“Independente” Ma Non Troppo

Era uma vez um “Independente” burguês, eleito com o esforço do CDS-PP, que depois foi alienar a “independência” ao PS e semear no PS concelhio a cizânia. Adentra-se assim o pensador sapiente da portuensealidade Rui Moreira no imperscrutável inescrutável mundo da política como elefante em loja de cristais.

Comments


  1. PARA REFLEXÃO – O Rio ainda corre pelo lado dos fluvienses que representam a burguesia e detêm o capital.
    Caros portuenses e nortenhos desfavorecidos entre e intra classes.
    Nunca se esqueçam que, em toda a sua história, a burguesia nunca se esforçou por demolir fronteiras sociais, económicas ou políticas, mas sim em demarca-las muito bem com base em interesses comerciais e capitalistas.

    É certo que Rui Moreira não “tomou de assalto” o Porto, até porque foram os portuenses que votaram nele, mesmo que saturados por um sistema político desacreditado que os levou a votar contra o sistema político-administrativo instalado. Terá sido um voto devidamente esclarecido e reflectido? Em breve veremos!

    Rui Moreira não apareceu do nada como muitos referem. Qualquer pessoa mais atenta compreende que andou alguns anos a preparar o caminho para o poder, juntamente com uma determinada classe burguesa e capitalista que detém alguns interesses instalados no Porto e no Norte, sem nunca se ter constatado uma grande queda ou preocupação sobre os problemas sociais e, sobretudo, sobre as classes ou grupos sociais mais frágeis e desfavorecidos.

    Rui Moreira, apesar das suas qualidades humanas e políticas, não deixa de ser um homem com grandes apoios e preocupações comerciais e capitalistas. Por tal, devemos permanecer muito atentos ao rumo político, social e económico que venha a ser trilhado em prol da resolução dos problemas sociais, que hoje se acentuam não só entre categoria sociais (favorecidas e desfavorecidas), mas sobretudo intracategorias (dificuldades e diferenciação dentro da mesma classe, como por exemplo o sentimento gerado pelo desemprego e falta de oportunidades dentro de uma mesma classe). Note-se que as questões das desigualdades e da diferenciação entre e intra classes, são barreiras cada vez mais acentuadas e que os capitalistas pretendem consolidar.

    Nunca se esqueçam que a burguesia descreve uma classe social que, desde sempre, está caracterizada pela sua propriedade comercial e de capitais, bem como pela detenção, a qualquer custo, dos meios de produção, cujas preocupações sociais assentam sobretudo no valor e preservação do capital, a fim de garantirem a sua supremacia económica e financeira sobre a sociedade. Não se esqueçam que a burguesia sempre gostou de ser a classe dominante das sociedades capitalistas!

    Quanto a Rui Moreira ser o líder de um projecto que vem demolir fronteiras sociais, ainda muita água vai correr pelo Rio e sobretudo pelas cabeças dos fluvienses que representam o comércio e o interesse do capital.

    Ainda não vimos, nem sabemos nada, sobre as políticas sociais e socioeconómicas que Rui Moreira tem na manga para esbater as desigualdades sociais e socioeconómicas.

    Não deixem de acreditar, mas mantenham-se sempre atentos!
    Porto, 13-10-2013
    José Pereira (Zé de Baião)
    http://www.publico.pt/temas/jornal/o-burgues-da-foz-que-tomou-de-assalto-a-camara-do-porto-27221209

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.