A revelação

O jovem estagiário estava espantado. Aquela candidata fazia promessas completamente disparatadas, discursos no limite da insanidade, propostas que denunciavam uma total ausência de sensibilidade para os problemas, os quais visivelmente não conhecia e, portanto, não sentia. Mas os seniores insistiam que a candidata estava a fazer uma grande campanha, que ia ficar em 2º lugar – pelo menos…- que era a verdadeira alternativa e tudo o mais.

Mais diziam à boca pequena pelos corredores dos jornais: ” o Paulo disse que ela estava a fazer uma grande campanha”. O tal Paulo era, pelos vistos, um importante critério de verdade. Se o Paulo dizia, era certo e sabido. Era , então, um sucesso do CDS? Em Lisboa?!

– “Qual CDS qual treta, puto, isto é um jogo de crescidos. O objectivo é outro, não vês, maçarico? Ó Pedro, diz ao Ricardo que diga ao Francisco que o Rui pode avançar nas primárias e no congresso. Depois deste resultado, está no papo!”

– “Ah!…” – foi o que ocorreu dizer ao estagiário, certamente elevado com a epifania que lhe revelava o que era o tal “jornalismo de referência”.

Comments

  1. Mário Reis says:

    Isso não se faz. Então não disseram também ao Diniz para dizer ao Belmiro???

Deixar uma resposta