A democratização do dia da Liberdade

Há uns meses, os liberais foram criticados por defender, em alguns pontos, intervenção estatal. A esquerda, incluindo o primeiro-ministro, começou a criticar como se fosse alguma novidade. Sempre foi assim e continuará a ser: os liberais são atacados por aquilo que não são. Agora, a história mantém-se na mesma linha, mas os liberais já não são acusados de serem socialistas e estatistas. Agora são salazaristas.

Depois dos últimos anos, era mais do que esperado que para as Autárquicas este fenómeno aumentasse. A Iniciativa Liberal está a fazer tão bem o seu trabalho, que os adversários teriam de arranjar qualquer coisa para criticar o partido. Já fizeram o seu filme por causa de ajustes diretos que envolvem Bruno Horta Soares, como se os liberais fossem contra colaborações com o Estado e, obviamente, iriam continuar. Honestamente, pensava que mais tarde ou mais cedo ia aparecer a notícia tipo “Candidato Liberal à Junta de Onde o Diabo Perdeu As Botas não recicla”. Mas não, foi uma notícia que, numa perspetiva, coloca em causa os valores liberais. Supostamente, foram apresentados dois candidatos a Viseu que têm opiniões pouco liberais. Um optou por declarações fortemente desrespeitosas, a outra optou por algo ainda pior: deu a entender que admira Salazar. Ora, momentos infelizes qualquer um tem. Qualquer um já se excedeu atrás de um ecrã? Podemos dizer que sim. No entanto, fazer apologia a um regime que enclausurou o povo português? Não. Isso não.

Mas, então, a Iniciativa Liberal propôs um homofóbico e uma salazarista para Viseu? Não, não propôs. O núcleo de Viseu, que tanto pode ter 7, 27 ou 61 pessoas, escolheu aqueles representantes. Apesar de aparecer nas redes que eram candidatos, não é possível ser candidato sem primeiro ser aprovado pelos órgãos do Partido. Houve muita contestação por parte dos liberais. O candidato presidencial da IL, Tiago Mayan, também se colocou imediatamente contra. Então, vamos ter de esperar para que a candidatura seja aprovada ou rejeitada? Não, porque o próprio núcleo de Viseu teve a dignidade de recuar quando percebeu o disparate que tinha cometido. Toda esta situação revela a saúde democrática da IL, revela que sabe que há valores maiores a serem defendidos. Não queria estar a dar ideias, mas não falta muito para que a crítica seja “fizeram aquele teatro todo em Viseu só para dizer que rejeitam salazaristas”. Anota, Maria.

Mas calma, muita calma. Esta foi a semana em que aprendemos que os liberais não são dignos de festejar o 25 de Abril. Todo o tipo de disparates foi escrito por aí, mas o que me surpreendeu mais foi ler o desabafo de tantos esquerdistas: “Não, não é de todos”. Em momentos de tensão, a esquerda portuguesa, principalmente a autoproclamada mãe da liberdade, revela-se. Aqueles que dizem defender a liberdade de todos, mas que as suas ideias se baseiam em colocar um pequeno número de pessoas a decidir o que é melhor para os outros. Eles são os mesmos que entre uma sociedade de escravos iguais ou uma sociedade de gente de diferentes classes mas livre, não demorariam a optar pela primeira hipótese. Desta vez, quiseram monopolizar o 25 de Abril. Depois da narrativa que os liberais não gostam do 25 de Abril, acusam os liberais de quererem celebrar a data. Este episódio foi importante para nos mostrar que aqueles que se dizem tão defensores da liberdade só a querem em certas condições. É como aquele miúdo que deixa todos brincarem com a sua bola desde que a sua equipa ganhe. O mais engraçado e irónico disto? A Associação 25 de Abril “abriu as portas” a qualquer pessoa que queira ir ao desfile. No fim desta história toda, os perigosos neoliberais salazaristas socialistas estatistas da Iniciativa Liberal democratizaram o 25 de Abril. É sinal que ainda há muito caminho a percorrer, sem ceder a ressentimentos e a ódios.

Comments

  1. Paulo Marques says:

    Ui, daqui a pouco ainda se orgulham por abrir as portas a todos no 1º de Maio, com a mesma cara de pau.

  2. John Locke says:

    O que é para ti uma opinião pouco liberal? É uma opinião diferente da dos líderes, como em todos os Partidos? É que o Liberalismo também se estende ao plano ideológico e ao direito de liberdade de expressão , portanto, qualquer bom liberal convive com a opinião alheia. Vê lá se deixas de usar este blog para fazer a propaganda que te mandam fazer e começas a debitar opiniões pessoais. Estás a provar-te como um alienado de terceira.