Quando rescindir com a MEO é o Cabo das Tormentas

Li pela net inúmeros relatos, com vários anos, relativos ao comportamento da MEO quando um cliente tenta rescindir o contrato. Apesar desta área estar cada vez mais sujeita à concorrência, a MEO mantém as mesmas atitudes de falta de respeito para com os seus clientes, ignorando que o cliente que está a perder neste momento pode regressar um dia se for tratado com lisura.
Ontem, a MEO começou por recusar-se a receber o equipamento numa das suas lojas – telefone fixo, MEO BOX, router, etc. – com a alegação de que o contrato ainda não fora rescindido.
Pedi então para rescindir, mas não podia ser – tinha de ligar o 16200. Seguiu-se então uma chamada superior a 40 minutos em que tive de falar com várias pessoas. Mesmo depois de dizer que já não estava a usufruir de qualquer serviço da MEO, que tinha ali os equipamentos para entregar, que já tinha instalados os serviços de uma outra operadora, a MEO continuou a fazer-me novas propostas contratuais, novos descontos, novos pacotes.
Quando finalmente consegui convencer a MEO de que ia mesmo rescindir e nada queria negociar, foi-me dito que a rescisão só teria efeito daqui a 15 dias, algo que a lei não prevê. A lei prevê um máximo de 15 dias, mas a MEO assume logo à partida que serão esses 15 dias e não menos. Para poder facturá-los, claro. Mesmo sabendo que já não tenho o serviço, que se recusou a receber os equipamentos, que há outras operadoras que rescindem no momento exacto em que tal é pedido.
Estes senhores não percebem que, se eu quiser voltar à MEO daqui a 2 anos, não o farei porque me lembrarei da forma lamentável como me trataram? Estes senhores são burros?

Comments

  1. Mónica says:

    Há uns anos o meu pai adquiriu através de uma promoção do seu banco, um smartphone com um contrato de 24 meses da MEO com assinatura em que as mensalidades já estavam pagas. Durante esse tempo quem usou o telemóvel fui eu e quando os 24 meses acabaram quis ficar com o telemóvel e passa-lo para o meu nome, mas sem a assinatura mensal. Também foi um cabo dos trabalhos. Tive de fazer diversas chamadas, dessas longas em que nunca me esclareciam completamente, até que resolveram dizer-me que só na loja é que isso se poderia tratar. Na loja demoraram imenso tempo para nos atender, e o meu pai nos seus 72 anos a ficar impaciente. Lá foram preenchidos uns papeis e assinados e eu pedi à menina para passarmos o telemóvel para meu nome ao que a menina me respondeu que isso não valia a pena fazer, pois a partir do momento em que o cartão da MEO deixava de ter assinatura, à MEO não interessava quem era o dono. E eu nada fiz e continuei a usar o telemóvel. No entanto uns dias depois voltaram a ligar para saber a razão da minha mudança, isto, quando ela já estava feita. O meu pai viria a falecer uns meses mais tarde e por coincidência comecei a receber chamadas da MEO em que pretendiam falar com o meu pai, para fazerem publicidade! Eu respondia-lhes das primeiras vezes com calma a dizer que ele tinha falecido e desligava. Fui ao site e registei aquele número como sendo meu. Mesmo assim continuaram as chamadas para o nome dele! Bem houve uma chamada que não me contive e desanquei na pessoa que me ligou, mas eu é que tive de desligar a chamada, pois quem estava do outro lado, não parecia entender a razão da minha raiva! Uns tempos mais tarde ligaram outra vez “para o meu pai” e expliquei o que passava e pediram desculpa. Desde então não voltaram a ligar em nome dele, mas continuam as chamadas, já atendi duas e sei bem o que pretendem: vender-me de novo a assinatura mensal, “com condições mais vantajosas, do que as que tenho, carregando o telemóvel, desde que faça contrato de 24 meses”. Estes números de publicidade nunca são os mesmos e como vale tudo para fazer publicidade estão mesmo a marimbar-se para quem está do outro lado.

    • aletheia says:

      Pode informar a Meo que pretende que os seus dados saiam da base de dados para efeitos de publicidade e markting ou informação de produtos e serviços. Pode fazê-lo por escrito,

      • Mónica says:

        Que engraçado só agora dizerem isso, não é? Depois de tantas chamadas que recebi e onde pedi que actualizassem os dados. É preciso ter lata vir para aqui dar essas informações agora!!!

  2. aletheia says:

    Se quer mesmo cancelar o contracto com a Meo, como com qquer outra operadora, tem de fazer o pedido por escrito, com antecedência mínima de 15 dias ( lei são 30 dias). Chamadas apenas servem para que façam novas propostas. As operadoras não podem recusar o cancelamento do serviço, mas têm direito a penaliza-lo através de factura por incumprimento contractual, no caso de se encontrar em período de fidelização.

    • Mário Reis says:

      E eu tenho o direito de lhe dizer para meter o (in)cumprimento contratual pelo #ú acima. Pode ser que goste até…

      Atrasados mensais há-os todos os dias: chamam aos contratos concorrência e lei? é mais vampirismo opressor e cínico, uma roubalheira mentirosa que gera milhões para enterrar na alienação do futebol. Manigâncias do democrático mercado.
      E eu a pensar que nesta legislatura uma lei em nome da defesa do consumidor os metesse na linha!!!

  3. Carlos Almeida says:

    Em 74 dizíamos Nem mais um soldado para Angola !!!
    Agora isto é há uns anos para cá eu digo nem mais um cêntimo para os “metralhas” Espero que continuem a fazer dessas para ver se desaparecem de vez


  4. Eu estou a passar por uma situação parecida; a MEO não concretizou o meu pedido de cancelamento dos serviços apesar de eu não os utilizar há muitos meses, embora tenha pago sempre as facturas até ao final do período a que estava obrigado por fidelização,mandei-lhes uma carta registada a descascar nestes basbaques mas nem assim…agora vou ter que denunciar estes factos à ANACOM (embora pouco adiante porque as entidades reguladoras só “regulam” a favor destes tubarões (basta vermos o que se passa no sector das energias, entre outros); irei também denunciar o caso ao Instituto de Defesa do Consumidor.
    A PT meteu-se com o consumidor errado
    Em face de tudo isto, eu cancelei um contrato de net móvel que tinha com a PT; assim perdem um cliente (eu já sou cliente da PT desde os anos 80, e seguramente nunca mais o serei; quem perde são eles e não nos esqueçamos de que “grão a grão enche a galinha o papo”…

    • Manuel Rocha says:

      Boas

      Para quem conhece um pouco da origem da Portugal Telecom (agora MEO) e da ANACOM, sabe que ambas tiveram a mesma origem:os CTT (Correios, Telegrafos e Telefones)
      A PT foi sempre protegida pela ANACOM (antiga Direcção dos Serviços Radioeléctricos dos CTT),, pela mesma razão que os “irmãos” se protegem uns aos outros.
      Já passaram muitos anos é certo, o pessoal agora é outro e já não andou pelos CTT, mas as raízes, são as mesmas.
      Portanto queixas à ANACOM………..

  5. Konigvs says:

    Ó meu meneino, burros são os portugueses que andaram a assinar contratos de dois anos, como se não houvesse amanhã, quando os vendedores de rua lhes diziam que a televisão ia acabar, e que para ver os quatros canais precisavam de assinar com a MEO!


  6. Em Abril de 2010 cancelei serviço Meo subscrito em Dezembro de 2009 por quebra de qualidade de serviço da parte deles.

    São péssimos. As outras operadoras têm dias, mas a Meo é péssima. Curiosamente durante os últimos 5 anos têm tentado várias vezes fazer um contrato comigo, ao que eu respondo que da Meo só notas de 500 € e mais que uma. Não quero nada deles. Insistem que desde 2010 mudaram a forma de estar e agir com o cliente, mas aquilo de que me apercebo é que a forma mantêm-se.

    Quando cancelei o serviço em 2010, também fui entregar o equipamento a uma loja da meo, neste caso no Oeiras Parque.
    Disseram-me também que não recebiam o equipamento e que tinha que ligar para o 16200, e que eles é que resolviam oassunto.
    Eu simplesmente disse que liguei 20 dias antes, que ainda não tinham mexido uma palha, e que por isso o contrato estava oficialmente cancelado, até porque deixei o equipamento em cima da mesa deles, com uma carta anexa. Também é verdade que levava testemunhas que tiraram fotografias do processo.
    Perante a minha enorme pressão sobre eles, o gerente da Loja acabou por aceitar ficar co equipamento na Loja, e até devolveu uma cópia da minha carta assinada e carimbada.

    Mais tarde, uns 3 meses, recebi uma tentativa de cobrança coerciva de uns 350 € por parte da MEO que, como é óbvio, não paguei.
    Devolvi-lhes a cobrança e avisei que a denuncia do contrato tinha sido efectuada de forma legal e tempestiva.

    Passados uns meses voltaram à carga, desta vez com uma missiva de uma advogada de cobranças.

    Respondi por Email, com conhecimento de todas as partes interessadas, como por exemplo a ANACOM, evidenciando a minha razão, e ameaçando com um tribunal da minha parte.

    Duas horas depois recebi uma chamada do Porto, de uma secretária da Administração para falar comigo e resolver de forma pacifica.
    Assim, a Meo baixava a factura dos actuais 350 para 80 €uros, mas tinha que declarar que não tinha razão na minha pretensão. Não aceitei e retorqui que a única coisa que pagava era os dias que mediavam entre o meu primeiro telefonema a cancelar o contrato e a entrega do equipamento na Loja, ou seja 20 dias, e era isto ou tribunal. 30 Minutos depois eu tinha no meu Email uma referência para pagamento de cerca de 20€uros.

    Não referi os aspectos técnicos que levaram à minha resolução do contrato, mas foram muitos e todos somados culminaram numa falha de serviço por parte da MEO de uns 15 dias.

    É claro que do ponto de vista técnico, eu tinha muita razão, e ainda tinha uma arma que usei como chantagem no diálogo com a Administração.

    Mas, findo o prazo a que obriga a permanência, ninguém, mas mesmo ninguém tem que os aturar.

    p.s. – Guardo religiosamente os email e as provas que usei neste combate.

  7. Rui Naldinho says:

    As operadoras fazem o que querem porque quem devia regular a sua atividade não faz rigorosamente nada.
    A ANACOM é uma daquelas instituições que se limita a fazer pouco ou nada. Parece ter sido criada para apenas dar emprego a uns quantos amigos.
    Eu perguntaria.
    A ANACOM faz testes de controle da velocidade nas redes, de forma inopinada, para verificar se o contrato que foi efectuado está na realidade a ser cumprido e o cliente a não ser enganado?
    A ANACOM solicita às Associações de Defesa do Consumidor informação detalhado sobre queixas dos clientes, e dessas, seleciona uma dúzia delas para indagar quais os motivos que levaram à reclamação?
    A ANACON inspeciona edifícios para verificar se a forma como as empresas instalaram os equipamentos nas áreas comuns estão d acordo com a lei e as boas normas construtivas?
    A ANACON inspeciona as caixas colocadas na via pública das várias operadoras, para verificar, se face ao número da clientes na zona, o sinal tem a potência necessária para após a distribuição deste pelos várias habitações, estes não estarem a pagar “gato por lebre”?
    Podia enunciar aqui ainda mais umas quantas questões para o qual a ANACON deveria estar minimamente vocacionada, mas não o faço para não ser mais exaustivo.
    Uma coisa eu sei, se alguém enviar uma reclamação para a ANACON, ela de pouco vós servirá, pois passado uma dúzia de dias, eles informar-vos-ão que não está no âmbito das atribuições da ANACON resolver conflitos entre o cliente e as operadoras, nem arbitrar as razões que movem as partes.
    Então, se não está habilitada para isso e, aquilo que se pede não é que resolvam questões administrativas, mas sim verificar in loco se há de facto alguma ilegalidade no procedimento da operadora, que dê suporte à reclamação apresentada pelo cliente, que não percebe nada dos assuntos técnicos, limita-se a pagar um serviço que não está em conformidade com o contratualizado, eu gostaria que alguém me dissesse:
    Então para que é que serva a ANACON?
    Para dar empregos?
    Talvez seja para os seus quadros superiores quando de lá saírem, porque os partidos no Poder mudaram, e os Boys serão outros, irem depois trabalhar para as operadoras!

    • Luís says:

      Os reguladores neste país são pagos por nós mas os seus quadros são funcionários das empresas que deviam regular – Bancos, EDP, PT, Seguros, etc.
      O poder destes tipos é tal que o Farsola até demitiu o seu Secretário de Estado da Energia por este chatear o Mexia da EDP e, apesar dos abaixo assinados e dos “esforços” dos deputados o período de fidelização das operadoras manteve-se, na prática.
      Mas o caso mais flagrante do poder que estas empresas holandesas têm sobre o poder político é revelado quando falamos da ASAE.
      Todos se recordam da eficiência da ASAE na perseguição dos “mixordeiros” até ao dia em que resolveram implicar com o Pingo Doce e similares.
      Depois disso alguém sabe dizer por onde anda a ASAE?


  8. Percebo perfeitamente o drama, recentemente também passei por isso com a mesmo operadora. A melhor forma para rescindir é o envio de uma carta registada.

  9. anónimo says:

    MEO/PT/TMN tudo a mesma cambada, a sacar dinheiro a quem lhes cai nas malhas.
    Primeiro puseram-me em tribunal, alegadamente por rescindir sem ter pago os meses que faltavam de fidelização. Mentira, porque tinha pago, e apresentei o recibo. Na véspera da primeira sessão, desistiram da queixa.
    Depois venderam-me um telefone, manifestamente avariado. Depois de muitas reclamações, não o conseguiram arranjar, nem o trocaram, nem devolveram o dinheiro. A garantia dessa gente não vale nada.
    Lojas da MEO nunca mais.

  10. Filipe says:

    Não sei que operadoras são essas que cancelam os serviços na hora. Eu para cancelar o serviço da NOS também precisei de formalizar o pedido com 15 dias de antecedência. E o pior é que quando rescindi, recebi várias chamadas a fazerem-me ofertas, e como não aceitei ameaçavam com penalização por incumprimento contratual (quando já não estava fidelizado).Só resolvi o problema com queixas à ANACOM e ao provedor do cliente. NOS, para mim, nunca mais. E posso hoje dizer que sou actualmente um cliente da Meo muito satisfeito, e que a qualidade do serviço é claramente superior.


  11. A solução chama-se Card sharing.

  12. José carlos says:

    Pois é , nos , meo, tvcabo etc tudo um bando de gatunos incumpridores ! Mas o que dizer do regulador Anacom que nada regula ou melhor só regula para um lado e dos nossos queridos parlamentares que criam e aprovam as leis que dão força a esta cambada?

  13. Hélder P. says:

    Fosse só a PT… O Ricardo pode assinar com a operadora x, y ou z, daqui a 24 meses no que toca ao tratamento dado ao cliente são todas iguais.

    Todas tratam o cliente abaixo de cão. E porquê, porque sabem que podem. Porque a polícia das Telecom em Portugal, a ANACOM, é cega, surda e muda. E completamente alinhada com os interesses das empresas. As empresas concertam entre si os preços para cima, a ANACOM acha inteiramente razoável. “A qualidade paga-se” diz a criatura que preside a esse departamento da PT disfarçado de autoridade reguladora. E nem falo na novela da TDT, que todos sabem quem beneficiou da mesma.

    A PT tem a meu ver o melhor serviço do ponto de vista da qualidade técnica. Pudera, a rede de fibra óptica da PT quem a pagou fomos nós em grande parte!
    Em tratamento ao cliente, fidelizações, cobranças abusivas, etc não há diferenças. E só passará a haver no dia em que sanearem a ANACOM e haja alguém que defenda os consumidores dos instintos predatórios deste mercado.

  14. Jose Antonio Almeida Sampaio says:

    A propósito deste tema, deixem-me contar uma “anedota”.
    Terminei o período de fidelização à Meo em 4 de Dezembro e, como não tinha grandes razões de queixa, preparava-me para renovar renegociando os moldes da fidelização.

    Em Outubro/Novembro, enviaram-me uma carta onde aumentavam para 500 MB a intenet móvel no contrato (tinha 200) e mais uma oferta de um voucher (estão na moda…) de 100 euros para compra de equipamento mas, neste caso, com a obrigação de fidelização de 24 meses. Obviamente aceitei o aumento do pafond da net e recusei o voucher!

    Fins de Novembro recebo nova carta onde incluíam um cartão de net móvel de 30 GB/mes com o seguinte parágrafo inicial: “Porque queremos premiar a sua preferência, a partir de agora o seu pacote MEO irá incluir um cartão de INTERNET MOVEL com 30GB/mês, sem qualquer custo adicional.”.
    De borla? Venha ele!
    Em meados de Dezembro ao questionar, numa loja, os benefícios que poderia obter ao renovar minha adesão, a meio da conversa o funcionário deixa escapar que o cartão dos 30GB obrigava a uma fidelização de 24 meses, de modo que se mudasse de operadora deixava de beneficiar da gratuitidade do cartão, pagando cerca de 32 euros/mês!!!! Quer dizer, teria autorizado a fidelização do M4O sem o saber, ao aceitar o cartão “completamente gratuito”. Apresentei de imediato na loja uma reclamação e fiquei a aguardar a resposta.
    Agora vem a parte da anedota:
    “Informamos que o usufruto destas ofertas pressupõe a manutenção do serviço em questão por igual período” (24 meses)…
    Mas esta gente pensa o quê???
    Quer somos todos burros?

    Se não conseguir o que quero para uma nova fidelização do serviço, mudo de operadora e apresento queixa ao Tribunal e ao Provedor do Cliente, por BURLA,.
    Com a ANACOM nem perco tempo, porque é uma emanação das operadoras e só serve para as defender. Ainda não conheci um único caso em que tivesse condenado uma operadora.

    Aliás, cria-se tanta petição para isto e para aquilo e não se cria uma só para que estas instituições – pagas por nós – sejam compostas por elementos dos 2 lados e em partes iguais presididas por um cidadão de reconhecida independência, aceite por ambas as partes.

    Queiramos ou não, em questões de transparência e direitos de cidadania continuamos a ser o ânus da europa….

    • M Rosa says:

      Criem uma petição que eu assino! Uma petição para que a fidelização mesmo que seja de 24 meses quem quiser desistir não seja obrigado a pagar as mensalidades do que falta para o final dos 24 meses.

      • Carlos says:

        Boas

        Mas os operadores arranjaram o truque de terem serviços sem fidelização. Fica é ao dobro do preço, mas é preferível pagar um mês ao dobro do preço e se não servir, desistir, do que estar a pagar 24 meses por um mau serviço

  15. manuel.m says:

    A minha história tem um par de anos, não é com a Meo, é com a Vodafone, mas acho que não é menos edificante:
    Estando fora de Portugal a maior parte do ano, e andando meio louco com a banda larga móvel onde passo férias,(Algarve), resolvi fazer um contrato anual com a Vodafone, embora sabendo que apenas iria usufruir dele durante o Verão. Não se tratava de um contrato de fidelização, apenas de fornecimento do serviço. 15 eram os dias à experiencia, e eu estava encantado!
    Mas ao 16º dia deixei pura e simplesmente de ter ligação. Seguiram-se incontaveis reclamações através da loja onde tinha feito o contrato sem obter qualquer resultado até que o cancelei, assim como o respectivo débito directo.
    Recebi então uma carta da Vodafone com ameaças várias se não pagasse até ao fim do ano. Estando fora do país não estava em condições de entrar em processos legais, (a fama da justiça Portuguesa chegou longe…), e não tive outro remédio senão pagar aceitando ser roubado legalmente.
    Se tiverem outra classificação para um contrato que apenas obriga uma das partes, digam por favor!

  16. motta says:

    Nem vos conto as minhas estórias!
    Só não digo que são todos iguais porque cada um consegue, sempre, ser pior que o(s) outro(s).
    Só dois exemplos de situações que conheço de perto: venda abusiva de internet a quem nem sabe que tal coisa existe; comandos de tv/box que alguns idosos e outros com dificuldades de visão não conseguem manipular. Sem alternativa.
    Sempre que falo com eles – mensagens gravadas, dizem – falo destes e de outros aspectos. Acho que se riem na minha cara. PQP.

    • Manuel Rocha says:

      Boas Sr Motta

      Essa é sempre a pior opção. Nunca falo com com essa malta. Quando aceitava as chamadas dos operadores, o que já não acontece, pois digo-lhes sempre que se têm alguma coisa a dizer-me o façam para o meu email.
      Aconselho as pessoas a não terem conversas telefónicas com essa malta. Aconteceu-me uma vez (e isso é normal quando está quase a acabar a fidelização), fui contactado por um vendedor a oferecer qualquer vantagem que eles costumam ter, eu disse que não queria, mas o facto é que ele conseguiu a fidelização por mais 2 anos. Ainda reclamei mas disseram-me que tinha que a gravação da chamada. A partir desse dia, quando recebo qualquer chamada, nem os deixo falar. Dou-lhes o email e só aceito propostas por escrito

  17. Konigvs says:

    Dica importante. Com a MEO para baixar o valor da fatura é dizer-se que se quer rescindir. Para rescindir eles encaminham lá para uns tipos que o seu trabalho basicamente é convencer o cliente a não desistir. À pergunta, por que quer cancelar o serviço? Responde-se “não tenho dinheiro”. De imediato como que por milagre, aquilo que antes tinha que se pagar 70€ já pode passar para 40€, mesmo numa zona onde não existe concorrência 😉


  18. Já passei por tudo isso com a Meo. Na minha casa nunca mais metem as patas nas as antenas. NUNCA MAIS !!!


  19. Em 2013, tive um diferendo com a OPTIMUS. Seria demorado e fastidioso explicar aqui o que se passou e que tinha a ver com o prazo referente ao pedido de portabilidade e à distinção entre “data da assinatura do contrato” e “início efectivo da prestação de serviços” (art.º 18.º do DL 82/2008). Confundido com explicações contraditórias da parte da Optimus e da PT, enderecei uma reclamação à ANACOM, que me agradeceu o contacto, me informou ter verificado se a lei estava “a ser cumprida” (“podendo aplicar sanções aos operadores infractores”), mas acrescentou: “Porém, esta Autoridade não tem competências para resolver conflitos individuais entre utilizadores e operadores”, remetendo-me para os Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo ou para os Julgados de Paz. Assim pacificado, dispus-me a permanecer na Optimus até ao termo do período de fidelização, ciente de que, se persistisse, me envolveria numa batalha judicial no mínimo tão demorada quanto a fidelização e seguramente mais cara e desgastante.

  20. Mischa says:

    Caro Ricardo,
    espero que não tenha mudado para a NOS porque estou exactamente na mesma situação que descreveu em relação à MEO: Já rescindi o contrato dentro do prazo há 2 meses mas continuam a envia-me facturas e não consigo entregar o equipamento.Mesmo com 3 operadores no mercado, eles operam como se tivessem o monopólio. O cliente não tem uma escolha real e fica nas mãos destes malfeitores.


  21. Não sei se são todos iguais. Sei que a MEO trata a malta abaixo de cão. Acabei a minha fidelização e já mudei para a Vodafone. Apesar de tudo têm uma melhor comunicação com o cliente tanto na loja como via telefone. Agora estou naquela de devolver o equipamento mas já começaram a criar problemas e obrigam a ligar para um numero pago e depois disso vem a casa buscar o material. Infelizmente o cliente nunca tem razão e não há quem queira meter estas empresas na ordem.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.