Um atoleiro de fatos e defeitos

To talk of Nicaragua as a security threat [to the United States and to the hemisphere] is a bit like asking what security threat Luxembourg poses to the Soviet Union.

Noam Chomsky

These beings seem completely indifferent to my progress. In fact I might just as well not be here at all as far as they’re concerned. I’ve tried talking them into banishing me entirely—then at least I’d be rid of them. Excommunication. But they don’t speak my language. They don’t speak no language at all. They just hover and moan. Water and blow. Like I’m not here at all.

Sam Shepard, “The One Inside” (p. 141)

***

Há quase dois anos, indiquei o tratamento dado pela Assembleia da República à ortografia como um excelente exemplo de assimetria entre a vontade do eleitor e a atitude do eleito. Felizmente, no dia em que o Projecto de Resolução do Partido Comunista Português estava a ser discutido, encontrava-me já longe de Chicago, estrada fora, a conduzir na América profunda, em direcção a Bloomington, Indiana, para apresentar uma comunicação numa conferência de Fonologia. Assim, para minha imensa alegria, andei a ouvir a WASKa WBPE, a WLIT (*) e a WBOW e a abastecer-me de víveres no excelente Pilot Travel Center de Remington.

US Highway 24, Remington, IN, 22 de Fevereiro de 2018

Por isso, fui poupado quer a mais este acto, quer às consequèncias que advêm deste acto e de actos semelhantes a este.

Efectivamente, ovação de pé para o PCP, para o PEV e para Filipe Lobo d’Ávila e Ilda Araújo Novo, deputados do CDS-PP. Exactamente: “um atoleiro“.

***

(*) Curiosamente, ao chegar à estação de serviço de Remington, era esta a canção que a 93.9 Lite FM transmitia — vai já para a lista da 66. E a Ann Wilson (cf. AiC) cantou imenso este clássico:

Comments

  1. ZE LOPES says:

    Rymas Elegyacas em Omenagem ao Achordo Ortográphico (tomem lá mais uma!):

    Contratei um alfaiacte
    Que não tinha nenhum jeicto.
    O que é fato é que o fato,
    Veio com grande defeicto

  2. Bento Caeiro says:

    Poderia, como se costuma fazer nestas situações, começar por perguntar: qual a semelhança, na Assembleia da República, entre a discussão sobre o Acordo Ortográfico e o Financiamento dos partidos? De seguida, para completar – à guisa de resposta – diria: no debate e votação sobre o “AO” o PCP, sabendo-se minoritário e que, como tal, nada alteraria, votou contrário aos outros partidos; no debate sobre o financiamento partidário o CDS, sabendo-se minoritário e que, como tal, nada alteraria, votou contrário aos outros partidos. Terminando, a concluir que: numa grande manifestação de hipocrisia, ambos os partidos – apesar das suas diferenças conceptuais – nos mostraram que. para eles e no que respeita a manipular o cidadão, os fins justificam os meios.

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      E os meninos (e meninas, senão ainda sou acusado de machismo) da “esquerda caviar”, que passam a tempo a pregar moral aos outros?

Trackbacks


  1. […] deputados, ávidos leitores destes apontamentos e tão esclarecidos sobre a matéria ortográfica, que até decidem manter este estado de coisas. Sim, porque está tudo bem, para quem gosta de ter arena nos […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.