Embargo ao Irão

A atenção dos meios de comunicação social no inicio do ano, sobre a questão do embargo europeu à compra de petróleo iraniano, foi implacável e constante. Conto cerca de 200 artigos nos jornais de referência durante o mês de Janeiro.

Mesmo nessa grande quantidade artigos é difícil encontrar alguma menção ao facto deste embargo dificilmente poder ter grande impacto nas receitas iranianas resultantes da venda de petróleo, ou mesmo nas políticas nucleares iranianas. Basta ter em conta que o petróleo é um bem fungível e de não faltar procura do ouro negro nos mercados mundiais.

Agora que estamos a menos de uma semana do inicio do embargo, a quantidade de notícias sobre este é confrangedoramente pequena, não, o pequeno número de artigos não é compensado pela sua elevada qualidade.

É caso para perguntar: este assunto agora já não tem importância?

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Porque é que o mundo (ocidental) é tão-moral imoral e se preocupa tanto com os outros e não olha para si e deixa os outros crescer quando e como podem – como aconteceu com portugal que não cresceu quando quiz mas quando as circunstâncias o permitira e que curiosamente andam a delapidar – que juízes e carrascos – e eu que me lixe e hoje já não recebi o meu subsídio de “férias” – Ai perdão, esqueci-me que somos humanistas e universais e sempore nos interesssámos pelo mundo inteiro mas somos do país que “matou Gungunhana” masmo depois de lhe ter prometido conservar o estatuto e em paz – pois a “honra” – prfiro assim ouvir a RTPInformaão e a falar de Ronaldo e do mandão do Platini que já decidiu, descaradamente, do ganhador do euro 2012 – E Vicente del Bosque vai tratar de “Ronaldo” – ganhar ————— só ———-“abatendo o adversário” – Vamos ver se a água retida conscientemente em espanha chegará para dar de beber “às vacas” – abater as vacas ou ronaldo faz parte do mesmo sentimento de amor universal

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.