11 de Setembro: recordar Allende

Salvador Allende, antigo presidente chileno, eleito pela via democrática, deposto por um golpe da extrema-direita.

Há quarenta e oito anos.

Neste dia, em 1973, o presidente chileno democraticamente eleito, Salvador Allende, foi assassinado por membros ligados aos Estados Unidos da América, com o suporte da CIA e das tropas liberal-fascistas comandadas por Augusto Pinochet.

Assassinado aos sessenta e cinco anos, Allende, médico de formação e social-democrata, acreditava no socialismo democrático como base da democracia chilena. Fica para a História por ter sido o primeiro socialista convicto eleito pela via democrática. A nacionalização dos sectores estratégicos, a reforma agrária e a subida dos salários foram, desde logo, as maiores bandeiras de Salvador Allende.

Depois do Golpe de Estado levado a cabo por Pinochet e pelos EUA, mais de trinta mil pessoas foram assassinadas, no Chile. Comunistas, socialistas, social-democratas; homossexuais, jornalistas e/ou mulheres, ninguém escapou ao regime liberal-fascista do ditador chileno, apoiado, mais tarde, por Ronald Reagan e Margaret Thatcher.

Operação Condor: a caricatura.

Mas, para melhor enquadrar o raide imperialista dos EUA, é preciso falar da Operação Condor. E o que foi a Operação Condor?

A OC foi uma campanha promovida pelos norte-americanos, em conjunto com diversos movimentos da extrema-direita sul-americana, na tentativa de depor alguns governos de índole marxista, nalguns casos, e, noutros, asfixiar, por via do terrorismo, de assassinatos e prisões, a esquerda latino-americana. Agindo em países como o supracitado Chile, mas também na Argentina, Brasil ou Uruguai, a Operação Condor deixou à sua sorte os povos latino-americanos, aplicando sobre estes a morte e o terror, com diversos governos militares, afectos ao fascismo, a levarem a bom porto as suas intenções e a instituírem, nos seus países, governos neo-liberais, na economia, com forte pendor para a extrema-direita, no que às questões sociais diz respeito.

Amizades históricas: Thatcher e Pinochet.

Oh! They’re dancing: Thatcher e Reagan, num insólito momento de comunhão, enquanto o mundo ardia à sua volta.

Salvador Allende foi, apenas, mais uma pedrada no charco. Tudo o que se seguiu (e que já vinha de trás) foi previsível e aterrador. Mas hoje, dia 11 de Setembro, é dia de recordar quem, pela via democrática, alcançou uma vitória e quem, por contrário, decidiu, pela via da repressão e da ditadura, pôr amarras a todo um continente. Os principais culpados? Quem financia Talibãs. Quem? Os Estados Unidos da América.

Viva Allende!

Viva Allende! Viva o socialismo! Viva a social-democracia!

Comments

  1. Mariana J. S. Teles Alface says:

    Viva o Socialismo Democrático..Allende estarás sempre no meu pensamento

  2. JgMenos says:

    Esqueceste-te dos trans e das outras variantes…indesculpável!

    E essa treta de meter socialismo e social-democracia no mesmo saco é coisa de vigarista. Socialismo só há um!

    • João L Maio says:

      Não, não esqueci. Mas se esquecesse, o Menos lembrava-me. Por isso, obrigado por se lembrar.

      Ajuda-nos tanto, o Menos…

    • João L Maio says:

      Ps. Ninguém os meteu no mesmo saco, mas é indiscutível que a social-democracia é prima do socialismo.

      • JgMenos says:

        ‘Quanto mais prima mais se lhe arrima’!

        Vigaristas!

        • Tuga says:

          JGMenos

          Não, desta vez não foi a ala fascista da direita que cometeu os crimes, foram os chamados neo-liberais, por quem também o teu padrinho de Santa Comba, não tinha grande apreço.

          Se reparar eles aí estão a tentar desviar a conversa com as prosas chatas e compridas do liberocas Copy & past que chama cassetes aos outros, que se devia chamar Elvimente e não Elvimonte

    • POIS! says:

      Pois o quê?

      O Maio esqueceu-se de V. Exa?

      Um transalazarista biventuresco assumido, completamente saído do armário?

      Como foi possível???

  3. José Monteiro says:

    Tiberius Sempronius Gracchus (Latin: TI·SEMPRONIVS·TI·F·P·N·GRACCVS) (b. abt 163 BC –
    162 BC d.133 BC)[1]was a Roman politician of the 2nd century BC and brother of Gaius
    Gracchus. As a plebeian tribune, his reforms of agrarian legislation caused political turmoil in
    the Republic. These reforms threatened the holdings of rich landowners in Italy. He was
    “murdered”, along with many of his supporters, by members of the Roman Senate and supporters
    of the conservative Optimate faction.

  4. Elvimonte says:

    E daqui a pouco mais de um mês comemora-se mais um aniversário da revolução vermelha de outubro.

    «How Lenin’s Red Terror set a macabre course for the Soviet Union

    In 1918, the Bolshevik regime launched a state-sanctioned campaign of mass killings and detentions to silence political enemies—laying the foundation for decades of violence in the U.S.S.R.
    (…)
    Tens of thousands, and possibly more than a million, people were branded “class enemies” and detained in concentration camps or summarily executed. The terror cleared the way for decades of Soviet rule and state-sanctioned violence.
    (…)
    The Bolsheviks saw Russia as the ideal place to set a communist revolution into motion—not by the working class rising up to abolish capitalism, as German philosopher Karl Marx had predicted, but through a small, authoritarian group (…).
    (…)
    Known as the Red Terror, the campaign served two purposes: doing away with the Bolsheviks’ enemies, and painting the Bolsheviks as defenders of the working class. The Red Terror became official state policy on September 5, 1918.
    (…)
    “We are not waging war against individual persons,” said Cheka leader Martyn Latsis. “We are exterminating the bourgeoisie as a class.” He encouraged his fellow Cheka members to lash out at people suspected of being sympathetic to the bourgeoisie instead of looking for evidence they had actually acted against the Soviets. Within months, the Cheka executed at least 10,000 people. Thousands more were placed in camps that were liquidated in frequent massacres.

    The death toll of the Red Terror may have been much larger—by some accounts, up to 1.3 million may have been its victims. However, due to secrecy, censorship, and the summary nature of many of the executions, the true extent of the Red Terror will likely never be known.»

    Ai que saudades o João L. “social-facista” Maio deve ter daquele bar chamado Arquipélago de Gulag, dos restaurantes da avenida Holodomor e das estâncias de esqui da Sibéria. Tempos gloriosos de verdadeira democracia e humanismo, não é, camarada “cassete”?

    E lá dizia o camarada Lenine na célebre entrevista concedida a Bertrand Russell: “Primeiro colocámos os camponeses contra os senhores das terras. Depois deixámo-los morrer à fome”.

    • Paulo Marques says:

      Só? A minha contagem já vai nos 100 mil milhões, tem que actualizar a contagem.

      Soyuz nerushimyy respublik svobodnykh
      Splotila naveki velikaya Rus’.
      Da zdravstvuyet sozdannyy voley narodov
      Yedinyy, moguchiy Sovetskiy Soyuz!

    • POIS! says:

      Pois cá está outra, Monsieur Elvimont D’Ordure, BDLP (Baron de Les Poubelles).

      V. Exa. continua a copiar mal e a pastar ainda pior.

      É sobre o último parágrafo. A citação anda por aí a circular há muito, mas é FALSA. E já não é a primeira vez que V. Exa. aqui a pasta (oxalá seja tenrinha….)

      O Lenine podia ser muita coisa, mas não seria burro. Nunca diria uma alarvidade dessas a um intelectual que ele queria impressionar positivamente (embora não tivesse conseguido), mesmo que tal fosse verdade.

      Leia o que escreveu Russel:

      “He described the division between rich and poor peasants, and the Government propaganda among the latter against the former, leading to acts of violence which he seemed to find amusing. He spoke as though the dictatorship over the peasant would have to continue a long time, because of the peasant’s desire for free trade. He said he knew from statistics (what I can well believe) that the peasants have had more to eat these last two years than they ever had before, “and yet they are against us,” he added a little wistfully. I asked him what to reply to critics who say that in the country he has merely created peasant proprietorship, not Communism; he replied that that is not quite the truth, but he did not say what the truth is”.

      Entre outros locais está aqui:

      http://skepticva.org/excerpt-Lenin.html

      Ou seja, Lenine disse a Russel que os camponeses nunca tiveram tanto que comer como nos últimos dois anos mas, mesmo assim, estavam contra o regime.

      Bastante diferente, não?

      Acha que algum regime sobreviveria matando propositadamente os agricultores à fome?

      Vá V. Exa. pela sombra e mando cumprimentos do cá do Inferno.

      O Satanás manda dizer que não quer lá V. Exa. Quanto muito pode lá ir buscar umas brasas para avivar o Inferno da concorrência. O Oliveira de Santa Comba, que é quem dirige a coisa, está com problemas de combustível.

      • POIS! says:

        Ah! E mais uma Monsieur Elvimont D’Ordure, SDF (Seigneur du Fumier):

        Lenine não deu entrevista nenhuma ao Bertrand Russel. O próprio diz que foi “uma conversa”.

        Recebeu-o durante uma hora, mais ou menos informalmente, e conversaram sobre vários temas, a maior parte do tempo em Inglês, que Lenine dominava relativamente bem.

        O que ele terá dito é citado por Russel, aparentemente de memória.

        Se eu duvido do que Russel escreveu? Não, não tenho motivos. Mas é uma fonte secundária, sem dúvida.

        Ou seja: não se tratou de nenhuma entrevista, em sentido científico e, muito menos jornalístico.

        • Abstencionista says:

          “Lenine não deu entrevista nenhuma ao Bertrand Russel. O próprio diz que foi “uma conversa”.

          O Bertrand Russel diz que foi uma entrevista mas o Pois, diz que não foi!

          Afinal quem é o Bertrand Russel para negar o que diz o Pois (apoiado na ciência)?

          É que este Pois “cientista” diz que o mestrado faz-se sem estudar, (basta ir ao Google … ou ao ISCTE com o cartãozinho … digo eu)!!!

          • POIS! says:

            Pois muito bem!

            Abstencionista!!! ‘travez a marrar???’da-se!!!

            Diga lá onde é que eu disse que “o mestrado faz-se sem estudar”. Por acaso, até me lembro perfeitamente do que disse e das alarvidades e das distorções de V. Exa. Provando, aliás o seu perfeito analfabetismo.

            Fico á espera do link. E dos outros para “plágios” e “copy pastes”, tudo produto da mente aldrabona de V. Exa.

            Se, no ISCTE basta o cartãozinho, Vosselência lá sabe! Eu não tenho nenhum cartão e nunca lá fui. Até porque desconfiarei sempre de uma instituição que faça Doutor um gajo como o Mithá Ribeiro.

            Quanto ao Russell, eis o que escreveu:

            “Soon after my arrival in Moscow I had an hour’s conversation with Lenin in English, which he speaks fairly well. An interpreter was present, but his services were scarcely required. Lenin’s room is very bare; it contains a big desk, some maps on the walls, two book-cases, and one comfortable chair for visitors in addition to two or three hard chairs. It is obvious that he has no love of luxury or even comfort. He is very friendly, and apparently simple, entirely without a trace of hauteur.

            If one met him without knowing who he was, one would not guess that he is possessed of great power or even that he is in any way eminent. I have never met a personage so destitute of self-importance. He looks at his visitors very closely, and screws up one eye, which seems to increase alarmingly the penetrating power of the other. He laughs a great deal; at first his laugh seems merely friendly and jolly, but gradually I came to feel it rather grim. He is dictatorial, calm, incapable of fear, extraordinarily devoid of self-seeking, an embodied theory. The materialist conception of history, one feels, is his life-blood. He resembles a professor in his desire to have the theory understood and in his fury with those who misunderstand or disagree, as also in his love of expounding, I got the impression that he despises a great many people and is an intellectual aristocrat” (…)

            Se V. Exa. souber ler, leia o resto aqui. Se não souber, estude!

            http://skepticva.org/excerpt-Lenin.html

            Não me parece que se possa considerar isto como uma entrevista. Não há uma frase, uma citação sequer, em discurso direto do Lenin. E o Russell em nenhum lugar lhe chama entrevista.

            Mas talvez V. Exa. estivesse lá, escondido nas estantes. Não sei é se teria passado despercebido com essa armação na testa!

          • Paulo Marques says:

            Eu gosto que gostam muito de peritos, excepto quando discordam de termos ou conclusões, incluindo quem estava nos eventos.
            Honestidade intelectual é isto.

        • Abstencionista says:

          Este desonesto intelectual está a referir-se a um texto que faz parte do ensaio de Bertrand Russel intitulado “Rússia Soviética 1920”.

          Este aldrabão avençado corta e cose o texto em inglês, (para armar-se em intelectual pindérico ), quando o livro tem tradução em português, havendo abundantes excertos do texto, e do próprio ensaio, na internet.

          O texto é de uma entrevista de Russell a Lenine.

          Conforme está no dicionário da Priberam a definição de “Entrevista: conversa com uma pessoa para a interrogar sobre os seus actos, ideias e projectos, a fim de publicar ou difundir o seu conteúdo ou de a utilizar para fins de análise.”

          Nesse texto, B. Russel faz perguntas e Lenine responde. Perguntas essas e respostas que fazem parte do citado ensaio, tirando Bertrand Russel as suas conclusões pessoais sobre as mesmas.

          Exemplos:
          (“A primeira pergunta que fiz foi até que ponto ele reconhecia a peculiaridade das condições econômicas e políticas inglesas.”)
          (“A seguir, perguntei-lhe se achava possível estabelecer o comunismo de maneira firme e plena em um país que continha uma grande maioria de camponeses. “)
          (“A última pergunta que fiz foi se a retomada do comércio com os países capitalistas, se ocorresse, não criaria centros de influência capitalista e tornaria a preservação do comunismo mais difícil.”)

          O próprio B. Russel dá-lhe o nome de entrevista nas várias entrevistas que o próprio dá sobre o assunto anos mais tarde.

          Mais havia a dizer sobre este comentário deste intelectual do corta e cose, mas fico-me por aqui por considerar este exemplo paradigmático para descrever este tapado.

          E demonstrar que não é preciso estar escondido nas estantes para saber ler e interpretar estes textos.

          É preciso é não ser burro!

          • POIS! says:

            Pois é Abstencioneiro!

            É preciso não ser burro. Nem rês marrante à espera dos Forcados Amadores do Montijo, como é o caso de V. Exa!

            Em sentido amplo, qualquer conversa é “entrevista”. Em sentido jornalístico ou científico, é outra coisa. Foi isso que eu disse.

            Vosselência tem de compreender que uma coisa é dizer “perguntei, e Lenine admitiu que o comércio criaria dificuldades, mas menores que a guerra…”(…) e outra é escrever: “Disse Lenine: o comércio irá criar dificuldades, mas…). Será o mesmo? Não! A primeira é, mesmo que fiel, uma “transcrição pessoal” da afirmação real.

            Note-se, eu não duvido minimamente da sua fiabilidade. Mas, em rigor, é assim.

            Sei perfeitamente que existe tradução. Mas há algum mal em ir diretamente ao original? Há??

            No link remete-se para o texto integral. Que também foi editado cá. Em Português de Portugal.

            Afinal V. Exa. faz tanto “corte e cose” como eu. Só que em Português! Ainda por cima do Brasil! (há ali um “chapéuzinho que o denuncia…)

            Continuo à espera do “link” para a minha afirmação de que “o mestrado faz-se sem estudar”. Estou mesmo à espera ou V. Exa, além de burro, terá de se assumir como ALDRABÃO.

          • Abstencionista says:

            Escreves tanta asneira ao armar-te em intelectual chico esperto que nem vou responder.

            (Mas esta teve graça: “Em sentido amplo, qualquer conversa é “entrevista”.”

            eheheheh…

            No entanto percebo que o teu paizinho era uma pessoa muito ocupada a comerciar Pois não teve tempo para te dar uns bananos para aprenderes a não insultares as pessoas de bem.

            Enfim…parafraseando o Vasco Pulido Valente em relação ao guterres … és uma verdadeira “picareta insultante”!

            P.S. O Aventar é português, escrito por portugueses e lido por portugueses, e aparece um parolo como tu, no armanço, a copiar textos pelo tradutor do Google.
            Mais a mais quando há textos sobre o mesmo tema escritos na nossa língua.

            Reza muito, muito, já que estudar não é o teu forte!

          • POIS! says:

            Pois tá bem!

            Abstencionista! Aldrabão! ‘travez a marrar, meu?

            V. Exa. nunca me “insultou”? Ou essa coisa de “Abstencionista” já anda em tal franchise que lhe perdeu o controle?

            Mais uma! Copiei textos pelo “tradutor Google”!

            Estou completamente desmascarado!

            Até porque Vosselência vai aqui colocar as provas. Assim como o link para a minha afirmação “o mestrado faz-se sem estudar!

            Não sei como aguentar tamanha desonra!

            Quanto ao resto, V. Exa, pelos vistos V. Exa.deve ser um produto acabado da corrente educativa do Banano. Vê-se os resultados que produziu.

            Tivesse V. Exa. sido bem educado não se metia com os paizinhos de quem não gosta.

            Mas já o avisei: não saia de casa por agora. Está a trovejar e aposto que V. Exa. se arrisca a levar com um raio pelo fundo das costas acima. Não diga que não foi avisado.

    • British says:

      What ?

    • JgMenos says:

      Elvimonte

      Essa memória atinge uma legião de imbecis que têm como único suporte dos seus egos a ideia de «igualdade».

      As «» significam que não se trata de uma igualdade de direitos.
      Nem é que acreditem que todos terão o mesmo poder ou bem-estar.
      É a «igualdade» que projeta o gozo inefável de que quem tem pode deixar de ter, por invocação da igualdade ou porque sim…; isso é que os acalma e acomoda.

      Os camponeses morreram à fome? Mas os proprietários….valeu a pena!

      • Paulo Marques says:

        O problema não é a lista de factos, são a falta do contexto histórico, incluindo da burguesia, mas sem esquecer a guerra, contrafactuais da alternativa, e o impacto das intervenções externas.
        Ou pode-se fazer de conta, e continuar mais um século a repetir os mesmos erros e a exclamar surpresa por os povos dizerem que não em fazer de regimes que não colaboram com o imperialismo. Quando não é connosco, é tudo a preto e branco; embora, no grande jogo, não só é, como cedemos tudo e nem percebemos.

  5. Amora de Bruegas says:

    O socialista Hitler também foi eleito democraticamente… e por uma população academicamente superior à chilena e deu na tragédia que sabemos….., pois o socialismo é somente o que sabe fazer!
    Ele suicidou-se ou foi morto por gente de Fidel Castro para passar a ser um “mártir da revolução socialista”.
    Seja profissional, seja isento, honesto.

    • Filipe Bastos says:

      O socialista Hitler

      ‘Como Demonstrar a sua Ignorância em Apenas Três Palavras’ – a nova obra de Amora de Bruegas, já disponível na Amazon.

      Descontos especiais para direitalhas encartados, milionários temporariamente embaraçados e otários em geral.

    • LUIS COELHO says:

      Este bruega foi certamente cagado!

    • João L Maio says:

      Amora de Bruegas,

      Tu auto-mutilas-te, certo? E gostas…
      Se não, andas, pelo menos, na seringa, certo?

      Que desonestidade intelectual gritante.

    • Carlos Almeida says:

      ” O socialista Hitler também foi eleito democraticamente”

      Esta personagem que ainda não percebi se é homem ou se mulher, anda há anos a escrever em diversos blogues, estas teses de que o Hitler era socialista.

      É obviamente um neo liberal, a que a noticia relativa ao assassinato por Pinochet a mando dos neo liberais Americanos e Chilenos veio despoletar o seu ódio à Democracia e a tudo que não seja a sua ideologia retrògada,

      É na estatuadesal no blasfemias e agora aqui, e já não é a primeira vez

      Alias basta ir ao Google que aparecem dezenas de “prendas” deste tipo, desta personalidade

      Amora de Bruegas é um poço de ódio, mas não é ignorante. Sabe bem que o partido de Hitler tinha tanto de Socialista como o CDS (Centro Democrático e Social) quando apareceu em 1974 vindo da direita do Estado Novo ou o PSD de hoje tem a ver com a Social Democracia.

      Markting politico desses partidos e desonestidade intelectual desta personagem, destinada a determinado publico alvo

    • POIS! says:

      Pois bem! Eis uma tese simplesmente revolucionária! Nunca tinha pensado nisso!

      Leiam bem o que escreveu o Framboesa de Beldroegas: afinal Hitler foi morto por…Fidel de Castro!

    • Paulo Marques says:

      https://www.theholocaustexplained.org/the-nazi-rise-to-power/the-nazi-rise-to-power/the-role-of-the-conservative-elite/

      «The conservative elite were the old ruling class and new business class in Weimar Germany. Throughout the 1920s they became increasingly frustrated with the Weimar Republic’s continuing economic and political instability, their lack of real power and the rise of communism. They believed that a return to authoritarian rule was the only stable future for Germany which would protect their power and money.

      The first move towards this desired authoritarian rule was Hindenburg’s increasing use of Article 48 . Between 1925-1931 Article 48 was used a total of 16 times. In 1931 alone this rose to 42 uses, in comparison to only 35 Reichstag laws being passed in the same year. In 1932, Article 48 was used 58 times.

      The conservative elite’s second move towards authoritarian rule was helping the Nazi Party to gain power. The conservative elite and the Nazi Party had a common enemy – the political left .

      As Hitler controlled the masses support for the political right, the conservative elite believed that they could use Hitler and his popular support to ‘democratically’ take power. Once in power, Hitler could destroy the political left. Destroying the political left would help to remove the majority of political opponents to the ring-wing conservative elite.

      Once Hitler had removed the left-wing socialist opposition and destroyed the Weimar Republic, the conservative elite thought they would be able to replace Hitler, and appoint a leader of their choice.

      As Hitler’s votes dwindled in the November 1932 elections, the conservative elite knew that if they wanted to use Hitler and the Nazis to destroy the political left, they had to act quickly to get Hitler appointed as chancellor.

      Von Papen and Oskar von Hindenburg (President Hindenburg’s son) met secretly and backed Hitler to become chancellor. A group of important industrialists, including Hjalmar Schacht and Gustav Krupp, also wrote outlining their support of Hitler to President Hindenburg.

      The support of these figures was vital in Hindenburg’s decision to appoint Hitler as chancellor. Once elected, the conservative elite soon realised that they had miscalculated Hitler and his intentions.»

      Nada de novo.

  6. Abstencionista says:

    “Chove em Santiago” (1975) de Helvio Soto… a rever!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.