A coalhar é que a gente se entende

Há anos houve o chamado orçamento Limiano. Agora vamos ter o governo Terra Nostra.

Gosto dos dois, dos queijos, entenda-se.

…M’ESPANTO ÀS VEZES , OUTRAS M’AVERGONHO … *

 

Vamos ter eleições para a Presidência da República. Tal como a Assembleia da República, estes são os dois únicos orgãos de soberania que são eleitos por voto directo dos cidadãos, vulgo sufrágio universal. Daí a sua importância. O actual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ir-se-á candidatar, de acordo com o que vamos lendo na comunicação social. Será assim candidato a um segundo mandato (legalmente não poderá candidatar-se a um terceiro). Assumiu-se como independente antes de ser eleito.

Tenho-me lembrado da poetisa Natália Correia Guedes, que lhe tinha dedicado entre outros, este poema:

O Carochinha*

Dos voos de Marcelo, o transformista,
em doméstico dom repousa a asa:
farto de andar ao trapo e ser fadista
torna-se modelar dona de casa.

Na modéstia exemplar dessa roupeta
– Ó eleitoral, virtuosa esfalfadeira     

de ser dono de casa lisboeta! –
vai Marcelo às mercas na Ribeira,

enche a despensa, lava a roupa é cozinheiro,
cose a meia, faz tricot, varre a casinha.
Por fim, põe-se à janela e diz faceiro:
Quem quer casar com a carochinha?

O que recordaremos desse primeiro mandato? As ditas selfies? O dito afecto? A conversa da treta? As aparições na praia? O “colinho” ao actual Governo? Tancos? A não recondução, vergonhosa, diga-se, da  PGR? Os incêndios? Os mortos? O País? Os Portugueses? Fraca herança, comparativamente com qualquer dos anteriores Presidentes.

Será reeleito para o tal segundo mandato.

Regresso a Natália Correia Guedes:

Requiem por Marcelo**

O ingrato que em mim tinha cantora,
torna-se chatamente, sorumbático:
de truão despe o fato e entra agora
na enfadonha pele do catedrático.

Mudos que são os guizos de Marcelo,
já nenhum som que o chiste inspire, escuto;
sepultada a pilhéria no capelo,
meu jocoso cantar visto de luto

Ó ingratidão que já não me entretém,
do riso astro cadente, ó meu enfado!
Adeus Marcelo, aqui deixo um requiem
pelo bubónico artista reformado.

**Natália Correia, O Sol nas Noites e o Luar nos Dias II, Círculo de Leitores, 1993

*Sá de Miranda, Poema “Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho”

Vamos para casa, disse o esturjão.*

 

A Fundação de Serralves recebe financiamento público. Todos sabemos o que está a acontecer com as questões das pessoas que lá trabalham e que viram interrompido esse trabalho. Queixas foram feitas a quem de direito (ACT e Ministra da Cultura).  O assunto prossegue, de acordo com notícias recentes.

São PPs (prestadores de serviço e/ou precários). O caso será de tribunais, com o consequente desgaste quer da instituição, quer das pessoas em causa.

O que se pergunta é :  O que fizeram os representantes  (Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira) do Estado Português na Administração da Fundação? Zelaram pelo interesse público? Pelo cumprimento da Lei? Informaram quem de direito o que se estava a passar?

Bem me parecia.

*Novos contos do Gin-Tonic”, Mário-Henrique Leiria, Ed. Estampa, 1976

Ocidente e Oriente

 

unnamed

Mustafa Kemal Atatürk

25 de Julho. Dia de Santiago. Um dia importante para o Ocidente. A Catedral de Santiago de Compostela, na Galiza,  recebe os peregrinos (turistas, dizem uns, viajantes, dizem outros, uns crentes outros não crentes). Atravessam territórios de vários países. Já é assim há muitas luas. E esperamos que assim continue. Os peregrinos (turistas contemporâneos) são bem-vindos na Catedral, e o culto católico continua a fazer-se.

No outro lado do Mediterrâneo, na Turquia, a partir desta semana, Hagia Shopia (Bem inscrito na lista do Património Cultural da UNESCO) passa a ser novamente uma mesquita, após decisão do governo turco, decisão legítima, diga-se.

Quer o Papa goste, quer o Papa não goste. Muita gente, e de variados quadrantes, desde o Ocidente ao Oriente (políticos, dirigentes religiosos, jornalistas, bitaiteiros, enfim…..), tem-se pronunciado sobre essa decisão. Também na Turquia a questão  não é pacífica, e há muitas vozes contrárias.

UNESCO, ICOMOS, e outros organismos internacionais, tomaram posição pública sobre o assunto.

A discussão pode e deve ser feita, mas o que está em causa tem a ver também com a soberania de um Estado, de suas decisões, e com o cumprimento, ou não, de compromissos internacionais, por parte desse Estado (Convenção do Património Mundial, a que a Turquia aderiu voluntariamente).

Dito isto, muita matéria há que analisar, designadamente sobre o uso do Património Cultural (civil, religioso, arquitectónico, arqueológico, público, privado, da Igreja, etc, etc.), as alterações ao uso, as implicações físicas dessas alterações, a vontade das populações que interagem com esse Património, etc.

Todos reconheceremos (se formos à Assembleia da República e fizermos essa pergunta, a resposta será unânime, da extrema esquerda à extrema direita) que o Património Cultural (nas suas diferentes vertentes e manifestações) deve ser preservado e salvaguardado. E a sua utilização? Como o fazer e quem o deve fazer é que torna a coisa complicada. Qual deverá ser o papel do Estado (Administração Central, Administração Regional, e Administração Local) nessa matéria? E o dos privados? E a dita sociedade civil? E os proprietários desse Património (onde se inclui a Igreja Católica)? E aqui começa de facto uma conversa séria, que nos últimos anos nenhum governo ( desde José Sócrates até agora, nem recuo mais) quis encetar.

E assim voltamos novamente a Hagia Shophia. Assunto sério para reflectir sem preconceitos nem fundamentalismos.

Curiosamente o Ministro dos Negócios Estrangeiros Turco Yavuz Selim Kıran refere tuíte de um português:

“After the press release of UNESCO regarding Hagia Sophia, he asked why UNESCO does not push for Notre Dame and Vatican be turned into museums. I will give you another example from Cordoba. Cordoba Mosque was inscribed to the World Heritage List in 1984. It was converted to a Cathedral in 1236 and is still being used in the same function,”.

O chamado dedo na ferida.

Howl*

 

IMG_5133

Há anos, precisamente nos idos anos setenta, num teste de História no liceu, uma das perguntas era esta: comente a seguinte afirmação – “A História começa na Suméria” .

A frase era nem mais nem menos do que um título de um livro, publicado cá pelas Edições Europa-América, da autoria de Samuel Noah Kramer. Era a questão do aparecimento da escrita, e a partir daí considerava-se que a História começava.

Um marco no tempo e no calendário. Outro é o nascimento de Cristo, temos o tempo aC e dC. (há naturalmente outros acontecimentos e outros calendários, no Oriente por exemplo).

Na investigação científica, especialmente em Arqueologia, quando se trata de datações com base no carbono 14, os resultados são apresentados em anos, mas com a menção BP (before present).

E por aí fora.

Ainda hoje ouvimos os mais velhos (cá e na Europa) dizerem “isso foi antes da guerra”. Referem-se, como é óbvio, à II Guerra Mundial.

A partir de agora teremos outro tempo e outro calendário, e desta vez para todo o mundo, aC19 e dC19.

*Allen Ginsberg, 1956

A imagem  (foto minha) é de um painel existente no Museu de História Natural, secção de Geologia, em Londres

Mnemosine

E é isto.

Orgulhosamente sós!

Mais de 50 anos separam este discurso deste: “Portugal não deve ter problemas em ficar isolado sempre que isso corresponda à defesa de um interesse vital” . Enfim.

O camarada Espártaco

Morreu Arnaldo Matos. Percebeu muito cedo o poder da comunicação. Os painéis, os murais, as pichagens nas paredes, os comunicados porta a porta, etc. Agitação e Propaganda.

Recentemente descobriu o Twitter.

Já em 1975, enquanto Secretário-Geral do MRPP tinha lançado uma grande campanha de angariação de fundos para a aquisição de meios técnicos de impressão.

O slogan: “A revolução precisa de fundos como a boca precisa de pão!”

Aqui fica um testemunho dessa campanha (e não, o original do talão não vai para o Ephemera do Pacheco Pereira).

BE – Partido Photoshop

Depois da saga Robles, o que sobrou? o BE está pronto para ser governo (a prova dos nove foi conferência de imprensa do vereador, e a prova real a posição da Catarina Martins).
Costa agradece e o PC que se cuide.

Boa questão!

image.png

Então Catarina?Então Jerónimo?

Todos diferentes, todos iguais.

Boa gente somos todos!

Após ouvir isto lembrei-me logo do Isaltino Morais! E do Armando Vara! E do José Sócrates!

Finalmente assumiu-se!

Ora aí está o verdadeiro fanático ditador do Porto!

E novidades?

Isto provocou alguma “intifada” na CS tuga?

Tão ladrão é o que vai à horta, como o que fica à porta*

E novidades Sra. Deputada?

*Provérbio popular português

Agora?

A nossa elite. Ou falava na hora ou devia estar calada.

Liberdade e democracia? Onde?

Aguardemos o que o PCP vai dizer sobre isto.

Conselho Geral de quê?

Seixas da Costa foi o embaixador português que ajudou a EDP (na UNESCO) a construir a barragem do Tua; é administrador da Mota Engil (construiram a barragem do Tua); é adminstrador da EDP.

Onde andas Jerónimo? Onde andas Catarina? Ah! No Porto a ver os aviões!

 

 

 

Contributo para a igualdade de género!

Dedicado à patrulha de controle e vigilância dos bons costumes!

Puta que os pariu!*

Estes fascistas  já recomendaram que as  lojas de roupa interior retirem o que tem à venda?

*Título da biografia de Luiz Pacheco, de João Pedro George

“Leave Europe and go where … to another galaxy?”

Pois é. O silêncio do BE e de mais uns quantos (Louçã, por exemplo) é ensurdecedor.

Amigos?

Que há em comum entre Manuela Ferreira Leite, Rui Rio e Morais Sarmento? Para além de serem do PSD e não gostarem do Passos Coelho?

Qualquer deles tinha apoiado o Ricardo Salgado e o BES em 2014.

Viva o Partido Comunista Português!

Se não fosse o PCP a defender a propriedade privada, o que seria deste país!

Mais do mesmo

Foi um raio! Não foi um raio! Vão mas para o raio que os parta!

Where’s Wally?

Assaltado o paiol de Tancos. Caso muito grave. Onde anda o Comandante Supremo das Forças Armadas? (é o que diz o ponto 1).

His master’s voice

Ao ouvir o forum da TSF hoje e depois de ver os títulos dos anteriores depois do incêndio, por que será que sempre que o PS é governo a TSF (dita de referência) é mais exigente com a oposição?

PCP, a lavar desde 1921

A foto p/b que ilustra isto diz tudo.

 

O Santo Ofício

À procura do D. Sebastião. Envergonhavam a PIDE!

Je suis Sebastião Pereira.

RIP

Li isto. E depois vi a capa do Público de ontem. E mais tarde li este comunicado.

E depois de ver que no Público de hoje nem uma linha sobre esta matéria (a da capa, porque o que interessa é a oposição interna ao Passos Coelho), percebi. O Público, que estava moribundo, morreu na noite de S. João.

 

 

Isto é que é a ética republicana?

O 1º Ministro pede (por despacho) esclarecimento urgente ao Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P., à Autoridade Nacional de Protecção Civil e à Guarda Nacional Republicana? E os ministros, secretários de estado que tutelam, formalmente e politicamente, aqueles organismos?