Os milhões de Mexia e “as melhores práticas do mercado”

António Mexia, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações do XVI Governo Constitucional, chefiado por Pedro Santana Lopes (é sempre importante recordar estas coisas, que parece que só são tema quando os visados são antigos governantes do PS), posteriormente presidente do conselho de administração da EDP, cadeira à qual chegou exactamente um ano após abandonar funções governativas, que ocupou até Julho de 2020 e da qual foi obrigado a abdicar após ter sido acusado de subornar Manuel Pinho, Ministro da Economia de Sócrates, o seu Assessor, João Conceição, o ex-Secretário de Estado Artur Trindade e o antigo Diretor-Geral de Geologia e Energia, Miguel Barreto, está novamente nas bocas do mundo.

Felizmente – para ele, não para nós – não foi embora de mãos a abanar. E, seguramente, não lhe faltarão recursos para tentar o habitual brilharete das elites quando enfrentam a frágil justiça portuguesa: protelar, protelar e protelar, até à prescrição final. É que, graças ao acordo de cessação de funções e de não-concorrência, assinado com a empresa que geriu durante 14 anos – how convenient is that? – Mexia irá receber qualquer coisa como 800 mil euros por ano (mais uma série de extras, como um generoso seguro de saúde e um PPR gordinho), até 2023. Os valores envolvidos, sublinha a EDP, estão alinhados com “as melhores praticas do mercado”. E o que seria de nós, plebeus economicamente iletrados, sem o mercado e as suas melhores práticas?

Comments

  1. Filipe Bastos says:

    Mamões como Mexia ou Salgado não são PS, PSD nem CDS; são de todos. Vão duma ponta à outra do Centrão Podre – distância tão vasta, que leva uns bons 30 segundos a uma lesma.

    A única maneira de lidar com eles e com as suas regalias obscenas, neste país, com estes políticos e esta ‘Justiça’, não se pode dizer em público. Todos sabemos qual é, embora evitemos dizê-la.

    Para sorte deles – e, de certa forma, da nossa ‘ialma’ colectiva – os célebres brandos costumes tugas protegem-nos. Eles sabem disso. Sabem-se impunes. Até um dia.

    • Paulo Marques says:

      Ainda no outro dia reconhecia que é importação das melhores práticas; hoje, voltamos ao provincianismo e achar que só os tugas.

  2. Júlio Rolo Santos says:

    Mexia deu milhões a ganhar á EDP fruto dos arranjinhos que conseguiu com os seus lacaios no governo e é, pois natural, que agora vá buscar as suas contrapartidas E cá estamos nós, mais uma vez, para pagarmos na fatura da luz, as alcavalas do seu sucesso, como gestor.

  3. António Candeias says:

    É o que não nos falta são Sócrates, Salgados Mexias e outros Mexias, se a justiça não andasse de braço dado com os políticos e os de colarinho branco, estas coisas não aconteciam tão frequentemente, mas quem faz as leis são os próprios para se beneficiarem a elas e aos amigos.