O capitalismo tem uma relação amorosa com a discriminação

Fotografia: EPSILON

Depois de se recusar a usar biquíni durante os jogos, a Selecção feminina de andebol de praia apareceu em campo de calções, tal qual os atletas da Selecção masculina, do mesmo desporto.

Por tal, enfrentam, agora, uma multa, pois, diz a Federação Europeia de Andebol que é mais “atractivo ao espectador” e, também, “gerador de mais patrocínios” que as atletas se dispam – o contra-senso é tão grande que espanta-me que a FEA não se aperceba disso.

Não espanta, ainda assim, que o machismo estrutural (que – e lá chegaremos – anda de mãos dadas com o capitalismo selvagem imposto pelo neo-liberalismo que hoje vigora nas sociedades ocidentais) se revele, mais uma vez, de unhas para fora e dentes afiados, escorrendo baba, qual predador pronto a atacar a sua presa com uma dentada no pescoço. Mas a questão é que atletas de alta competição, sejam de que género forem, são isso mesmo: atletas. E o único factor de atractividade deve ser, como é lógico, a qualidade do desporto que praticam e não a roupa que usam ou os atributos físicos de que dispõem. [Read more…]

O homem do jogo

Para o jornal Record, foi a futebolista Ana Borges…

Discriminação de género

1293286

É terrível que em pleno século XXI continue a senda da discriminação de género. É terrível que em pleno século XXI continuem a ser vedadas à Mulher actividades que continuam apenas a ser permitidas aos Homens.

[Read more…]

Noite de pesadelo horripilante

Christine Wu - Ghoul_s Night Out

Acordei num sobressalto, agitado com taquicardia, transpirado de gotículas de medo.
Sonhara-me rodeado por uma enorme turbe que me apontava o indicador aos berros dessincronizados, para me obrigarem a convencer-me de que o crime de assédio sexual era apanágio exclusivo dos heterossexuais e, dentre esses, apenas dos do sexo masculino!
Eram cada vez mais e mais cerca de mim me cercavam, elevando a berraria com um aumento fantasioso daqueles indicadores de unhas irrepreensivelmente limpas e envernizadas.
Fugi cobardemente acordando, talvez para lhes tirar a força para me obrigarem a convencerem-me de que não seremos todos iguais, independentemente da preferência sexual.
Depois daquele primeiro momento, apaziguei-me, por querer crer ter sido apenas um pesadelo, por crer não haver já pessoas acordadas que possam pensar assim.

imagem: pormenor de “Ghoul’s Night Out” de Christine Wu

Vexame na Eros Porto

Fui, esta tarde, com uma amiga à Eros Porto. Chegadas à bilheteira, pedimos dois bilhetes de casal.

Quem estava a atender, um senhor que falava Espanhol e não Português, sujeitou-nos, logo ali, a diferentes perguntas, todas elas muito invasivas da nossa privacidade. «Viveis na mesma morada?, Sois casadas?, Sois lésbicas? Eu tenho que saber para poder vender o bilhete de casal. Dás-lhe um beijo?»  [Read more…]