Um pequeno golpe no terrorismo internacional

S&P

Na passada Terça-feira, a organização terrorista norte-americana Standard & Poor’s sofreu um pequeno golpe na sua actividade. Segundo o site da Agência Lusa, os fundamentalistas da S&P terão que pagar 1,3 mil milhões de euros para conseguir um acordo e fechar o processo judicial onde são acusados de manipulação de ratings pelo Departamento de Justiça, pela capital federal e por 19 estados norte-americanos. “Peanurs” diria Jorge Jesus.

Parece-me pouco. Sabemos bem que com fundamentalistas não se pode facilitar. Bom bom era bombardear os gajos, queimar tudo e prender os sobreviventes em Guantánamo, onde poderiam ser posteriormente sujeitos a técnicas democráticas de tortura, acompanhadas por fotografias em poses animalescas com primatas de uniforme, de forma a contarem tudo o que andaram ou não andaram a fazer.

E o que andaram estes radicais a fazer? Ora os terroristas financeiros foram acusados de enganar investidores, ocultando riscos associados a obrigações suportadas por crédito imobiliário que estiveram na origem da crise financeira de 2008. O 11 de Setembro da economia mundial. Ficamos portanto a saber que, caso queiramos enfiar um avião na economia mundial e na soberania europeia, o custo associado caso o plano não corra como esperado é de 1,3 mil milhões de euros. Muito mais barato que resgatar o BPN, já com os 40 milhões que o BIC deu por ele na Vandoma governamental descontados.

E assim terminará esta história, que os terroristas financeiros são muito eficientes. Explodem nações com ratings manipulados e voltam para casa com aquilo que, comparativamente à nossa insignificância, mais não é do que uma multa de estacionamento. Isto quando o polícia não é corrompido claro! E no final do dia lá se arranja uma maneira de sermos nós a pagar essa multa. Pudera! Com legiões de fanáticos neoliberais e políticos-bomba preparados para o legitimar esta forma de extremismo, tudo vale no faroeste dos mercados internacionais. Que o diga o saudoso Lehman Brothers que na manhã em que explodiu ainda contava com uma simpática avaliação triplo A.

Comments

  1. Jaime marques says:

    Que classificação pode ser dada a governantes que permitem situações como esta (http://zap.aeiou.pt/diretora-de-escola-hipoteca-bens-pessoais-para-pagar-salarios-57547)?

  2. joao lopes says:

    a neoliberal H.matos costuma ofender Barak Obama,dizendo que Obama nao cumpriu a promessa de fechar guantanamo.ora bem,o objectivo de manter guantanamo aberto,é precisamente para enfiar lá uns quantos neoliberais que andam por aí.incluindo os lusos.lá esta,o barak não falha promessas…


    • antes fosse. malta das agências de rating, Goldman Sachs e afins… era um belo uso das instalações. ainda por cima em solo cubano eheheh

  3. José almeida says:

    Não poderia ser mais oportuna a comparação entre a STANDARD & POOR’S e o terrorismo. Acredito que faça muito mais vítimas de sangue (suicídios e homicídios) e atire mais gente para a pobreza, que o que os grupos terroristas. Ambos são o maior problema da Europa de hoje – o terrorismo financeiro e o terrorismo religioso.

Trackbacks


  1. […] investigados por manipulação de preços dos metais preciosos. Mais um ficheiro para o arquivo dos terroristas financeiros. […]


  2. […] organização terrorista financeira Fitch anunciou ontem a manutenção da classificação da dívida pública da portuguesa em […]