Damm! Os comunas tinham razão…

Euro PCP

Nesse maravilhoso mundo das redes sociais, encontrei esta montagem interessante que nos mostra esse distinto cidadão português que liderou os destinos do país até ser engolido pelo pântano que entretanto se criou à sua volta e que hoje exerce funções na ONU. A sua previsão, pouco antes do advento do euro, era a de que a moeda única colocaria Portugal no pelotão da frente de UE. Passados 17 anos, Portugal continua a ser um carro-vassoura, disputando com a Grécia a liderança da cauda da Europa. Boa Guterres, acertaste em cheio!

O outro protagonista desta montagem é Carlos Carvalhas, antigo líder do PCP e reconhecido perigoso comunista. Daqueles que, suspeitamos, poderá alimentar-se de criancinhas ao pequeno-almoço. A sua premonição, contudo, parece encaixar como uma luva no triste fado que a adesão ao euro se revelou para o nosso país. A coisa é tão certeira que chega a ser chocante. São cassetes.

Comments


  1. É mais uma, caro João Mendes, que enriquece o que eu chamo o síndroma de Cassandra do PCP. As suas previsões revelam-se repetidamente verdadeiras mas, na altura, ninguém acredita nelas. Funesto destino. (declaração de interesses: sou membro do PCP).

  2. Ausente says:

    Medina Carreira ao longo dos ultimos 8/9 anos tem dito coisas e ninguem ainda o confrontou pessoalmente.
    Odeio todos os partidos politicos portugueses tal como estao estruturados. Sobre os politicos por muito que eu reconheca neste ou naquele alguma verdade, juro por minha honra que nao vou ah missa com nenhum deles.
    Ja fui desflorado bastante.


  3. Guterres não mentiu. Ele não disse que iríamos ficar no pelotão da frente. Ele falou poletão. No fundo, no fundo ele estava a pensar que ficaríamos em pelota! Isto diz muito sobre as capacidades proféticas de Guterres.

    • Carvalho says:

      Ó Alves, se estivesses calado fazias melhor figura!
      Caganda besta!

      • J.V. says:

        O que o Guterres queria dizer era que Portugal ia ficar à frente do pelotão (de fuzilamento) da UE. Não mentiu, portanto.


  4. A visão do PCP sobre o euro sempre foi a mesma. E dizê-lo, numa altura de grande entusiasmo nacional, foi corajoso. Zombando, chamavam a isto a “cassete”.

    Todos queríamos estar no tal de pelotão da frente. Nessa altura, Carlos Carvalhas declarava o contrário e alertava.

    Quem diria que anos passados, tal se viria a verificar? E que até os jovens promissores das sebentas universitárias com muito espaço na comunicação social – e académicos mais ou menos afamados- já andam a alterar ligeiramente o discurso neste sentido?


  5. João, antes dessas declarações do Carvalhas o projecto europeu em que o PCP gostaria de embarcar, já se tinha afundado. Andei pelos países de leste e vi senhoras a pagar bilhetes de comboio de viagens de 30 km com sacos com centenas de notas. Na Polonia havia cabines telefónicas que funcionavam com moedas e só havia notas a circular, não havia moedas a circular, não se podia telefonar. Um escudo valia 1000 zlotis. Quem financiou a recuperação económica dos países de leste foi o Banco Europeu de Investimento.
    Além disso o que não falta é moedas únicas em estados federados que funcionam bem. O problema é político. ESTA moeda única foi armadilhada para não ser solidária e nada impede de a mudar. Aliás o próprio Juncker já apresentou um plano para tornar o euro mais solidário, embora eu não confie nele.
    Deste-me agora vontade escrever um post sobre os equívocos que se escrevem sobre o PCP.

    • joão lopes says:

      os equivocos do PCP não são nada,comparados com o gigante e fraudolento equivoco que foi a criação do euro.não sei quanto tempo mais os anti-pcp vão falar no gulag/siberia,sei que a europa esta transformada num gigante gulag para o contribuite.e se pensarmos que o inicio do projecto europeu começou com palavras como solidariedade ,para agora acabar num campo de concentração para o contribuinte.


      • O euro é (ou deveria ser) um instrumento de política. Se for manejado desta maneira é mau. Se for transformado numa moeda solidária como acontece em inúmeros estados federados, funciona e é melhor do que andarmos em guerras monetárias em que se compete pelo valor mais baixo da moeda, baixando salários e rendimentos sem que as pessoas se dêem conta.

    • J.V. says:

      Paiese onde o maior problema era não conseguir telefonar… Face à fome e ao medo que passamos agora, não soa mal.


      • O problema da Polónia nessa altura não eram as cabines telefónicas que não podiam ser usadas. Esse era só ínfimo problema caricato que se constatava, entre muitos outros. Na altura, o prior problema era o desemprego (quase o dobro do Portugal de hoje) e por conseguinte uma emigração em massa. E repito que foi o Banco Europeu de Investimento que voltou a por em marcha as economias do leste depois de as moedas terem colapsado. Por isso tudo o que o PCP possa dizer sobre projectos europeus, para mim vale pouco mais do que nada.

    • Nightwish says:

      O problema é que este projecto europeu também já estava afundado e só agora é que se começou a tomar conta…


    • rui- esse pensamento do ” comunismo” ou dos países da antiga união soviética serem …..pobrezinhos,atrazadinhos e outros vic( inho = vic ),já não se usa porque também tinham coisas boas…. por exemplo a escolaridade era obrigatória,etc,etc …e nós já vimos o que deu o seu desmembramento e quem ganhou com isso (exemplo a exxon …) relembro que o PCP foi contra a entrada no mercado comum devido ate, ao que se passou na Grã-Bretanha em 1979 que deu origem a dama de ferro ,(crise no carvão) também sabemos quem estava interessado no fecho dessa minas….. a Grã-Bretanha tinha a sua energia assente no carvão …e como eles aprenderam não quiseram entra no euro ……isto é de uma forma muito simples e resumida para dizer que o cassetes é grande idealista económico/social , eu não andei a passear nos países do leste .andei a passear por cá e falei com agricultores (de minha família ) nos anos 80 sobre o mercado comum , o modelo das cooperativas foi copiado pelo modelo holandês ,visto que o nosso vinha desde o estado novo….e eu já ai os avisei que existia cotas de mercado ,coisa que não lhes foi explicado bem , e agora falo com eles e ……….deixamos de produzir bens ,toda as gentes se lembra da fundição Oeiras que produzia fogões,deixamos de construir carruagem, era-mos uns dos maiores na industria naval,tinha-mos uma frota de pesca maior que a Espanha …………e caro RUI nã foi por causa dos “comunistas” ..que ouve essa transformação …

  6. J.V. says:

    Se acham que as declarações do Carvalhas são premonitórias, experimentem ler o “Não à moeda única” do Sérgio Ribeiro, editado em 1998. É o retrato do que passamos agora, 17 anos mais tarde.

  7. Rui Moringa says:

    Então, ou forçamos, se conseguirmos, mudar as regras da moeda, ou saímos dela.
    Cá por mim vou mais no PCP.
    Nota de interesses: Não sou comunista no sentido iedeológico do termo, mas tacticamente votarei no PACP, à falta de um verdadeiro partido social democrata ou socialista com um pinguinho de nacionalismo.

    • joão lopes says:

      o problema é politico e tem a ver com o “pensamento unico” exigido pela UE.porque se houvesse uma politica comum(saude,educação,politica social,segurança social,reformas,etc) este “tiro ao alvo”(grexit) era inconcebivel.Ironia:este campo de concentração para o contribuinte na UE parece a siberia?cuba?venezuela?coreia do norte?urss? nada disso,é mesmo a europa …dos liberais.

  8. ANTONIO HENRUQUES says:

    CLARO QUE CERTOS , ESTAMOS E ESTAREMOS SEMPRE , MAS TODOS OS BANDALHOS QUE NOS VENDERAM A ( U E e A MOEDA ÚNICA) O QUE PRECISAVAM NÃO ERAM CASSETES, ERAM UMAS BOAS CACETADAS .

  9. checo says:

    Os comunistas têm sempre razão naquilo que dizem, desde que não falem de liberdade.

    • Pedro Ribeiro says:

      Tu tens cá uma liberdade! Trabalhas as horas que o patrão quer, quando quer e não tem que te avisa-te quando bem quiser. Pagas impostos para salvar bancos dos outros, pagas empréstimos que pagam 2 ou 3 vezes a tua casa que já te é cobrada a custo exagerado. Disfarçada de sociedade ocidental isto começa mais a parecer escravidão encapuçada onde a tua alternativa é passares fome e ser considerado um malandro!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.