Há uma ética de esquerda e uma ética de direita?

No jornal Público de 22 de Janeiro é apresentado um trabalho, pela pena do jornalista José António Cerejo, sobre a Casa Fernando Pessoa, sobre a sua directora Inês Pedrosa, e sobre adjudicações. O artigo é claro. Conheço o CCP (Código da Contratação Pública), mas sem mais pormenores sobre o que foram os ajustes directos realizados (despachos de autorização de abertura dos procedimentos, consulta/s efectuada/s, etc.) não posso dizer se os casos apontados estão ou não dentro da legalidade.

Mas uma coisa eu sei, os mais elementares princípios de ética estão ausentes deste/s caso/s referidos na notícia. Esta matéria não tem tido o mesmo “tratamento” na opinião pública à semelhança de outras mais ou menos parecidas.

E daí a minha dúvida, haverá uma ética de esquerda e uma ética de direita?

Na caixa do artigo é referido o nome de Rui Pereira, director municipal.

E pensei, este director Municipal, Rui Pereira, será a mesma pessoa que foi chefe de gabinete do Secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas (ex-director da Casa Fernando Pessoa)?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.