Depois do PS, do PSD e do CDS: eis o Bloco de Esquerda

bloco

Efectivamente, depois dos “sectores transacionáveis” do PS e da “perspetiva prospetiva” da coligação PSD/CDS, chegam as “linhas gerais da proposta económica do Bloco para as legislativas“.

Vejamos alguns (só alguns) dos aspectos mais importantes do documento:

“efeitos recessivos da política de austeridade se fizeram sentir na actividade económica” (p. 3);

“dividendos e mais-valias resultantes de atividades no exterior” (p. 13);

aspectos elementares do nosso ordenamento constitucional” (p. 6);

“outros aspetos da reforma” (p. 13);

“Não há só uma forma de atingir estes objectivos” (p. 8);

“exige clareza nos objetivos e flexibilidade nas soluções” (p.8);

“tributação  indirecta  na  carga  fiscal” (p. 10);

“tributação  indireta  na  carga  fiscal” (p. 10);

“conceito de sede efectiva” (p. 11);

“têm beneficiado das taxas efetivas” (p. 13);

“mecanismo de correcção” (p. 6);

“o artigo 3.º do Tratado Orçamental, no seu ponto 2 dispõe que: “As Partes Contratantes instituem, a nível nacional, o mecanismo de correção (…)” (p. 6);

“ultrapassados for força da acção do BCE” (p. 15);

“não pode sobre elas exercer ações de fiscalização intrusiva” (p. 17).

Continuação de uma óptima semana.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.