José Eduardo dos Santos que meta a parceria estratégica onde melhor lhe convier

Era o que faltava que Portugal continuasse a baixar as calças a um regime corrupto e a um dos maiores cleptocratas do mundo.
O anedótico ministro Machete já ultrapassara todos os limites ao misturar, de forma abjecta, o poder político com o poder judicial. Só faltava vir Passos Coelho, no Sábado, quase a pedir desculpa a Angola e a comprometer-se a fazer tudo para que José Eduardo dos Santos reveja o fim da parceria estratégica.
Por mim, o cleptocrata-mor pode meter essa parceria onde melhor lhe convier.

Blogues à esquerda

Dois novos, Linhas da Ira e L´obéissance est morte.  Ambos se recomendam.

A arte da mentira em João Almeida

Houve Prós e Contras, coisa rara, pela segunda semana consecutiva. Os cortes orçamentais no estado discutidos por quem é pró e por quem é contra.

João Almeida e Ricardo Arroja levaram uma monumental coça, como se pode perceber pelos blogues do costume (queixando-se da irmã do secretário de estado dos supositórios, senhora que tantas vezes promoveu programas onde só a direita debate).

É natural: a “argumentação” resume-se ao clássico não há alternativas, vivemos acima das nossas possibilidades desde o 25 de Abril (dantes é que era bom); a k7 ideológica do costume em forma de ladainha quando encontra pela frente quem a desmascara acaba mal. E depois mente-se.

João Almeida à falta de melhor, dedicou-se às lendas e narrativas:

A manif anti-pró-troika

Ontem foi dia de mais uma manif, que afinal não o foi. Ou foi, mas o contrário do que estavam à espera que fosse. Afinal, a manif pró-troika consistiu numa forma de romper aquilo que o movimento Que Se Lixe a Troika considera ser um bloqueio mediático às manifes de dia 26, que terão lugar em todo o país. A acção foi muito bem conseguida e deve fazer-nos pensar em pelo menos dois aspectos. [Read more…]

Narcísico Merdeiro

O Supremo Burlão quer antena e vai vendendo a banha que não há: só ele é que está bem.

Moedas for the boys

Jobs for the Boys

Será que estes reputados experts acumulam doutoramentos na universidade de verão do PSD?

O péssimo é amigo do mau

© Lusa

© Lusa

Passos Coelho e pandilha adjacente constituem um conjunto de criminosos competentes ou de burros contumazes, uma vez que insistem em receitas que são problemas, resoluções que não resolvem e agravam. De uma maneira ou de outra, estão no lugar errado: prisão para os criminosos e para os asnos, palha.

É importante relembrar que chegaram ao poder graças a mentiras descaradas e que se mantêm no poder praticando o contrário do anunciaram. Tivesse Passos Coelho um poucochinho de honestidade intelectual ou, no mínimo, alguma preocupação em disfarçar, e poderia dizer que, afinal, estava enganado, que as coisas eram piores do que tinha pensado e que, agora, tínhamos de fazer ao contrário do que tínhamos dito e desculpem qualquer coisinha. Em vez disso, prossegue o seu caminho, com a falta de vergonha tradicional que nos leva rapidamente ao discurso de que os políticos são todos iguais. [Read more…]

À consideração do sr. Aníbal C. Silva

Arrotos de vaca: uma fonte de energia alternativa.

Portugal-Cigarro Fuma-se a Si Mesmo

Este será um post para quantos alguma vez andaram aflitos na sua vida privada, com as mãos nos bolsos, a unhas neles a rapar cotão, encostados aos postes espirituais a ver se a vida passa sem reparar em nós. Portugal, hoje, é isso. Hoje, e sempre, é como se fosse uma pessoa. Por acaso aflita. Sem cheta. Há cento e cinquenta anos apertado em dúvidas existenciais. Encosta-se agora mesmo a um poste. Fuma o pensativo cigarro de si mesmo, cigarro com quase dois séculos e a cinza de mais um default tombando no chão quadridimensional da sua História Colectiva, os olhos semicerrados, os dedos nicotinados, os dentes putrescentes, o hálito entre o halo a merda ou a carniça. Fuma e cisma, com saudades, de Vítor Gaspar, o ministro que a auto-intitulada Esquerda Moderada dizia falhar estimativas, cenários, previsões, mas representava, sozinho, uma solidez que blindava Portugal da punição fiduciária dos mercados. Cisma na virulência dos galambas, putos imberbes, perfurados nas orelhas, a debitar furibundices no Parlamento. Cisma-se mais, fumando-se. Algumas demissões, por vezes, são fezes. Portugal continua encostado a uma espécie de poste da REN imaterial, fumando-se no seu cismativo cigarro. «Eu, Portugal, sou isto, não passo disto. Por um lado, governo-me, por outro tenho um programa de governo no Bloco e no PCP que é não estar em qualquer Governo, pedir a demissão de A durante meses e depois ver no que dá. Eu sou isto. E dá merda», pensa. Talvez o Portugal que se encosta e cisma estivesse no bom caminho consigo mesmo por ter Gaspar. [Read more…]

Dois Silêncios Estridentes

Depois de José Maria Ricciardi ter feito uma pirueta pouco comum em banqueiros ao sugerir um período de carência para o pagamento dos juros relacionados com as famigeradas PPP rodoviárias por um ou dois anos, a qual daria ao Tesouro a possibilidade de diluir no tempo os 1166 milhões de euros nas parcerias com os transportes, não me recordo, até ao momento de ter ouvido uma reacção governamental, embora, diga-se, esta ricciardice tenha chegado manhosamente depois de entregue formalmente o Orçamento para 2014: por um lado fica bem na fotografia, por outro, chega tarde de mais para contrapor uma bóia a pensionistas e funcionários públicos às medidas estruturais troykistas. Desígnios. [Read more…]

Começou a caminhada

Elogio

«A CGTP deu aos portugueses heroína e agora quando quer dar a cocaína já não consegue criar excitação». (Marcelo Rebelo de Sousa, naquela coisa da TVI, terminando a declaração com o seu mais alucinado sorriso, de olhos esbugalhados e boca aberta, mimando o espanto do sábio de depara com a Verdade).

A elegância da palavra! A profundidade da metáfora! A agudeza da análise! Olhai a grandeza de Marcelo, o que lê dois livros por dia (garantem os que, nunca tendo lido um livro, não medem bem o disparate), o que dorme duas horas por dia (uma por cada livro), o campeão do apotegma saloio, o intelectual orgânico da direita rastejante.

E Porque Hoje Chove “Bué”