2 de Março, o povo sai à rua

2 de marçoEm Portugal, numa manifestação perto de ti.

A apreensão da lógica e da substância

Uma imagem ilustrativa da apreensão da lógica e da substância do AO90 na RTP. Sim, a RTP adoptou o AO90 há dois anos.

Dizendo a base VIII, 3.º, do AO90 que não se prescinde de acento gráfico n’«a forma verbal pôr, para a distinguir da preposição por», é natural que não se perceba o motivo de na base IX, 9.º, se deixar de «distinguir pelo acento gráfico: para (á), flexão de parar, e para, preposição».

Sim, claro, a lógica. E a substância.

Ao longo de 2010, desenvolveu-se uma intensa atividade [sic] formativa […].

Para este volume, concorreu de forma especial o plano de formação dirigido à apreensão da lógica e da substância do Acordo Ortográfico que a RTP adotou [sic] a partir de janeiro [sic] de 2011. Só nessa formação, realizada num mês, no Continente e Ilhas, foram envolvidos 1.827 [sic] formandos. O parceiro da RTP nesta operação foi o ILTEC.

RTP – Relatório e Contas 2010, p. 62

Telejornal, 21 de JAneiro de 2013

Telejornal, 21 de Janeiro de 2013

Hora de escolher

A Europa sofreu muito até conseguir estabelecer o Estado Social. Portugal, apesar do seu vasto e rico império colonial, não escapou a esse sofrimento por lhe ter faltado o golpe de asa que fizesse o seu próprio sistema de vida.

Através da palavra escrita, pudemos saber como foi o calvário dos povos escravizados por um sistema económico-financeiro que por completo estava nas mãos dos poderosos. Os povos não tinham direitos, apenas podiam beneficiar da caridade que era função da variável do carácter de quem a praticava. O trabalhador, por muito talentoso e esforçado que fosse, era tratado por esmola na hora da doença, do desemprego ou da velhice. A prova de que a situação era insuportável e revoltante está nos inúmeros barcos que levaram milhões de pessoas aos países do Novo Mundo. Talvez esse Novo Mundo construído pelos desesperados e injustiçados seja tão céptico em relação à Europa precisamente por ter recebido os despojos humanos de um egoísmo oligárquico que a História julga sem contemplações nem desculpas.

A miséria deu em revolta. Depois de revoluções, guilhotinas, guerras, prisões, exílios, gulags, a Europa rendeu-se à evidência: os trabalhadores eram seres humanos que não tinham só deveres, também tinham direitos. O Estado Social estabeleceu-se pouco a pouco com toda sua panóplia de salários justos, feriados, férias pagas, fins de semana para descanso, horários de trabalho, pensões de reforma, direito à greve, assistência na doença e desemprego, serviços de saúde universais e gratuitos, etc. etc. A própria Igreja Católica estabeleceu a Doutrina Social, no século XIX, assente na pedra de toque: a economia estava ao serviço do homem e não o contrário. Nenhum país teve coragem para pôr em prática, de forma total, essa Doutrina. Foi pena. Tinham-se evitado muitos dissabores. Mas o preconceito tem força. Em todo o caso, muitos dos fundamentos do Estado Social passaram a ter lugar nas constituições dos vários países europeus. E porque a miséria e tratamento indigno dos povos levou a guerras, um grupo de figuras democráticas lançou as bases da hoje União Europeia para que a paz pudesse ser uma garantia. [Read more…]

Pela boca morre o peixe…

0

Ver Manuel Pizarro, antigo Secretário de Estado da Saúde no governo do Eng. José Sócrates falar sobre despesismo e de desprezo pelo Porto, é de ir às lágrimas. Ainda por cima, quando o passivo do MS acumulado no tempo desse governo era suficiente para pagar as dívidas de todas as câmaras municipais deste país dos últimos 30 anos…

Sem esquecer, que o governo a que pertenceu Manuel Pizarro foi o mesmo que regulamentou, contrariando normas europeias, de molde a que verbas do QREN fossem parar a Lisboa…

A lei do mais forte na Unicer

Uma bebedeira de ilegalidades no reino de Pires de Lima.

Alegre com Dylan por um Mundo livre

alegre_dylan

«Manuel Alegre ao lado de Bob Dylan, John Lennon e Leonard Cohen» anunciou hoje a Leya, feliz da vida por Alegre passar a estar ao lado de tão notáveis poetas (e Chico Buarque também lá está) no âmbito da antologia italiana Canto Por Um Mundo Livre. Marketing é marketing (essa ciência que é um remédio santo) mas talvez José Afonso fosse realmente o único nome que faria sentido nessa representação portuguesa de grandes poetas/músicos. Alegre é doutra guerra.

Exemplo de capitão

Imagem

Para o bem e para o mal, ainda tenho do desporto – o autêntico – a visão romântica de que é uma referência de valores: entreajuda, solidariedade, liderança, trabalho de equipa, disciplina, amizade, respeito e humildade, e mais umas dezenas de outras qualidades que poderíamos acrescentar.

Mas não sou ingénuo ao ponto de acreditar que o desporto, na sua pluralidade, ainda se rege pelo velho padrão de “mens sana in corpore sano”, porque, desde logo, me assaltam evidências de que o desporto sempre foi usado desde a antiguidade para outros fins que não este.

Penso, no entanto, que, se conseguirmos fazer vingar algumas das qualidades, valores e referências, poderemos ter uma melhor sociedade, mais justa e interdependente, responsável.

O desporto pode ser, mesmo, uma das maiores menções de cidadania. [Read more…]

Odisseia: a televisão sem medo

odisseia-rtpEstreou, ontem, Odisseia, um programa de Bruno Nogueira, Gonçalo Waddington e Tiago Guedes. Estando a televisão portuguesa transformada em telelixo, é natural que evite a mistura entre inteligência, sensibilidade, provocação ou cultura. Nada disso é evitado neste programa, num duplo risco de afrontamento da indústria televisiva e do próprio humor.

Bruno Nogueira é, há alguns anos, um caso sério de humor irreverente e inteligente, mesmo quando desbragado (e o desbragamento é uma manifestação de inteligência, especialmente  numa sociedade em que se pensa que vestir um fato é sinal de seriedade). Por outro lado, fica-se com a impressão de que o rapaz sabe que o humor não pode estar obcecado em ser inteligente, até porque as piadas demasiado inteligentes podem levar tanto tempo a ser compreendidas que uma pessoa arrisca-se a perder a vontade de rir. Para além disso, estamos perante um humorista que parece gostar do risco de chocar e, até, do risco de não fazer rir. [Read more…]

Virar ao contrário

Aqui está a saída para o nosso país – é só virar tudo ao contrário, não?

Um país em estado de alerta

Imagem

O Vendaval passou. Ao início da manhã de sábado tentei ligar para os meus pais, que moram numa aldeia com nome de erva para pastagem, ali ao lado do Louriçal, a segunda maior freguesia desse concelho-charneira que é Pombal. Foi lá que eu cresci. Quando era menina a luz eléctrica ainda não era ainda para todos, nas aldeias à volta. E muitas vezes a fragilidade do sistema deixava-nos serões de lareira e candeeiro a petróleo. A água chegava às torneiras através do poço no quintal, o telefone era quase exclusivo do posto público e nem nos filmes a preto-e-branco se falava de internet. Portugal, década de 70, portanto.

Na cidade, a luz, a água, o telefone e a internet foram-se nas primeiras horas da manhã. A maioria das estradas ficou intransitável e pejada de troncos de árvore, tombadas pelo vento. Desta vez, o resto não foi o que se sabe, porque se sabe muito pouco do que aconteceu. Na era dos contactos, os jornalistas souberam muito pouco, pois que sem telemóvel nem net, não se vai a lado nenhum. Mas à medida que passaram as horas e voltaram as comunicações foram pingando fotografias por toda a parte, e então foi possível perceber o estado de calamidade, anunciado desde sexta-feira. [Read more…]

Presunção e água benta

Seguro diz que vai “surpreender os portugueses quando chegar a altura de apresentar um futuro governo”, e que “no laboratório de ideias do PS há um “viveiro muito grande de futuros membros de um Governo” socialista.”

Bloco central prepara-se

Luís Assis defende entendimento entre PS e a direita, “desde que não seja a direita de Passos Coelho”.

Partido de Merkel perdeu

A CDU de Angela Merkel perdeu nas eleições de ontem na Baixa Saxónia. A coligação SPD+Verdes ganhou a maioria dos votos dos oito milhões de eleitores.

Eram Quatro Meninas

meninas

Eram quatro meninas, qual delas a mais linda. Conheceram-se em Coimbra e os seus coraçõezinhos imediatamente se sentiram ligados por aqueles laços que tantas vezes escapam aos adultos. Eram quatro meninas que logo ali, naquele restaurante desconhecido, iniciaram brincadeiras e cumplicidades que se prolongaram para além da separação. A duas delas faltava o A.R. com que se escrevem os nomes das amiguinhas distantes. Os pais, sensibilizados por tão bela amizade, acabaram por também estreitar laços de amizade já existentes. As quatro meninas voltaram a encontrar-se, agora em casa de duas delas. Quatro meninas cujas iniciais são as primeiras quatro letras do almoço que serviu de mote a este encontro. A amizade e as brincadeiras retomaram-se no ponto em que haviam ficado naquele dia da descoberta e separação. Voltaram a separar-se com a promessa parental de novo encontro para breve, muito breve, o mais breve possível. São quatro meninas cada vez mais amigas, cada vez mais próximas. São quatro meninas, filhas de bloggers Aventadores. São quatro meninas, cada vez mais lindas, cada vez mais amigas. São quatro meninas, todas pequeninas. Serão o futuro do Aventar?

Os relatos da RUC

Reportagem da Spor-TV sobre os relatos da Rádio Universidade de Coimbra.

Blogs do ano 2012: votações 2ª fase

blogs-do-ano-2012-wide-800px

Depois da primeira fase do concurso, decorrem até às 23:59:99 do próximo sábado as votações para a segunda e última fase. Nesta segunda fase participam os cinco mais votados de cada categoria. As votações decorrem nesta página. Os resultados da 2ª fase serão publicados a 27-01-2013.

%d bloggers like this: