Depois do PS, do PSD e do CDS: eis o Bloco de Esquerda

bloco

Efectivamente, depois dos “sectores transacionáveis” do PS e da “perspetiva prospetiva” da coligação PSD/CDS, chegam as “linhas gerais da proposta económica do Bloco para as legislativas“.

Vejamos alguns (só alguns) dos aspectos mais importantes do documento:

“efeitos recessivos da política de austeridade se fizeram sentir na actividade económica” (p. 3);

“dividendos e mais-valias resultantes de atividades no exterior” (p. 13);

aspectos elementares do nosso ordenamento constitucional” (p. 6);

“outros aspetos da reforma” (p. 13);

“Não há só uma forma de atingir estes objectivos” (p. 8);

“exige clareza nos objetivos e flexibilidade nas soluções” (p.8);

“tributação  indirecta  na  carga  fiscal” (p. 10);

“tributação  indireta  na  carga  fiscal” (p. 10);

“conceito de sede efectiva” (p. 11);

“têm beneficiado das taxas efetivas” (p. 13);

“mecanismo de correcção” (p. 6);

“o artigo 3.º do Tratado Orçamental, no seu ponto 2 dispõe que: “As Partes Contratantes instituem, a nível nacional, o mecanismo de correção (…)” (p. 6);

“ultrapassados for força da acção do BCE” (p. 15);

“não pode sobre elas exercer ações de fiscalização intrusiva” (p. 17).

Continuação de uma óptima semana.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.