijón (a Senhora Felgeroso) investiu-o na Universidade Laboral e, tal como o primeiro, noutras obras. [Read more…]

Esquerda!?

Os deputados do Partido Socialista Pedro Nuno Santos, Ana Catarina Mendes, Sérgio Sousa Pinto, João Galamba, Isabel Moreira, Mário Ruivo, Maria Antónia Almeida Santos, Duarte Cordeiro e Pedro Alves, também fazem parte dos promotores do Congresso das Alternativas Democráticas.

Cristiano Ronaldo é o maior jogador português de todos os tempos

Não sou dado a declarações hiperbólicas – antes pelo contrário – acho-as excessivas, patéticas e destinadas a ser tragadas pela realidade semanas depois, e ponderei bem antes de fazer esta afirmação.

Faço questão de deixá-la aqui, antes do Portugal Espanha, aconteça o que hoje acontecer.

Vi jogar o Grande Eusébio (já em fase descendente, mas enfim), Vítor Baptista, Chalana, Futre, Figo e Rui Costa, e não tenho dúvidas. O maior jogador português de todos os tempos é (já é) Cristiano Ronaldo. Nunca um jogador português foi tão decisivo, a tão alto nível, tão planetariamente reconhecido, tão apaixonadamente discutido.

Cristiano, por onde passa, muda tudo. [Read more…]

Em modo de advérbio

Advérbios da verdade e advérbios não orçamentados.

Bandex – Nós temos um objectivo

Tá? tá

Morreu Nora Ephron, criadora de diálogos e de orgasmos

Foi com When Harry met Sally (Um Amor Inevitável) que deixei de ter vergonha de gostar de comédias românticas, sentimento que consolidei com os vários filmes em que Nora Ephron interveio, como argumentista e/ou como realizadora. É certo que é importante ter actores à altura, mas, sem diálogos bem concebidos, Slepless in Seattle (Sintonia de Amor) ou Julie and Julia (Julie e Júlia)  não teriam alcançado a qualidade que alcançaram. Com Nora Ephron, as palavras valiam mil imagens.

O orgasmo vem já a seguir:

Os criminosos negam a evidência

A surpresa do governo não condiz com os dados disponíveis o ano passado. É o que dá usar sistemas de fé para governar um país.

Para que servem os professores? Para o presente do país!

Andei uns dias com a pergunta na cabeça: “Para que servem os professores?

Fui pensando que, de facto, os Professores, enquanto classe são algo muito diverso que, na sua maioria, levam a sua prática profissional centrada em dois eixos:

– o trabalho com os alunos, na maioria dos casos, excelente, de grande empenho e de muita entrega;

– uma visão individualista da profissão, quer enquanto agente diário de mudança social, quer enquanto autor permanente de mudanças para o futuro.

A maior estrutura coletiva de professores, a FENPROF, tem, desde sempre, exigido ser um parceiro ativo nas questões educativas, mesmo que fora da  esfera profissional, mas os professores nunca se sentiram verdadeiramente envolvidos nessa dimensão. Penso, pois, que aqui está parte da resposta à questão colocada: os professores estão disponíveis (estiveram!) para sair à rua contra a sua avaliação, mas não se conseguem mobilizar para lutar por uma coisa tão “simples” como a ESCOLA PÚBLICA! [Read more…]

Como Funciona o Brasil


E certamente Portugal…

Bandex – Grande Bonito (coisa ruim)

Toma lá Scolari.

Estará doente?

Nunca enquanto for viva”. Disse Merkel sobre a criação de ‘eurobonds.

Ponte “Vai e não voltes”

Teria a sua piada. A ponte “Vai e não voltes“.

Começaria do lado de cá e em sentido descendente, aproveitando a gravidade, seria sempre a descer e por isso descendente. Assumidamente, desceria para baixo.

Dirão os mais atentos que do outro lado seria ascendente, porque seria a subir. Subir para cima!

Mas aqui é que está a solução!

A ponte seria para lá e de sentido único. Seria aberta uma única vez e levaria um carrinho cheio deles: o que está de partida, o que foi para Lisboa, o descendente, o vice candidato. Todos.

Resolvia-se um conjunto bem amplo de problemas – um dia aparece um num jornal ao lado do arquitecto com as pontes todas. No outro é o Presidente que está com problemas na caixa de correio que aparece ao lado do Vice, mais uma vez, as pontes… E ainda há o que quer ser, mas ninguém o quer.

Meus amigos, isto aqui em gaia, no que diz respeito ao PSD, vai uma verdadeira anedota!

E o eleitor, contribuinte, que os ature! Não há paciência. O desemprego continua a crescer como em nenhum concelho deste país e esta gente fala de pontes. Não foi o cimento, a Mota Engil e a Soares da Costa, com os seus amigos, que nos trouxeram até aqui? Insistir no erro?

A sério, aproveitem a descida, ali da Serra do Pilar até à Ribeira…

Segredos do Partenon

Documento em inglês, para traduzir, acerca do Parténon. Explica a sua construção e a sua importância no contexto da arte em Atenas.

Da série Filmes completos para o 7.º ano de História
Tema 1 do Programa: Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações
Unidade 2.1. – Os Gregos no século V a. C.: O exemplo de Atenas

Mondim de Basto

Arnault, REN, Escritório de advogados: a culpa é minha! Assumo!

Só pode ser minha. Minha e tua que há mais de trinta anos permitimos que esta gente se governe. Estou cada vez mais tentado a seguir a sugestão do João Nogueira dos Santos.

Vou aderir a um partido!