11 anos disto

Muitos parabéns ao terrorista. Paragem obrigatória.

O Aventar faz 8 anos


Ao mexer em papéis velhos, encontrei esta relíquia que nem sabia que ainda tinha.
Na tal noite de boémia de Cinfães, a certa altura peguei num papel e escrevi isto. A história do Aventar começava aí…
Parabéns a nós.

Para esquecer de vez o do bolo rei…

20170307_191517

… porque este é definitivamente mais bolos (e parabéns, RTP. Apesar de tudo).

Carlos Paredes

Carlos Paredes (Coimbra, 16 de Fevereiro de 1925 – Lisboa, 23 de Julho de 2004)

carlos_paredes_1

245º aniversário de Ludwig van Beethoven

Beethoven doodle

Celebração do 245º aniversário de Ludwig van Beethoven (clicar na imagem)

Não é claro quando é que Beethoven realmente nasceu, mas 17 de Dezembro marca o 245º aniversário do seu baptismo. Hoje deu-nos uma rara oportunidade para construir um jogo em sintonia com bela música, cujos humores evocativos, drama, leveza e profundidade tornaram a correspondente produção gráfica intensamente divertida. [Google] *

Costumo ignorar a bonecada da Google, mas, desta vez, os meus tempos de músico falaram mais alto. Está engraçado e lá me levou em busca de umas quantas peças que não ouvia há tempos. Aqui fica uma sugestão.

* tradução minha

No aniversário do Facebook

O filme da vida de 99% dos portugueses, realizado por João Pico.

Há uma palavra para isto: crime

Dois anos de desgoverno em números.

Aventar nas Casas do Bragal

Almoço

O Aventar completou, ontem, quatro anos e resolveu comemorá-los à mesa, que é um dos hábitos mais saudáveis que pode haver, mesmo com o aumento do IVA e do colesterol. [Read more…]

Manoel de Oliveira, parabéns!

manoel_de_oliveira[1]

Hoje comemora os seus 104 anos cheios de vida. O mais antigo realizador de cinema em actividade e de olhos postos em novos filmes! Parabéns.

É preciso muito fôlego para soprar tantas velas. – Isso não lhe falta!

Parabéns pelo seu amor à vida. P’ro ano quero desejar-lhe mais um «feliz aniversário»!

O mundo em que Vasco Pulido Valente entrou

Vasco Pulido Valente, todos o conhecem, não fala de si próprio. Mas agora que completou 71 anos (quarta-feira) deu-lhe para, com alguma “perversidade”, pensar no mundo em que entrou.

Gosto desta expressão “o mundo em que entrei“. Ora Pulido Valente nasceu a 21 de Novembro de 1941, quando “Hitler ocupava a Áustria, a Eslováquia, a República Checa, a Polónia, a Dinamarca, a Noruega (…)” e Portugal «neutro», numa neutralidade “arriscada e mais do que duvidosa”.

Gosto desta frase também: “O mundo não servia para se começar a vida“.

Ainda as suas palavras, para terminar a crónica dos «71 anos»: “É triste, ao fim de tanto tempo, chegar ao desespero a que nós chegámos. Mas, depois de 71 anos, talvez seja melhor do que nascer com a sombra de Hitler a 60 quilómetros de Moscovo. Portugal precisa de sair do seu isolamento e da sua complacência. E, agora, por uma vez, não tem outro remédio.” [Read more…]

Letizia Ortiz e eu

Ambas fazemos 40 anos este fim-de-semana (Letizia é mais velha que eu umas horitas).

Ambas queremos festejar o nosso aniversário longe dos holofotes e nem temos prevista nenhuma celebração pública nem actos oficiais.

Ambas somos mães, discretas e magras. Reconheço maior beleza em Letizia. Mas sem inveja.

Ambas pretendemos que a data fique marcada no seio dos que nos são mais próximos.

Ambas sabemos guardar segredo relativamente às nossas viagens.

Ambas celebraremos os 40 em casa (ela espera uma surpresa do seu príncipe, eu não espero).

Ambas teremos, com certeza, pensamentos semelhantes chegadas aos 40. Posso adivinhar os dela. Ai os «enta»…

Muita coisa eu tenho em comum, afinal, com uma princesa!

O JJC faz anos

[Read more…]

Parabéns, Lionel Messi

Hoje faz anos (25) o outro grande jogador do mundo.

Dois jogadores desta craveira ao mesmo tempo num só planeta é coisa rara. Em vez de discussões da treta sobre o melhor  (uns dias é um, outros é o outro), o melhor mesmo é desfrutar o seu futebol.

Hoje Messi faz anos e está de parabéns.

Eu, se me chamasse Cristiano Ronaldo, mandava-lhe uma mensagem de felicitações, desejava-lhe muita saúde, força e combinava um jantarzinho secreto durante as férias num lugar à escolha do aniversariante, onde nos riríamos das paixões assolapadas de alguns e do desprezo de outros.

Depois disso voltávamos ambos à rivalidade para público ver.

É que qualquer deles precisa do outro para ser ainda melhor do que já é.

Estarias nas Astúrias, Che Guevara, não fosse uma espingarda americana

Não fosse o imperialismo americano o que é, e a defunta URRS tão ciosa de não ter concorrência ordenado ao subserviente Fidel um fim rápido mas tropical, talvez ainda estivesses entre nós. Mesmo que numa cadeira de rodas, sempre com vontade de estar entre os mineiros asturianos.

Com Paco Ibañez e Nicolas Guillen, e um obrigado ao Carlos Guimarães Pinto por me ter recordado que hoje Ernesto Che Guevara faria 84 anos.

Cinfães e o Café Poeta, ou como o Aventar nasceu numa noite de boémia

Disse um dia o Rui Reininho que andava sempre a contar a mesma história, só que com palavras diferentes.
É exactamente a sensação que tenho quando relembro, em dia de aniversário, o momento da fundação do Aventar. Eram umas 3 horas da madrugada de 16 de Março de 2009. Ou 4 horas. Ou 5. Não sei, a essa hora já estava tudo muito enevoado lá para os lados do Café Poeta, o único ponto de encontro dos noctívagos da vila de Cinfães.
Dou aulas há 18 anos, mas aquele, por todas as razões, foi o melhor. Quando se está longe de casa, sozinho na imensidão do Douro Sul, os dias parece que não acabam. Há tempo para tudo e até para preparar as aulas do dia seguinte. E à noite, bem, à noite começa a festa.
Naquela noite, a festa já tinha acabado. Porque a madrugada já ia alta, os mais fraquecos desistiram. Com o Vítor, o dono do Poeta, eu era o único que resistia. Eu e um trapalhouço de que não reza a história. Naquela noite, especialmente naquela noite, o João Pestana teimava em não chegar. [Read more…]

Palavras leva-as o Aventar

Pertencendo eu à geração do papel, a verdade é que devo à Internet, em geral, e ao Aventar, em particular, a possibilidade de escrever em público, um dos meus sonhos de adolescente. O outro sonho, o de jogar no Benfica, tem sido constantemente adiado, para grande alívio das defesas adversárias, evidentemente.

A importância da blogosfera e das redes sociais é tão inquestionável que se tornou inclassificável. O Aventar, em três anos, ocupa, agora, um espaço importante e quase único, graças ao convívio improvável de tantos contrários, uma ideia generosa do Ricardo Santos Pinto.

Neste dia de aniversário de um blogue, faria sentido contar uma história ou fazer um bocado de história. Como não faço parte do núcleo fundador e como, de qualquer modo, estou a atravessar uma fase egocentrista – que durará o tempo que demorarei a escrever este texto –, limitar-me-ei a confessar que o Aventar me fez ver que sou muito mais intolerante, muito mais preguiçoso, muito mais ignorante e muito mais irresponsável do que pensava e que, portanto, deveria fazer um esforço por combater quatro desses meus muitos defeitos. Não é que esteja muito melhor, mas sinto-me muito menos pior. Obrigado, Aventar.

Carta de amor

Faz hoje exactamente 3 anos, meu amor. Sim, meu amor. Reunimo-nos lá em casa para festejar o teu aniversário e eu, virado para o Zé Freitas, saí-me com uma brincadeira: «Estamos aqui reunidos para festejar o lançamento do Aventar».
O Aventar ia começar exactamente à meia-noite, dia 30 de Março. Não gostaste. Achaste que estava a dar mais importância ao blogue do que a ti. E não foi. Só estava a brincar, não devias levar a mal.
15 dias antes, no Poeta, em Cinfães, tinha decidido lançar um blogue colectivo pluralista. Estava longe de ti, como estive sempre durante esse ano. Tinha de ter um entretenimento e escolhi a blogosfera. Falei com o Luis Moreira e decidimos avançar.
Sei que não vais ler isto, por isso estou à vontade. Recusas-te a ler o Aventar, detestas o Aventar. Sentes que ao longo de 3 anos te substituí constantemente por ele. Quando passava horas e horas a escrever posts e a agendar o dia seguinte. Quando passava horas no chat com o JJC a definir estratégias e a exultar pelos números das audiências. Quando ia (vou) para os intermináveis convívios de Coimbra.
O que aconteceu ontem foi grave, amor da minha vida, tão grave que desejei pela primeira vez nunca ter fundado o Aventar. Desejei pela primeira vez que o Aventar nunca tivesse existido. [Read more…]

Dois Anos e Um Milhão

Faz hoje dois anos que o Aventar nasceu e daqui a perto de um mês, os mesmos dois que por aqui ando, cheio de orgulho de pertencer a esta casa, onde espero permanecer muitos mais.

Parabéns Aventar, pelo teu aniversário.

Parabéns Aventar porque a par dos teus dois aninhos, também conseguiste atingir o milhão de visitantes, que era coisa impensável quando nasceste.

Parabéns Aventadores, pela qualidade que fez trazer tanta gente para nos ler.

Dois anos a ventar

Não sou homem de olhar para o umbigo mas, vá lá, o Aventar faz dois anos. E chegou ao milhão de visitantes. Não é todos os dias que um blogue colectivo feito por um grupo de anónimos sem fama e sem proveito faz dois anos e atinge um milhão de visitantes. E não, não houve cá tangas de adulterar os números. Foi trabalho honesto, embora não remunerado e sem qualquer regalia social.

É evidente que não me lembro como se fosse ontem da forma como o convite me chegou. Sei que chegou por email. O Ricardo Santo Pinto sabia que eu tinha um blogue pessoal, disseram-lhe que sabia uns toques em WordPress e se não estava interessado em participar e fazer um blogue colectivo com mais umas pessoas que não conhecia de parte alguma e que, em pouco tempo, chegaria às 2000 visitas por dia. Está a delirar, pensei. Se for ao fim do segundo ano já é uma sorte, pensei. Aceitei.

Fez-se o registo do domínio, a primeira instalação, os primeiros problemas, houve momentos bons outros menos, algumas preocupações e, dois anos depois, aqui está o Aventar, por norma bem acima das 2000 visitas por dia.

Hoje, aqueles que fizeram e fazem o Aventar estão de parabéns.

999,999 e um chinês

Hoje o Aventar faz anos e, cereja (sem caroço) no topo do bolo, fez o primeiro milhão de visitas. Mérito dos leitores, claro, que cá passam.

Mas de parabéns estão também os autores do Aventar que, seguindo as melhores estratégias desportivas, conseguiram cá fazer chegar o leitor chinês. Esse mesmo que nos fez saltar do número redondo composto pelos seis noves para o clube do número um seguido de um número de zeros bem superior a número de dígitos da minha conta bancária (mas com vasto espaço de crescimento de visitas até que se chegue à ordem de grandeza de outras contas bancárias de varas e de ruipedros).

Mas essa visita do leitor chinês é muito mais do que o incremento unitário no sitemeter. É uma potenciação de visitas trazidas em charters de referenciações, lotes de quinhentos visitantes de cada vez, a deixarem notas em forma de comentários nos posts e a usarem serviços como o Twitter e o Facebook, que acabam por dar ao Aventar comissões de visitas. É todo um mundo que se abre. Hajam dígitos.

Os melhores golos e jogadas de Diego Armando Maradona

Aos cinquenta anos a obra do jogador está mais do que feita e arquivada. Só que a de Diego Armando Maradona nunca repousa muito tempo nos arquivos, está sempre a ser solicitada.

Diego celebra hoje cinquenta anos. É uma oportunidade para celebrarmos Diego.

[Read more…]

aniversário de um filho

loiro+natural.jpg

aniversátio do Luís

Nasceu, sem os seus pais darem por isso, a 13 de Junho de 1977. Sem darem por isso, porque no rastro da sexualidade caminha o amor. Amor havia, e muito. O bebé nasceu numa segunda-feira, em tempos em que não se sabia se as crianças seriam rapazes ou raparigas. Rapariga já havia em casa, faltava o rapaz. Todo o progenitor adora ter um casalinho. E foi este o caso. Os irmãos adoravam-se. A irmã era como uma mãe para o irmão, como acontecia comigo e a minha irmã, com uma pequena diferença: eu dava-lhe banho por ser o mais velho vários anos. Até ao dia de hoje, essa minha irmã, toma conta de mim, como a irmã do rapaz. Era Luís Miguel, era Patrícia, sem segundo nome. Os dois gostavam um do outro, assim como os pais adoravam os dois. Eram os Pimentel Correia, desde muito novos inteligentes, sábios, companheiros. Não apenas brincavam juntos, também a irmã lhe ensinava as letras. Como a sua mãe Odete e o pai José Miguel. O tempo não passou em vão. Não eram apenas brincadeiras ou estudos antecipados em casa, eram também uma rainha com o seu rei a viverem juntos em casa dos pais, até cada um encontrar o seu par: a Patrícia, o seu Paulo, o Luís o amor da sua vida. Amor difícil para ele, que tanto adorava a sua irmã. Não havia rapariga que não tivesse ciúmes, não havia rapaz que estivesse contente: eram um casal…Apenas o Paulo foi capaz de seduzir essa rainha e raptá-la, a seguir aos seus estudos, completando todos as sua licenciaturas em Engenharia, como o pai.

O Luís era amigo dos seus amigos e, com a Patrícia já fora de casa, dedicava os seus verões a viajar, ou  a ir à praia ao pé da casa que os pais tinham comprado para eles em São João da Caparica, com os seus amigos ou com os primos que iam nascendo. A especialidade do Luís, de volta das suas viagens de férias, pelo Oriente, na casa da sua irmã, era ser o cavalo das suas primas mais novas. Tão novas, que não podia menos que ser o cavalo que todas elas montavam e ele, forte, musculado e loiro, as levava às cavalitas, especialmente a sua prima Marta, quase da sua idade. Uma irmã para ele, como a mãe de Marta, a sua tia Graça, a sua amiga, a sua confidente, a que sabia dos seus amores, a mulher livre que entendia os amores do Luís, como Patrícia e Paulo o seu marido e davam ideias, como Odete, a sua mãe.

[Read more…]

el combate naval de Iquique

Monumento a los héroes navales de la Guerra Del Pacífico,1879-1886, Perú y Bol+ivia contra Chile

Me es casi imposible, como se dice en el Castellano de Chile, no escribir algunas palabras de honra a los que supieron defender la honra de la República de Chile que durante los finales del Siglo XIX, vivía en paz y harmonía. Excepto, como tengo relatado en otros textos, los desacuerdos entre partidos políticos, desde el día de la Independencia de Chile, que se conmemora el 18 de Septiembre, desde el año 1810. Ese fue el día en que la independencia de la corona de España comenzó, cuan el Rey Borbón Fernando VII fue substituido por el hermano de Napoleón Bonaparte, José, que no sabía gobernar. Como sabemos ya por otros ensayos míos, el representante de la Corona convocó a una reunión de notables, dijo: en España no hay Rey, no tengo a quién representar: os entrego el bastón y el mando. Los notables eligieron al ya muy anciano Conde de la Conquista, Mateo de Toro y Zambrano, como Gobernador de un Chile libre. Las escaramuzas por el poder comenzaron, la familia Carrera organizó el primer golpe de estado, derrocaron al Conde, que se fue a su casa a morir. [Read more…]

karl heinrich presborck marx e joseph ratzinger

Karl Heinrich Presborck, estudante em Iena

no aniversário do nascimento de Karl Marx…e da visita a Portugal de Ratzinger…

O Cardeal Joseph Ratzinger, Papa Bento XVI, nasceu em Marktl am Inn, diocese de Passau (Alemanha), no dia 16 de Abril de 1927 (Sábado Santo), e foi baptizado no mesmo dia. O seu pai, comissário da polícia, provinha duma antiga família de agricultores da Baixa Baviera, de modestas condições económicas. A sua mãe era filha de artesãos de Rimsting, no lago de Chiem, e antes de casar trabalhara como cozinheira em vários hotéis.

Passou a sua infância e adolescência em Traunstein, uma pequena localidade perto da fronteira com a Áustria, a trinta quilómetros de Salisburgo. Foi neste ambiente, por ele próprio definido «mozarteano», que recebeu a sua formação cristã, humana e cultural.

O período da sua juventude não foi fácil. A fé e a educação da sua família prepararam-no para enfrentar a dura experiência daqueles tempos, em que o regime nazista mantinha um clima de grande hostilidade contra a Igreja Católica. O jovem Joseph viu os nazis açoitarem o pároco antes da celebração da Santa Missa.

[Read more…]

22h59

.

A decisão estava tomada. Iria aceitar o convite do Ricardo para colaborar no Aventar.

Novo nestas andanças da blogosfera, com uma vontade imensa de escrever e de mostrar que até o fazia razoavelmente, abracei o projecto. Iria escrever sobre a actualidade, iria escrever alguns contos, e colocar algumas das minhas fotografias.

O meu primeiro artigo apareceu neste dia, 12 de Abril, a esta mesma hora, 22h59, um ano atrás. Foi o princípio de uma nova vida.

Em pouco tempo, verifiquei que o grupo que se estava a formar, se bem que composto por pessoas oriundas dos mais diferentes quadrantes, se mostrava coeso e amigo.

Os leitores do Aventar iam aumentando gradualmente, e o blogue começava a ser um fenómeno a nível nacional.

Dezembro foi, para mim, o expoente máximo deste trajecto, ao fazermos um almoço do grupo, onde realmente se verificou que para além de tudo éramos um grupo de amigos, que antes de o serem já o eram.

Ainda estamos a crescer, e as dificuldades do crescimento vão-se manifestando, ora com «crashs» súbitos e públicos, ora com outros «crashs». Mas, as dificuldades podem ser o incentivo para sermos cada vez melhores e mais exigentes. Há que melhorar o que já é bom. Há que retirar os escolhos do caminho que se quer plano e suave. Há que melhorar a qualidade. Há, por fim, que mostrar continuadamente, o grupo coeso e amigo que queremos continuar a ser.

Mais uma vez, obrigado Ricardo, pela prenda que me deste ao convidar-me para fazer parte do Aventar.

O dia que nasceu mais cedo

O meu filho Hugo Luis faz hoje 35 anos. Naquela madrugada, no Hospital da Cruz Vermelha só nasceram raparigas. Até que às 4 horas e 32 minutos nasceu o rapagão, sei porque vi no relógio da sala de partos de onde fui convidado a sair para que a médica não tivesse que tratar de mim.

Tudo valeu a pena e agora que ele está, por sua vez, à espera de ser pai, a vida faz muito sentido! Que faças muitos e sejas feliz, filhão!

Eu e o Aventar

Só hoje escrevo acerca do aniversário do Aventar por duas razões: primeiro, porque estive ausente durante uns dias e só hoje regressei a esta casa; depois, porque é tradição nesta casa dar-se os parabéns ou antes ou depois da data devida (isto é uma piada interna, ou como dizem alguns em bom português, uma “private joke”).

Entrei nesta casa a convite do Fernando Moreira de Sá, em Dezembro de 2009, e e fui recebido como amigo de longa data pelos demais. Não conheço todos os Aventadores pessoalmente – e  tenho pena – mas estou certo que um dia – ao ritmo a que este blogue tem crescido – seremos capazes de fazer uma espécie de assembleia geral e reunir toda a gente. Seria excelente.

Tenho orgulho em pertencer a esta equipa, e habitar – partilhando – esta casa. O Aventar é um projecto fantasticamente absorvente, – viciante, até – e que tem atraído cada vez mais gente à sua leitura. E, como dizia Ary dos Santos: “Cada vez seremos mais!” (poema “Tomar Partido”).

Parabéns a todos: aos Aventadores e aos leitores.

Parabéns aventadores

Tambem pelo ano de vida, mas principalmente, porque o Aventar esteve para se chamar “antes assim…”.

Já viram do que se safaram?

Um abraço sem excepção e um beijinho para as aventadoras.

E para o “poderoso” Ricardo os meus agradecimentos, afinal eu andava tão sossegadinho…

Um Ano Maravilhoso

12 ABRIL, 22H59

Dia e hora do meu primeiro post, aqui no Aventar.

Nesse dia e nessa hora, mas deste ano, escreverei sobre o assunto.

Hoje, fico-me pelos parabéns a todos nós e pelos agradecimentos ao Ricardo pelo convite que me fez para integrar esta que se tornou numa maravilhosa equipa.

É uma honra fazer parte de tão brilhante equipa.

O Hommer celebra por mim

Não sou muito dado a sentimentalismos. Raramente verto lágrimas, seja de alegria ou felicidade ou tristeza, não sou grande apreciador de festejar aniversários, muito menos o meu. Enfim, um chato monocórdico, com uma leve tendência para o irónico e uma queda para algum sarcasmo.

Quando o Ricardo enviou o desafio, mais ou menos este: “Vamos lá escrever um post no dia do aniversário a falar do relacionamento de cada um com o Aventar”, não pude deixar de torcer o nariz. Eu? Um indivíduo tão reservado e discreto a falar de relacionamentos? E logo com o Aventar? Nem pensar, o gajo é doido.

Portanto, nada melhor que utilizar um convidado para celebrar o aniversário deste blogue, que já me retirou uma longas horas de merecidíssimo descanso.

Para o ano cá estaremos para soprar a segunda vela.

%d bloggers like this: