Mais uma fábula desmentida pelos factos

Do Expresso desta semana retive esta peça. Não batia certo com qualquer coisa que tinha lido, embora coincida com a minha memória pessoal:

expresso

Hoje ocorreu-me, era isto:

Desde o início dos anos 90, Portugal teve onze ministros da educação. Desses, apenas dois se mantiveram no seu posto por mais de dois anos (Nuno Crato será o terceiro). Poucos são aqueles que sobrevivem politicamente a uma passagem pelo Ministério da Educação (Manuela Ferreira Leite é o maior caso de sucesso, ainda assim relativo e temporário). Os ministros da Educação, de Couto dos Santos a Maria de Lurdes Rodrigues são um alvo permanente de contestação de alunos e professores. A esta situação não é alheio o facto dos professores serem uma das classes profissionais mais bem organizadas sindicalmente e com maior capacidade de reivindicação. O facto de a educação ser um sector fortemente estatizado faz com que os professores tenham ainda mais capacidade negocial.

Carlos Guimarães Pinto, in Porque é que os professores estão sempre a protestar?

Faz parte da prática e teoria do medo: diabolizar sindicatos, trabalhadores, assalariados em geral. Neste caso tratou-se de, através de um conjunto de mentiras em que a premissa começava aqui, lançar a ideia de que os professores têm um poder imenso e os pobres ministros se sujeitam a ele. Nada de novo na frente neoliberal.

Comments

  1. É uma tristeza reduzir a Educação ao problema dos trabalhadores!!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.