Descubra as diferenças entre um salário de um médico e de um motorista de… um ministro

Temos que ser intelectualmente honestos. O nosso País paga a um ministro menos de 5000 euros e a um presidente de câmara, em média, cerca de 2000 euros líquidos, salários muito abaixo das suas responsabilidades.

Como podemos ter com salários destes os melhores na vida politica?

O mesmo País paga € 2008,45 a um médico especialista anestesiologista, num hospital publico, que investiu nos seus estudos mais de 20 anos.

FB_IMG_1452973223481-1

Como conseguimos com estes salários manter os melhores médicos no serviço nacional de saúde?

Exactamente o mesmo País paga a um motorista de um ministro um salário de € 2052,23 e a uma secretária pessoal ministerial € 1990,36.

FB_IMG_1452973234484-1

Para estes respeitáveis lugares, muito bem pagos, penso que bastará  ter apenas a quarta-classe e muito provavelmente o cartão de militante, por isso, não faltarão candidatos.

Talvez seja bom lembrar que, no sector privado, uma secretária ou um motorista ganharão na sua maioria o ordenado mínimo nacional.

Entendo que enquanto mantivermos estas disparidades salariais entre as funções executadas / responsabilidades no estado não conseguiremos ter os melhores disponíveis para assumirem os lugares ou as funções mais exigentes no sector público.

Parece-me que muitos apostarão antes numa ” carreira ” de secretária ou de motorista de um ministro.

Comments


  1. Concordaria com o que escreveu, o problema é que você não faz a mínima ideia do que faz uma secretária de um executivo/a ou de um ministro/a. Quanto ao médico ele, como diz, deve ser pago em função da importância do cargo e não dos anos de estudo em que investiu, até porque, na maioria dos médicos, quem investiu fomos nós!

  2. Fod...xico says:

    Xico queres que te mande ou vais sozinho?

  3. Konigvs says:

    Para sermos intelectualmente honestos, não podemos acreditar que basta pagar muito a um incompetente, que depois, como que num passe de magia, ele se tornará, só por ganhar muito mais dinheiro, num profissional de alto gabarito.

    Não é por se pagar muito dinheiro que vamos ter melhores profissionais, profissionais mais dedicados e mais competentes. Nem é por se ganhar muito dinheiro que já não se vai ser corrupto, porque quem tem milhões, vai querer ter ainda mais milhões, basta ver o que aconteceu com os nossos ilustres banqueiros e melhores gestores do mundo como o Bava, que na prática, na física, levou a maior empresa portuguesa à falência.


  4. Oh homem! são lugares precários e aonde, ainda por cima, é necessário prestar serviços inconfessáveis tradicionalmente pouco disponíveis no mercado de trabalho.

  5. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Mais uma descoberta da pólvora do cata-vento Paulo Vieira da Silva.
    E vamos ter que aturar esta “moralização da vida política” de um cavalheiro que andou a assobiar para o lado durante os anos em que o “seu” governo arrastou e potenciou estas diferenças, aparecendo agora a fazer o papel de “grande educador do proletariado” e a censurar comentários…

  6. Afonso Valverde says:

    Tem razão quanto à questão posta a descoberto.
    Como alguém disse, estes “postos” de trabalho são muito precários, muito contingentes com a eventual mudança política.
    Contudo, não milhares de postos de trabalho, for do “mercado político”?
    Em Portugal o leque salarial é muito aberto-amplo: Vai de um SMN até aos valores mencionados no texto sem que se compreenda o mérito do trabalho em relação com o pagamento.
    Penso que é uma forma de corrupção “mental”, ou pelo menos uma distorção dos valores da nossa vida coletiva.
    A igualdade de oportunidades tem de ser balanceada com o mérito de cada um.
    Mas parece existir um “horror” ao mérito em Portugal.
    Medramos se estivermos metidos numa seita qualquer ou num “grupo de pressão”.

  7. António Aires says:

    Parece que os juizes querem ganhar mais que o 1º ministro. Em Portugal não se tem noção dos valores salariais praticados. Se fosse conhecido penso que seria impraticável as tabelas de multas e coimas praticadas pelo estado relativamente à acção tributária, segurança social, e circulação automóvel, porque só podem ter saído da cabeça de um louco. Pensar que por dar por encerrada a actividade profissional fora do prazo (um mês) é-se multado em 75€ que aumenta para 300€ se não for liquidada em tempo útil dá que pensar. Mais se tiver actividade aberta como independente mesmo que não realize qualquer proveito é obrigado a descontar a TSU todos os meses arriscando-se a pagar juros de mora e coimas de que não se safa mesmo que apresente a declaração de IRS a zero.
    Se queremos equilibrar os salários temos de começar pelos mais altos, cortar a eito reduzir drásticamente. Dirão que irão embora, Talvez só que a opção deixará de er válida quando as vagas estiverem preenchidas,


  8. Acho bem o intelectualmente sério, mas comece por aí e deixe de acenar com valores de ordenados de anestesiologistas que correspondam a verdade normal.

  9. madagascar says:

    Destes comentários até aqui lidos se entende bem, pelo menos eu, como vai o País e como ele até aqui chegou. Julgamentos antes mesmo de culpa formada e absolvições antes mesmo de avaliar as provas. Nós portugas somos mesmo uma nação danada!