O que tem o caso de Ricardo Robles de diferente dos outros

O que tem de diferente é que Ricardo Robles é do Bloco de Esquerda. E um membro do Bloco de Esquerda não podia fazer o que ele fez.
Perguntar-me-ão se um político de Esquerda não pode ser rico só porque defende maior igualdade social, defende os mais carentes da sociedade e ataca os males do capitalismo. Pode, claro, desde que consiga fazê-lo à custa do seu trabalho e não através de esquemas que ele próprio condena publicamente enquanto político.
Como cidadão, Ricardo Robles tem todo o direito de fazer especulação imobiliária, já que a lei o permite. Não pode é fazer especulação imobiliária enquanto, ao mesmo tempo, abre a boca nos comícios contra essa mesma especulação. Demitiu-se pressionado pelos acontecimentos quando nem sequer devia ter aceite o cargo a que concorreu nas últimas eleições.
Para o bem da Esquerda, espera-se que a carreira política de Ricardo Robles tenha terminado aqui. Pode sempre continuá-la no PS, onde se sentirá como peixe na água e onde ninguém o criticará por fazer o contrário daquilo que diz. Onde ninguém achará estranho que enriqueça à custa de cenas manhosas, despejos de senhorios com despedimentos por arrasto e ganhos imobiliários pornográficos em apenas quatro anos.
No PS, no PSD, no CDS… – afinal, é o que esses partidos têm feito, sem qualquer complexo de culpa, desde o 25 de Abril. Quanto ao Bloco de Esquerda, infelizmente, começo a temer que seja igual aos outros.
Não o é, claro. Mas se calhar porque nunca esteve no poder. Dêem-lhe umas décadas a mandar e verão se não se torna igual aos outros. Com o caso da Anita de Salvaterra de Magos, nem foi preciso tanto tempo. É azar que a titular da única Câmara Municipal do Bloco de Esquerda tenha sido acusada pelo Ministério Público de corrupção, com ajustes directos pelo meio, mas é um sinal. [Read more…]

Caneças e o aspecto de Robles

Lili Caneças, indirectamente, indica os Delfins e, directamente, menciona ‘aspeto‘. No Brasil, efectivamente, ninguém percebeu.

Robles, hienas e abutres

Foram de árduo trabalho, estes últimos dias em que as hienas e os abutres saíram à rua para tentar convencer os portugueses que o caso Robles coloca o Bloco de Esquerda no mesmo patamar dos antros de contradições, desonestidade, tráfico de influência e corrupção em que se transformaram, há décadas, os partidos do chamado “arco da governação”, apesar de ainda lá resistirem algumas pessoas de bem.

Foi hercúleo, o esforço empregue pela imprensa arregimentada à direita – que é quase toda, apesar da trampa lusitana que se esforça por aldrabar as ovelhas do contrário – pelos painéis de comentadores televisivos, onde o CDS-PP parece ter a dimensão do PSD e do PS, e pelos opinadores virtuais independentes com cartão de militante, que alternam, quais alternadeiras, entre contas pessoais e perfis falsos de patifaria eleitoral.

Durante os dias quentes da polémica, Ricardo Robles disputou espaço mediático com Cristiano Ronaldo. Sim, chegamos a esse ponto. O sistema não podia perder a oportunidade de tentar destruir o Bloco de Esquerda. Foi o que foi. E só foi porque Robles assim o quis. O agora ex-vereador bloquista, que fez campanha com o foco na oposição à especulação imobiliária, era afinal um especulador imobiliário. Uma vergonha. Uma facada no partido que representa. Um dos piores momentos de sempre do Bloco de Esquerda, talvez o pior. Mas, ainda assim, a anos-luz da canalhice a que nos habituou a fina-flor da elite que vem comandando o bloco central, táxi incluído. [Read more…]

Hipocrisia política e especulação imobiliária – conclusão

Afinal era tudo uma campanha orquestrada e demitiu-se. Em termos políticos Ricardo Robles pertence ao passado, o BE é afinal um partido igual aos outros. Só isto, nada mais está em causa…

Hipocrisia política e especulação imobiliária – II

Há pouco tempo surgiu numa rede social a foto de António Filipe, deputado do PCP, num hospital privado, agora são os negócios imobiliários de Ricardo Robles, o fenómeno não é um exclusivo português, Varoufakis na Grécia ou Pablo Iglésias em Espanha estiveram recentemente debaixo de fogo.
Obviamente que alguém de esquerda pode ter gostos e hábitos de vida caros, da mesma forma que é totalmente legítimo um político de direita utilizar serviços públicos, mesmo que os critique ou coloque em causa a sua natureza. Isso nem se discute, não podem nem devem ser discriminados os cidadãos por qualquer orientação política, a própria Constituição o proíbe inequivocamente.
O problema coloca-se ao nível político, quando surge a hipocrisia. Não é possível aceitar que Pablo Iglésias aponte o dedo a um adversário político por comprar uma habitação por 600 mil Euros e depois adquirir pelo mesmo valor um imóvel para si. No caso de Ricardo Robles não está, pelo menos para já, em causa qualquer ilegalidade, ao que se saiba. Mas não se pode apontar o dedo à especulação imobiliária e ser-se ao mesmo tempo um especulador. Mesmo que agora diga que decidiu colocar o prédio para arrendamento, a verdade é que o mesmo esteve à venda por mais de 5 milhões de Euros, quando o vereador eleito pelo B.E. gastou menos de 700 mil Euros entre compra e restauro. Se isto não é especular, então definam o que é especulação…
Volta e meia o pessoal de esquerda gosta de reclamar alguma superioridade moral, que não tem. Por vezes é tramado, são apanhados em contrapé, enredados na sua hipocrisia. Nada tenho contra o B.E. para lá das posições políticas, mas têm apontado o dedo ao turismo, à Lei Cristas que possibilitou a reabilitação destes prédios, que antes caiam aos poucos, em ruínas, porque ninguém os queria. Criticam os senhorios por fazerem contratos a termo, exactamente o que fez o vereador Robles com um contrato a termo de 8 anos, ou realizarem mais-valias como tentou, a diferença neste caso é que não apareceu comprador, mas a promoção do imóvel, inequivocamente afirmava que o “prédio era ideal para arrendamentos de curta duração”. Olha o que digo, não olhes o que faço, o velho ditado popular serve como uma luva neste caso.

Hipocrisia política e especulação imobiliária

Nos tempos que correm as indignações são cada vez mais selectivas. Gostaria de ler agora, muitos dos que criticaram e bem, casos envolvendo destacados militantes de outros partidos, quando a situação lhes bate à porta. A história é simples, Ricardo Robles, vereador eleito nas listas do B.E. nas últimas autárquicas, adquiriu um prédio degradado em Alfama à Segurança Social, por 347 mil Euros, financiado com crédito no Montepio Geral e Caixa Geral de Depósitos, e valorizado após restauro em 5,7 milhões de Euros, avaliação efectuada por uma imobiliária especializada na venda de imóveis de luxo, a quem o vereador terá solicitado os serviços, quando decidiu colocar o imóvel à venda.
Dou de barato que toda a operação possa ter sido legal, se não o for, certamente que o país tem autoridades e serviços competentes para averiguar, a mim interessa-me mais a questão política, porque Ricardo Robles se tem afirmado contra a especulação imobiliária nos centros históricos, mas ele próprio possui um investimento, repito que acredito que possa ser legítimo, que consegue multiplicar por 10 o valor investido. Não é para todos, aqui tenho que reconhecer que o político conseguiu realizar um excelente negócio, mas se isto não é especulação, então o que é especulação? Faz o que te digo, mas não faças o que faço. Curioso que muitos dos que ontem andavam incomodados com a hipocrisia de outros que foram passear de comboio, estejam agora calados…