Propaganda, disse a direita do costume

UPNRS.jpg

via Uma Página Numa Rede Social

A direita radicalizada indignou-se ontem com a presença de vários membros do executivo socialista numa série de acções de sensibilização para a protecção da floresta. E sim, é claro que há ali a dose do costume de propaganda, que as Legislativas estarão aí num abrir e fechar de olhos, apesar da ausência de oposição à direita que possa preocupar António Costa, por muitos saltinhos que Assunção Cristas tente dar.

Desconhece-se por onde andaria essa mesma direita, como de resto vem acontecendo em muitos outros casos que em pouco ou nada se distinguem deste, quando Cristas, Portas e João Almeida, entre outros, se dedicavam a acções similares. E nem quero imaginar o que por aí se diria se tivesse sido um partido de esquerda a convidar Nádia Piazza para colaborar na elaboração do programa eleitoral para 2019.

Quem tem medo do Facebook?

A pesquisa de motivação, para efeitos de propaganda, é feita, de forma sistemática, pelo menos desde a chamada Segunda Guerra Mundial, embora a suas raízes remontem, na sua fase moderna, ao período de eclosão e disseminação das teorias psicanalíticas de Freud.

A informação assim recolhida e sistematizada tem sido comercializada, traficada e usada em diferentes contextos e por diferentes entidades, públicas ou privadas. Entre essas entidades está a própria Academia, que ensina a Psicologia como método de compreensão, domínio e manipulação do aparelho psíquico individual, e a Sociologia como expansão e aplicação geométrica desse método a aparelhos psíquicos colectivos.

[Read more…]

Era uma vez um centro de inteligência artificial que afinal era um call center

CC

A tecnológica portuguesa OutSystems anunciou que se prepara para abrir um centro de inteligência artificial em Linda-a-Velha. O projecto, que implicará a contratação de 30 engenheiros, é na verdade mais uma fachada, criada pela impiedosa máquina de propaganda comuno-socrática, para a instalação de mais um call center, em linha com o recente embuste da Google, confirmado pelo director de Assuntos Internacionais ibérnicos da empresa. Terríveis, estes bloquistas.

A propósito deste embuste, mais um, recordo aqui uma série de tweets de um conhecido activista dos direitos da minoria liberal-conservadora, cujo pensamento é injustamente confundido por alguns como representativo da versão portuguesa da alt-right norte-americana. Ou, como diria o saudoso Passos Coelho, “mas quem é que põe dinheiro num país governado por bloquistas e comunistas”? A menos que seja para mais um call center, claro.

UPNRS.jpg

via Uma Página Numa Rede Social

O preço certo em euros do número de propaganda de António Costa

A grande indignação da passada semana girou em torno dos 36.750€ que o governo derreteu num número de propaganda, com o qual decidiu assinalar os dois anos de vigência do executivo Costa. Apesar de ser prática corrente noutras latitudes, e do modelo escolhido não ser propriamente uma novidade, torrar dinheiro deste endividado país em exercícios desta natureza é, a meu ver, uma falta de respeito por todos os portugueses. Já agora, querida direita partidária, tu que vives de desgraças e indignações, por onde andavas quando o Passos fez exactamente o mesmo? Em lado nenhum? Deixa lá, não faz mal. Todas as ocasiões são boas para te ver fazer essas figuras. [Read more…]

A censura e outros totalitarismos da Geringonça inquisitória

Vivem-se dias de terror nesta pátria totalitária à beira-mar plantada. O advento da Geringonça trouxe consigo muitas maleitas, que fariam a Santa Inquisição corar de vergonha, e já ninguém está seguro. A censura é apenas uma das muitas faces do terror da impune revolução socialista. Ou estás com os estalinistas, ou serás perseguido e ferozmente punido.

Enquanto escrevo estas linhas, a imprensa livre no exílio reporta a prisão de inúmeros jornalistas e cronistas portugueses, havendo relatos que nos chegam desde a reactivada prisão de Caxias, onde grandes heróis da democracia contemporânea como José Manuel Fernandes, Camilo Lourenço, Rui Ramos, José António Saraiva ou David Dinis são sujeitos às mais bárbaras práticas de tortura. [Read more…]

O Major Valentim de Gaia

img_6699

Propaganda eleitoral paga (patrocinada) com “o dinheiro do povo”, expressão que o autarca em causa, Vítor Rodrigues, usa com demagogia despudorada.
A desfaçatez com que isto se faz, nas barbas dos cidadãos e com total desrespeito pelas regras básicas da decência democrática e da boa gestão da coisa pública, apenas confirma, a quem dúvidas ainda tivesse, que cresce em Gaia um movimento populista que irá fazer resvalar a cidade, cívica e politicamente, para um modelo sul-americano de exercício do poder.

À atenção do Tribunal de Contas, da Inspecção Geral das Finanças e da Comissão Nacional de Eleições.

Os limites da Propaganda e da Democracia

Comunicação e Propaganda são duas coisas distintas. Infelizmente estão cada vez mais confundidas e a propaganda tem ocupado o lugar que, numa Democracia pluralista, não lhe pode pertencer.

As instituições públicas têm que perceber que há limites para o uso de técnicas e truques que visam manipular os cidadãos que representam. E têm que perceber também que a Democracia marca linhas de fronteira na decência da comunicação, limites esses que um Estado fascista normalmente não respeita. É que um Estado fascista organiza-se e funciona de acordo com preceitos diferentes daqueles que são exigidos a uma Democracia.

A imagem que se reproduz acima foi recolhida durante um evento desportivo que reuniu dezenas de crianças oriundas de algumas escolas públicas de Vila Nova de Gaia, evento esse ao qual assistiram centenas de pessoas, a maioria das quais familiares.

Uma das equipas, composta por crianças cuja idade não ultrapassava os dez anos, apresentou-se no evento exibindo cartazes com a fotografia do presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues e do presidente de uma Junta de Freguesia.

Comunicação e Propaganda são coisas distintas.

A instrumentalização de crianças para fins de campanha política é outra coisa ainda, tão ignóbil e degradante que não caberá aqui classificá-la.

O bando

Nesta fotografia vê-se uma estrutura que servirá de suporte a propaganda partidária para as próximas eleições autárquicas. Passados uns dias depois do mamarracho ter sido edificado, ainda nada mais nele foi pendurado. Deverá ser um caso de marcação de território, faltando saber se envolveu micção.

Assaltam o espaço público, a coberto  do chapéu da lei, essa que os próprios fizeram, onde cravam o seu abundante lixo partidário, numa selvajaria que bem demonstra o valor que dão às cidades que gerem. Meros instrumentos para atingir o objectivo. 

Tramados pela propriedade privada

Os jotas do CDS, alguns dos quais ainda suspiram pelo velho regime que não viveram, chegando mesmo a peregrinar até Santa Comba Dão para orar e colocar flores na campa do carniceiro fascista, decidiram dar vida a um cartaz de propaganda, alusivo ao 25 de Abril, usando para o efeito uma célebre fotografia de Salgueiro Maia, captada no dia da revolução pela objectiva de Alfredo Cunha. Ora o autor, ao que tudo indica e por motivos óbvios, não terá gostado da brincadeira dos traquinas centristas. Vai daí, decidiu espetar-lhes com um processo em cima.

Tem piada, to say the least, ver as camadas jovens de um partido, que tanto tem lutado pela sacralização da propriedade privada, metida em trabalhos por causa de uma espécie de violação da propriedade privada. O Hayek que descubra.

Imagem via Pinterest

A demagogia e o assédio laboral

Esta intervenção da deputada Isabel Moreira sobre o assédio no local de trabalho e sobre o projecto de lei de que é subscritora não é, certamente, uma brincadeira. Mas é perigosa propaganda. A Sra. deputada fala, entre outras coisas do mesmo calibre e eficácia, da criação de “e-mails” da IGF e da ACT para onde as vítimas podem escrever denunciando o assédio. A pergunta que fica é onde estará a Sra. deputada Isabel Moreira quando os patrões dessas vítimas descobrirem os autores da denúncia?

Estamos a brincar com coisas muito sérias, Sra. deputada.

Grupo “PSD – Distrital de Lisboa”: conivente com haters, intransigente com a discórdia

Remoção selectiva de posts no grupo “PSD – Distrital de Lisboa”

O grupo do Facebook “PSD – Distrital de Lisboa” é um poço de partilhas por parte de haters. Entre posts de gosto duvidável e de manipulações facilmente desmontáveis, exulta-se perante a doença e previsível morte de Mário Soares.

A parte realmente surpreendente é isto ter lugar explícito num partido político. Diriam que qualquer um pode publicar nesse grupo. É verdade, eu próprio o fiz, como se constata na imagem supra. No entanto, o meu post foi apagado, enquanto que as porcarias que lá são despejadas lá continuam.

O grupo tem dois administradores, que podem apagar ou moderar os posts como entenderem. Optaram por apagar o meu e permitir que o resto lá ficasse. A conclusão é óbvia, não concordam com o que publiquei, mas concordam com o restante.
[Read more…]

Espera, espera, isto deve ser um apelo à abstinência

adolfo-mesquita-nunes

Suspensórios e gravata de meias poderá ser o contributo, pelo exemplo, para a abstinência que o CDS agora defende para as escolas. Esperemos que a meia seja branca e que o sapato tenha berloques.

Pronto. Agora que fiz uma pausa para limpar as lágrimas de riso, li o texto em cima da imagem e perdi-me a rir de novo.  Então os resultados do PISA e do TIMSS “demonstram o acerto das políticas seguidas pelos governos anteriores”? Ó Adolfo, vai pr’a escola, pá.

E o “índice de redução da desigualdade indicado pelo INE nos anos de 2014 e de 2015” foi um sucesso do teu governo? A sério? Deixa-me citar o teu ex-chefe: “Passos admite que Portugal é hoje “profundamente desigual“.

E sabes o que foi “o sucesso das reformas laborais do anterior governo”? Quase meio milhão de portugueses de elevadas qualificações que abandonou o país porque apelar à emigração fez parte da estratégia.

Afinal, não há assim tanto para rir.

A imprensa portuguesa ao serviço da Geringonça

media

Nesse antro de esquerdalhos que é a imprensa portuguesa, o grupo Imprensa, propriedade do fundador do PSD, Pinto Balsemão, é quem mais ordena. Como afirmam, e bem, os indignados à direita, meios como a SIC, o Expresso ou a Visão estão obviamente ao serviço da agenda dos partidos de esquerda, conferindo-lhes maior tempo de antena, nas peças noticiosas como no comentário político, e defendendo as suas posições, ao mesmo tempo que atacam, sem dó nem piedade, tudo o que mexe à direita. [Read more…]

Como o Facebook permitiu a vitória de Trump

image

Um artigo na Wired explica a forma como o Facebook contribuiu para a vitória de Trump. Não foi tanto pelas notícias falsas, isso deve ter sido mais reservado ao Twitter, mas sim pela angariação de fundos e pela observação, em tempo real, do efeito do arranjo das comunicações de campanha (se funcionava melhor um vídeo ou uma imagem estática; se certo destaque devia estar antes ou depois do título; etc.). O grande investimento em propaganda por parte da campanha de Trump foi, precisamente, no Facebook. Leitura obrigatória para os nossos doutores em rotação.

Here’s how Facebook actually won Trump the presidency

Nada a que os pafiosos estejam desatentos, dada a experiência demonstrada no império do click, montado durante o anterior governo (Observador, perfis falsos no Facebook, equipa de produção de fotomontagens, constante produção de “factos” políticos, etc.).

O combate à propaganda da Direita

Enquanto apagamos fogos não plantamos árvores.

A Ordem do Discurso

Ilustração: Bruno Santos

Ilustração: Bruno Santos

Admite-se que o contra-fogo diário à propaganda anti-governo seja um mal necessário. Mas necessário é também avaliar se fogo e contra-fogo não são, eles próprios, instrumentos oclusivos que, objectivamente, impedem que o pensamento sobre Portugal e o seu futuro se expanda para novas zonas, novas perguntas, novos mundos. A constante criação de epifenómenos, a reinvenção diária de “casos”, a manipulação permanente da verdade, visam tão só impedir que mudemos o ciclo e a ordem do discurso.

O saque

si

Habitam em Portugal cerca de 10 milhões de portugueses, dos quais perto de 44 mil, 0,44% da população portanto, serão abrangidos pelo perigoso e totalitário imposto da comandante-ministra-das-finanças-sombra-fetiche-da-direita-radical-trotskista-leninista-chavista Mariana Mortágua, que segundo uma série de fanáticos da seita neoliberal, coadjuvados por um pequeno exército de indivíduos que, nas redes sociais, espalha o pânico e a indignação com histórias emocionantes que parecem retiradas da revista Maria, manipulando, sabe-se lá a mando de quem, alguns milhares de portugueses, será o fim do rectângulo à beira-mar plantado. Porquê? Ninguém sabe. Deve ser pelo mesmo motivo que os juros da dívida não parariam de subir, que o desemprego não pararia de aumentar, que a UE aplicaria sanções a Portugal, que o défice haveria de subir para os 6 ou 7% ou que as agências de rating não perdoariam as heresias da Geringonça. Não há seitas sem profecias da desgraça. O suicídio colectivo, já terá data marcada? Já se faz tarde. [Read more…]

A Fé na Ciência

red-brain-smaller

 

“Ciência à beira de descobrir a cura para a doença de Alzheimer – Mundo – RTP Notícias”.

14/9/2016

 

Quem estiver atento reparará que são recorrentes as notícias sobre curas de doenças temíveis, doenças que afectam muito a vida de muitas pessoas. Na verdade, tal como em outras situações, o conteúdo desta notícia (sem link) não corresponde minimamente ao título, que está lá apenas para causar espanto e interesse instantâneo. Trata-se quase sempre de material especulativo, sem nenhuma validação científica nem verificação prática.

A propaganda da Ciência vive deste tipo de truque, desta expectativa estendida ao infinito através dos meios de comunicação que propagam constantemente a descoberta da pólvora, da vacina para o cancro, a cura para a demência, o fim do sofrimento.

Se não estão ocupados nestes falsos milagres, os “cientistas” estão a descobrir novos planetas com água, para lá das fronteiras do sistema solar, acessíveis pela televisão, ou pelos filmes, ou pelos sonhos.

É isto a Fé na Ciência.

Ao cuidado do ministério da propaganda da direita radical

Vocês tinham razão, o fim está próximo. Vou ali arrepender-me e já cá volto para o suicídio colectivo, ok?

Via Luís Vargas/Geringonça

Câmara de Gaia, da propaganda à vitimização 


Foi já há mais de dois anos, em Janeiro de 2014, que a Quinta dos Avós, em Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, um importante equipamento social para a infância e a terceira idade, foi oficialmente inaugurada pelo Presidente da Câmara, com a presença de altas individualidades, entre as quais se encontravam Agostinho Branquinho, então Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social do governo PSD/CDS, que sucedeu no cargo a Marco António Costa, e até o Nobel da Paz, D. Ximenes Belo, que deu nome à rua onde se situa o edifício. Contudo, apesar de toda a solenidade e pompa da inauguração, que foi notícia em vários órgãos de comunicação social, o equipamento, com valências de lar para 40 idosos e creche para 66 crianças dos 0 aos 3 anos, permanece ainda hoje fechado.
[Read more…]

Boicote ao Correio da Manhã

CMH

Via Os Truques da Imprensa Portuguesa, onde vale também a pena ver o video que acompanha o texto em baixo.

O Correio da Manhã ultrapassa todos os limites nos métodos que usa para obter mais audiências. Nos últimos tempos, transmitiu imagens aéreas do funeral de uma criança e ontem, perante os atentados de Nice, passou em loop vídeos com mortos.

Com esta agenda, o Correio da Manhã e o CMTV fazem um boicote à decência. Talvez esteja na hora da decência fazer também um boicote ao Correio da Manhã e CMTV. Mas seria absurdo sugerir à comunidade dos Truques que deixasse de os ver ou deixasse de os ler. Felizmente, em 99% dos casos, não partilhamos os públicos.

Propomos, em alternativa, que sempre que virem aquele famoso microfone vermelho, se dirijam a ele e digam: “É para a CMTV? Então não vou falar…” Podem experimentar formulações diferentes com o mesmo sentido. Acreditem: vai ser divertido!

É fundamental que todos partilhem esta iniciativa para fazê-la chegar o mais longe possível.
É para a CMTV? Então não vou falar…

Imagem via As minhas insónias em carvão

O (decadente) Estado da Nação

EdN

O Ministério da Propaganda deve andar possidónio. O take da Reuters cujo nome a imprensa afiliada à direita radical não pode mencionar passou mais um atestado de estupidez à propaganda do velho regime. Chega a dar dó.

Não há volta a dar: a responsabilidade pelos valores do défice alvo desta manobra terrorista dos engenheiros sociais ao serviço da decadente ruling elite que habita em Bruxelas é mesmo do anterior governo. Em tempos ficaria pasmado com o nível de absoluto patético a que aqueles que optam por negar a realidade em nome de ideologias fanáticas ou financiamentos para negócios mil se sujeitam. Até o mais recente escritório dirigido por David Dinis fez notícia sobre o esclarecimento que a Comissão Europeia fez ontem, por hora do início do debate no Parlamento. Passos nem piou. É o estado a que isto chegou.

Imagem via Uma Página Numa Rede Social

Juventude Popular: ignorância ou manipulação da opinião pública?

JP

A fotomontagem é da autoria da Juventude Popular e, a meu ver, tem apenas duas justificações possíveis: ou foi elaborada por gente mesmo muito ignorante que não conhece a história do seu país ou, mais grave ainda, foi elaborada com o propósito de enganar e manipular a opinião pública.

A manipulação dos factos que levaram as intervenções externas em 77 e 83 é um clássico da propaganda da direita nacional, que procura lavar as mãos das suas responsabilidades nos dois primeiros resgates. O resgate de 1983 tem a particularidade de acontecer poucas semanas após a tomada de posse de um governo composto por PS e PSD, precedido de três anos e meio de governos de direita que incluíam o PSD, o CDS-PP e o PPM. E ainda que o governo eleito a 9 de Junho de 1983 fosse integralmente PS, seria estúpido ser-lhe atribuída a responsabilidade de um resgate que começou a ser negociado um mês e nove dias depois. Nem Sócrates conseguia arruinar um país em tão pouco tempo. Infelizmente, há quem ainda se preste a este papel. Vale tudo para subir a escada do partido e ser jota tem destas coisas.

Fotomontagem@Facebook Juventude Popular

O velho regime vai ter que esperar

Got

Adoro ver os ressabiados a estrebuchar nos seus blogues e jornais financiados pelas elites. Eles precisam – é também para isso que lhes pagam – a todo o custo, que o acordo à esquerda se desfaça, nem que isso custe o aprofundar da ruína pelo qual os seus caciques tanto lutaram durante mais de quatro anos. Afinal de contas, só assim poderão voltar a sonhar com as suas avenças e luvas, com os seus tachos em ministérios e secretarias de Estado e com as suas viagens em comitivas governamentais, aproveitando os recursos do Estado para potenciar os seus negócios enquanto se indignam em longas crónicas contra a heresia da intervenção estatal. Não são hipócritas. É apenas malta que acredita na exploração da maioria por uma minoria privilegiada, pela qual tantos ânus lamberam e continuam a lamber. [Read more…]

José Manuel Fernandes apanhado a enganar os seus leitores

o que não é grande novidade mas desta vez fica aqui o registo.

A isenção jornalistica da TVI

TVI

Capturado pela agenda ideológica da esquerda radical“.

Tenham medo, tenham muito medo…

via Os Truques da Imprensa Portuguesa

O poderoso Observador

media

O Observador é uma espécie de jornal, um híbrido entre um blogue de ideologia neoliberal e um folhetim partidário de direita. Financiado por um grupo de empresários próximos/militantes do PSD ligados à sombria Comissão Trilateral, apoiantes convictos do cavaquismo e posteriormente de Pedro Passos Coelho, de onde se destacam os nomes de Alexandre Relvas (PSD/Logoplaste), António Carrapatoso (PSD/ex-CEO Vodafone), João Talone ou António Pinto Leite (PSD/MLGTS), este projecto editorial destaca-se por uma abordagem vincadamente anti-esquerda e acerrimamente ultraliberal e conta com um painel de colunistas essencialmente de direita, com a presença do ocasional comentador de esquerda com vista a criar uma falsa sensação de imparcialidade que pura e simplesmente não tem ali lugar. [Read more…]

A grande máquina da direita radical

Leviatã

Trata-se de uma máquina bem oleada, composta pelos mais hábeis activistas da direita radical, dispõe de financiamento abundante e sem paralelo e ataca em força, numa base diária, através dos jornais e de outros pravdas online que integram a rede do ministério da propaganda do “jihadismo” financeiro ultraliberal.

O seu objectivo primordial é plantar na opinião pública a ideia de que qualquer valor ou política de esquerda é tendencialmente destrutiva e ditatorial. Que a solução para os nossos problemas reside na instauração de um regime em que a soberania do mercado, ironicamente apelidado de livre, implica a submissão da esmagadora maioria da população à ausência da regulação e à lei do mais forte. Que devemos ser passivos e obedientes para não incomodar a exploração virtuosa da era moderna. Que devemos estar dispostos a aceitar sacrifícios para que a elite que nos comanda não tenha que os fazer. [Read more…]

Pura propaganda, no Jornal de Negócios

O Jornal de Negócios traz hoje uma peça titulada “O programa de ajustamento de Portugal em cinco gráficos“. Olhando para os gráficos incluídos, para os títulos para eles escolhidos e para as respectivas legendas só se pode  concluir que o dito programa de ajustamento e, consequentemente, o anterior governo, se coroaram de sucesso. Deve ser o tal país que está melhor, apesar das pessoas estarem pior.

Esta peça, ao apresentar números sem contexto, martelados até, é uma obra de propaganda, à semelhança de outras que este jornal tem feito sair em prol das políticas de direita.

Vejamos brevemente o que está em causa.

[Read more…]

Mais um prego no caixão da propaganda do velho regime

MCAC

Diz o Expresso que “Não houve défice em Fevereiro”. Segundo dados do Ministério das Finanças, o saldo das administrações públicas em Fevereiro foi de 15 milhões de euros. Positivos. Uma melhoria de 244 milhões de euros face ao período homólogo.

Vamos assumir que, no limite, este desempenho resulta de uma qualquer almofada que Maria Luís Albuquerque deixou por aí. Mas então e o que é feito da profecia da desgraça, do aproximar do apocalipse financeiro, da geringonça que ia destruir tudo num abrir e fechar de olhos? Ausência de défice? Mas isso é sequer possível com esta salgalhada de perigosos e radicais esquerdalhos? Não era suposto estar tudo a arder? O fim não estava próximo?

Aborrecido, quando o plano não dá certo. E depois admiram-se muito porque o homem se ri.

Foto: Marcos Borga@Expresso