Precisa-se de electricistas

No país onde se paga a electricidade mais cara da Europa, a EDP cortou hoje, com o apoio da polícia, o fornecimento de electricidade no bairro do Lagarteiro, um dos bairros mais pobres do Porto. Dezenas de moradores com facturas em atraso, muitos deles considerados pelos serviços sociais da Junta de Campanhã como em situação de “emergência social”, ficaram sem luz, sem aquecimento, sem fogão para cozinhar, porque não podem pagar o que a EDP exige. Entre eles, havia gente com crianças pequenas e até, como mostra a reportagem da RTP, um deficiente motor que, a partir de hoje, deixa de poder recarregar a cadeira de rodas eléctrica.

“Electricidade mais cara da Europa” não é figura de estilo nem recurso demagógico. É isto: [Read more…]

Lápis azul

no museu!

Aprender matemática

Há duas maneiras de fazer a coisa, sim, essa, a complicada: M-a-t-e-m-á-t-i-c-a!

Uns pensam uma Escola Pública que é de todos e para todos! Outros terão da Escola Pública uma visão diferente. No que diz respeito à matemática a visão não poderia ser mais diversa:

– David Justino faz uma opção.

Mas há outras!

As “*atividades inspectivas”: um Guião da cacografia do Estado

portas2i-4005Lusa

© Lusa (http://bit.ly/1aWCVQZ)

Depois de ter partido sem resolver o problema, Paulo Portas acaba de contribuir para um terrível golpe desferido no sonho que alguns persistem em manter acerca da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Por seu turno, se Paul Krugman soubesse português e tivesse lido o Guião ontem apresentado, os parágrafos de John Taylor seriam relegados para o segundo posto.

Efectivamente, fazendo um pequeno apanhado de co-ocorrências presentes neste Guião

  • acção (p. 32) e ação (p. 39)
  • adopção (p. 10) e adoção (p. 110)
  • aspecto (p. 12) e aspeto (p. 72)
  • activo (p. 55) e ativa (p. 84)
  • actividade (p. 8 ) e atividade (p. 69)
  • actual (p. 11) e atual (p. 81) [Read more…]

Postalinho de Barcelos (10)

postal-barcelos

“Menos vinho não lhes fazia mal”

“Qual Governo? (…) Existe um bando de meninos, a quem os pais vestiram casaco como para um baptizado ou um casamento”.

ala-4d63

I Know Just What’s Missing On Your Mantlepiece… A Dictator!

I Know Just What’s Missing On Your Mantlepiece… A Dictator!.

Eu quero o meu PAI!

Sabemos todos que nada acontece por acaso e quase sempre, o que parece, não é!

Mas o que interessa isso perante a vontade expressa deste puto em continuar ao lado do Santo Padre?

Gosto da boa onda que Papa Francisco trouxe ao mundo!

Chantagem para ovelhas e outros tipos de gado

Podia estender-me horas (linhas) a fio sobre este mentiroso compulsivo em quem já só algumas ovelhas acreditam. Mas vou apenas focar-me em mais uma pérola com que este metafórico monte de merda hoje nos brindou.

Diz Pedro Passos “Tecnoforma” Coelho que o Governo pretende “baixar os impostos de forma permanente” mas que tal não será possível caso nos desviemos do “caminho de redução e controle de despesa” previsto no OE14. E, entre lirismos sobre o “momento da verdade” ou o “passaporte do país para o seu futuro pós-troika”, Passos Coelho atira a bola para o lado do PS pedindo compromissos a médio e a longo prazo para garantir que o povinho continua a pagar a crise que Passos se esforça todos os dias por nacionalizar.

[Read more…]

Vende-se

antero112

Afinal quem é o presidente da junta?

O mistério da campainha incendiada, uma queixa-crime, a junta encerrada. Histórias (patéticas) do meu bairro.

Debate sobre o Orçamento do Estado em directo?

Óptimo. Quando se discutir a redacção do Relatório, avisem-me, sff.

Vou abrir uma escola nova

Aluno-tipo da minha futura escola

Aluno-tipo da minha futura escola


Entusiasmado com a proposta de Paulo Portas para a reforma do Estado, decidi abrir uma escola nova logo que possível. Já falei com alguns dos meus colegas – só quero os que dão melhores notas – e já estabeleci algumas regras básicas.
Na minha escola, só entrarão os melhores alunos. Média de 4 pelo menos. Alunos com nível 3 borda fora. Penso que a lei vai permitir, certo? Afinal, pelo que percebo, isto vai ser uma espécie de contrato de associação como nos colégios.
Espero que o Estado não boicote o meu projecto. Seria inconcebível! É que os nossos filhos devem poder escolher a escola, mas ninguém garante que a escola os escolha a eles. É assim que deve ser e não podia ser de outra forma.
Acho que vai ser um sucesso. Daqui a 3 anos a minha escola vai estar no topo dos «rankings»!

Recusas

A recusa do diálogo com a Troyka. A higiene. O mimo. O tau-tau. O eu-choro.

PT

A PT vai mudar de nome. É razoável. Com as suas sedes na Holanda e, agora, no Brasil; com o seu capital dominado por investidores brasileiros, angolanos e outros, nomináveis ou inomináveis, a permanência do nome Portugal na designação da empresa aparece como uma anedota amarga. Faça-se, pois, a excisão

A gaiola sombria

Motivos profissionais trazem-me, vezes sem conta, a esta “gaiola dourada” que é o Luxemburgo, um pequeno país onde toda a gente parece transbordar dinheiro e iPhones. Um paraíso do consumo em massa onde, ao contrário de Portugal, existe muito estado social e pouco sol.

Até há bem pouco tempo, o Luxemburgo era um oásis para emigrantes de todas as nacionalidades que procuravam uma vida melhor. A maior comunidade no país é a portuguesa (estima-se que sejam cerca de 90 mil – aproximadamente 16,4% da população total – números que não terão em conta todos aqueles em condições ilegais e os milhares já naturalizados luxemburgueses) e a nossa presença faz-se sentir um pouco por todo o lado: em cada esquina podemos ouvir a nossa língua, comer uma francesinha, beber uma SuperBock ou tomar um café decente, algo que não abunda por essa Europa fora.

Acontece que, como tudo na Europa, também o Luxemburgo está a mudar. Por estes dias, durante a minha habitual caminhada pós-jantar, deparei-me com algo que nunca tinha visto: na zona da Gare du Luxembourg (estação central da capital), dei de frente com um considerável amontoado de pessoas que, debaixo de um frio de rachar, por ali tentavam pernoitar. Vi pelo menos dois casais com crianças pequenas. Fiquei perturbado quando percebi que quase todos falavam português.

[Read more…]