A Irritante Busca da Verdade

Estamos pacificamente de acordo quanto à criminalidade subjacente ao caso BPN. Também deveríamos estar todos de acordo quanto ao processo manhoso, de dolo difuso, em que consistiu a nacionalização manhosa dos prejuízos do BPN, com manutenção privada dos suculentos activos SLN agregados ao mesmo Banco. O Bloco Central de Interesses vela por si mesmo, enquanto nos lixa sem piedade. Tem sido assim. E por vezes uma guerra para ver quem carrega com mais culpas ou o silêncio total quando não interessa escavar mais. Por isso, o que não percebo é por que motivo ainda não vi o visado a desmentir este incentivo aos swap em forma de despacho de 2009 ou alguém a entrevistar o Caimão para todos ficarmos a saber quem é que ilicitamente andou a ganhar dinheiro precisamente quando, em 2011, os juros da dívida portuguesa, nas diversas maturidades, rebentavam a escala e, por alguma razão mística, o Governo Português retardava o pedido de resgate. A busca da verdade é irritante, tirando o facto de andar pelos media um fermento de absolvição instantânea da Esquerda, se é que o PS é ou pode ser visto como tal coisa quando no poder. Esquerda ali é só para disfarçar outros desígnios que só o Caimão saberá.

Comments

  1. Victor Moreira says:

    Por quanto mais tempo se arrastará esta miséria. Por quanto mais tempo teremos nós que aturar esta canalhice.

  2. manuel.m says:

    A busca é irritante ? Bem depende, se-lo-á particularmente se quem a faz fôr portador de uma ainda mais irritante miopía. Imaginemos o seguinte :
    V.Exª Sr. Santos, (para o caso não interessa, até podia ser o Sr. Silva), tem no seu grupo de amigos um que é feliz proprietário de uma relojoaria. Este, generoso, oferece-lhe a si e a outros compinchas a compra de um magnifico relógio em ouro por uma pequena fracção do seu real valor. Irrecusável oportunidade portanto, que obviamente aproveita.
    Acontece que algum tempo depois, e para consternação geral, se descobre que o amigo relojoeiro, sobre o qual nunca tinham recaído suspeitas de comportamentos menos dignos, é afinal receptador de objectos roubados, um dos quais é o seu estimado relógio.
    O Sr. Santos, honrado e probo como é, não querendo beneficiar de processos manhosos e de dolo difuso, sem um segundo de hesitação devolve a peça roubada.
    Moral da história ?
    Quando a verdade é cristalina, a sua busca nunca pode ser irritante.

  3. lidia drummond says:

    Joaquim ou Qim, o derrotista. Lê-lo é como ingerir cianeto, nunca concretiza nada, limita-se a bolsar como os bebés. Afinal quem, é o tal Caimão? Será o Cavaco? ou seja quem for não tenha medo, não seja cobarde, A Maior vantagem da democracia é termos o previlégio de dizer as verdades. se mentirmos vamos ter com o PORTAS ao Palácio Conde de farrobo que ele tem uma lista de personagens muito importantes e safa-nos logo da Justiça. Nunca se cansa de dizer o mesmo numa nota só?
    descanse a carola, vá de férias e venha com ideias novas e renovadas. Como vê já ninguem lhe liga nenhuma. só eu que estou de passagem para o Paraiso, pois a piolheira já me cansa

    • Joaquim Carlos Santos says:

      E o que é que eu hei-de pensar da minha caríssima leitora Lídia Drummond ou lá quem é realmente?! A cada comentário seu, mistura alhos com bugalhos, fala do Portas, do sexo do Portas, dos efebos do Portas, da micose com o Cavaco, da mixomatose de Cavaco, e isso concretiza o quê?!

      Pode dar as voltas que quiser, eu fico com a sensação de que a Lídia ou lá quem é tem uma paixão assolapada por Sócrates. Se pudesse era os chinelos de Sócrates, a travesseira de Sócrates, a pasta de dentes de Sócrates: ou seja, objectos de uso o mais banal e no entanto nada mais íntimo. No resto, é ciosa e facciosa como uma adepta de um clube, o PS, o seu totem e altar.

      Era preciso ir mais longe.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.