Há alunos sem aulas. Muitos!

O país tem acompanhado com particular apreensão o processo de colocação de professores. É verdade que tem dado mais atenção à casa dos segredos, mas talvez a certeza de que ainda há uns milhares de alunos sem aulas ajude a perceber que deve haver um conjunto bem significativo de famílias que percebe o alcance do que está a acontecer.

Se por um lado, Nuno Crato causou prejuízos aos Professores, as consequências que todo o processo está a ter na escolas e nos alunos é difícil de quantificar. Há, por todo o país, uns milhares largos de alunos sem professor, enquanto estes continuam, desempregados e desesperados, em casa sem alunos.

E, ao contrário do que diz o Marques Mendes ou quem se coloca ao nível dele, o problema não está na existência de um concurso nacional para todos os docentes. Aliás, mesmo este ano, enquanto o concurso foi nacional, nada de tecnicamente errado aconteceu. A incompetência do Sr. Ministro só se manifestou quando tentou destruir o concurso nacional e multiplicar por cada escola um processo que seria muito mais fácil de concretizar e claramente mais transparente se continuasse a ser nacional.
Neste momento o ponto de situação é simples: com o modelo criado, Nuno Crato não vai conseguir terminar o processo.
Dito isto, importa agora avançar com soluções para o problema, uma vez que os dias passam e o MEC continua sem conseguir desatar o nó.

De borla, aqui fica uma solução em 6 passos para resolver o problema em 24h. E, ao mesmo preço, até me ofereço para fazer o serviço, tal a sua simplicidade:
a) Elabore uma nova lista de graduação tendo em atenção apenas a Graduação Profissional (nota de curso + tempo de serviço) e integre nas listas de graduação todos os docentes excluídos devido à PACC na medida em que a sua exclusão é ilegal;
b) Junte as escolas com autonomia e as escolas TEIP ao conjunto de todas as escolas;
c) Efectue as colocações em falta recorrendo aos dois elementos referidos em a) e em b);
d) Garanta a todos os docentes a concurso a contabilização de 365 dias de serviço, apenas para efeitos de concurso, na medida em que é já completamente impossível corrigir todas as injustiças criadas;
e) Apresente uma lista pública de todas as colocações efectuadas até ao momento.
a), b), c), d), e). Acho que dá cinco. Não eram seis as propostas?
Sim – a sexta é o senhor apresentar a sua demissão!

Trackbacks

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.