Mais um prego no caixão da propaganda do velho regime

MCAC

Diz o Expresso que “Não houve défice em Fevereiro”. Segundo dados do Ministério das Finanças, o saldo das administrações públicas em Fevereiro foi de 15 milhões de euros. Positivos. Uma melhoria de 244 milhões de euros face ao período homólogo.

Vamos assumir que, no limite, este desempenho resulta de uma qualquer almofada que Maria Luís Albuquerque deixou por aí. Mas então e o que é feito da profecia da desgraça, do aproximar do apocalipse financeiro, da geringonça que ia destruir tudo num abrir e fechar de olhos? Ausência de défice? Mas isso é sequer possível com esta salgalhada de perigosos e radicais esquerdalhos? Não era suposto estar tudo a arder? O fim não estava próximo?

Aborrecido, quando o plano não dá certo. E depois admiram-se muito porque o homem se ri.

Foto: Marcos Borga@Expresso

Comments


  1. Mais que um “like”, gostaria de destacar a “denúncia” continuada que João Mendes faz ao antigo regime. Mesmo quem detém o poder económico, facilmente perceberá que eles mesmo foram enganados. Só queremos, mesmo, que possa ser melhor distribuída à riqueza produzida. Já agora o PCP que não considere “sapos” os preciosos votos que dà, é ao PS, que não pense que isto é o fim da linha.

  2. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Os agentes políticos, na ânsia de tomarem o poder fazem trinta por uma linha recorrendo múltiplas vezes à arte “travesti”.
    Assim, há quem mude a cor da bandeira e encerre ditames programáticos numa gaveta como fez o PS de Mário Soares. Outros, como o PSD relativamente aos mesmos ditames programáticos (marxismo), desinvestiu muito mais cedo quando percebeu que não enganava meninos ao sentir oportunamente que o País caiu para a direita, que é o seu campo natural e que eles, pacientemente, esperavam.
    Mas o PSD de Passos Coelho adoptou agora por uma cambalhota muito mais significativa. Essa gente que passou anos e anos a acusar o PCP de usar e abusar da política da terra queimada, adoptou a mesma via, desejando à tripa forra e sem qualquer pejo que o novo sistema colapse.
    Esta é a imagem “pafista” destes liberais de extrema direita.
    Temos assim o PSD de Passos Coelho vir agora a público travestido de esquerda radical (a designação é deles), ao praticar a dita política da terra queimada.
    Ou esta gentalha se não apercebe da sua pequenez mental ou então, fazem do povo um rebanho de atrasados mentais.
    A verdade é que o povo lhes tem dado, maioritariamente nas eleições, provas em como tem um grave problema na compreensão do que é a escolha de políticas.
    NOTA: Não me refiro aqui às pessoas convictas de direita que respeito. O problema é que me não sai da cabeça aquele grupelho de pessoas – e foram muitas – que entrevistadas, antes das eleições diziam tão sem pejo como quando Passos Coelho falava de impostos, que PSD nunca mais; PaF, isso sim… São os denominados “indecisos”, os cataventos nacionais de duas pernas que não sabem minimamente o que querem, sendo muito mais simples praticar o exercício do “Maria vai com as outras”.
    O problema é que o voto desta gente conta tanto quanto os das pessoas convictas e esclarecidas, sejam elas de direita, sejam de esquerda.

  3. José Fernandes says:

    Eheheheh!.. Kompensan para a matilha!!!😉