Vamos MESMO fazer greve às avaliações e aos exames

E, malta da TROIKA & friends, não se preocupem com as nossas dificuldades. A questão coloca-se de forma muito simples:greve o que tem a perder um Professor que dia 1 de setembro tem o despedimento como certo?

Isso mesmo – NADA!

Parece-me que, nunca como hoje, faz sentido este movimento que volta a UNIR TODOS OS PROFESSORES.

Na prática será assim: as avaliações não se realizam e por isso não há notas que permitam os alunos irem a exame e depois, no dia 17 de junho, voltamos à GREVE – é o dia do exame de língua portuguesa!

Crato, Cavaco, Portas, Gaspar e Passos: Se é guerra que querem, vamos a isso!

Discutir o golpe de estado

Chega de cantigas: este governo não quer reformar coisa alguma, quer derrubar o regime constitucional. Direitalhos golpistas, rendidos à impossibilidade de uma alteração constitucional por via democrática e sabedores que historicamente a sua ideologia neoliberal só consegue os seus desígnios oitocentistas em ditadura, tendo fracassado todas as experiências de a implantar onde haja um mínimo de democracia, andam a cultivar o pavor que permita aplicar a doutrina do choque.

O que sucedeu ontem na conferência Pensar o futuro – um Golpe de Estado para arrasar a sociedade com uma santanete a dar tiros nos pés do Moedas e o Moedas a disparar sobre os pés da santanete tem uma explicação muito simples: sabem perfeitamente que entre os seus pode, na excitação da conversa, fugir a boquinha para a verdade, como por vezes ocorre escrevendo a insurgentes e blasfemos, por exemplo. E como toda a gente sabe os golpes de estado que se anunciam não se concretizam.

O resto é conversa, e uma agência de comunicação aos saltinhos atrás do prejuízo. A música da Chatham House  deve ser para surdos, porque uma regra assim (tradução oficial):

Quando uma reunião (ou uma parte da reunião), é governada pela a regra da Chatham House, os participantes são livres de usar a informação recebida, mas não podem divulgar a identidade e a afiliação dos oradores e dos participantes.

não tem absolutamente nada que ver com isto. Inventem mentiras novas.

70 virgens à espera no céu

Confesso que já tinha pensado nisso, mas achei a ideia, especialmente por ser minha, uma perfeita estupidez.

Até ler o Pacheco Pereira:

E se o governo estivesse deliberadamente, com mais ou menos consciência do que está a fazer, a suicidar-se para fugir à sua incapacidade em governar? É que há aspectos neste Orçamento de Estado que são tão grosseiramente errados, que podem apontar para outra intenção.

Do ponto de vista meramente partidário poderia ser uma excelente iniciativa e, sabemos todos, o problema dos boys é que só pensam neles e, em alguns casos no partido – nunca no país.

Esta estratégia tinha duas vantagens: por um lado poderiam sempre dizer que tinham sido as vítimas, que até tinham tentado. Por outro amarravam Cavaco e o PS a uma solução, que teria apenas o risco de reforçar o BE e o PCP – nada de muito grave.

Ir para eleições, poderia ser muito penalizador para o PSD.

E se o Cavaco quiser alinhar nesta ideia e partilhar parte das 70 virgens a que um bombista suicida tem direito.