Sou o que faço

No livro Memórias do Livro de Geraldine Brooks  descobri uma frase muito bela de Gerard Manley Hopkins (1844-89) que, naquela edição portuguesa (casa das letras), Ângelo Pereira traduziu como “Sou o que faço, foi para isso que nasci.” Fui à procura do poema. Partilho com todos: Chispeia o papa-peixe

Chispeia o papa-peixe, brilha a libelinha;
Tombado sobre a borda de um tanque redondo
O seixo soa; a um toque a corda ecoa; e o som do
Badalo é língua e brada longe o nome – é assim a
Ação que sempre é feita: o ser que em nós se aninha
Cada coisa mortal o distribui de todo;
Vem-a-si, trilha a si; “eu” exclama, escande, estronda o
Eu sou o que faço: tal era a missão que eu tinha.

(…)

(tradução de Alípio C. de F. Neto)

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Lindo poema

  2. Pedro Marques says:

    De certeza que na altura foi traduzida para este acordês? Não me parece, e só estragou esta alteração, mas enfim, não há vergonha, nem inteligência!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.