A propósito de eucaliptos: Jorge Paiva ou Passos Coelho?

Passos Coelho tem a qualidade fundamental para se ser político: falta de vergonha. Como qualquer bom político, e ao contrário, quiçá, da maior parte da humanidade, Coelho é imune àquele sentimento que muitas pessoas normais e alguns tarados sexuais resumem na frase “se houvesse um buraquinho, enfiava-me lá dentro”.

Depois de ter inundado o espaço mediático com uma multidão de suicidas inexistente, resolveu, do alto da cátedra em que finge viver, explicar que não há nenhum problema com os eucaliptos, reduzindo essa questão a uma aliança entre PS e os Verdes para aguentar a Geringonça.

Efectivamente, é simplista pensar que bastaria erradicar os eucaliptos para acabar com os incêndios. O simplismo é próprio dos pobres de espírito ou dos que não têm vergonha na cara. Passos Coelho, que não é pobre de espírito, cai no simplismo oposto, não tendo pejo em contrariar aquilo que muitos investigadores têm escrito sobre o problema dos incêndios florestais.

Uma das vozes mais autorizadas sobre o assunto é o professor Jorge Paiva, que, ainda recentemente, escreveu um artigo em que, naturalmente, não reduz o problema dos incêndios à eucaliptização, porque, como qualquer especialista, não cai em simplismos, instrumento reservado aos desprovidos de vergonha.

Uma expressão como “época de incêndios” já deveria ter deixado de fazer sentido há muito. Para isso, seria preciso ouvir quem sabe.

Por isso, pergunto: se falarmos de incêndios florestais, vamos dar ouvidos a Jorge Paiva ou a Passos Coelho?

Portugal a Arder

Assunção Cristas anuncia candidatura à presidência do CDS-PP

Sou uma pessoa de fé. Esperarei que chova
Até lá, institui-se o eucalipto como desígnio nacional.
#PrayForPortugal

Pinheiros e eucaliptos

Fonte: https://www.flickr.com/photos/fernandocomet/6078852709/sizes/l

Rui Manuel Vitorino

A minha formação acadêmica nada tem a ver com agricultura ou recursos florestais. Quando um leigo olha a floresta existe uma imagem normalmente associada a pinheiros e eucaliptos e essa imagem pode de alguma forma adaptar-se a perfis atribuídos ás empresas e empresários por todo esse mundo fora.
Vejamos uma empresa média com uma produção de bens necessários ao funcionamento da sociedade, trazendo mais valia para todos os envolvidos garantindo bem estar aos que nela trabalham e aos que dela beneficiam. Não sendo uma árvore nobre como um carvalho, uma nogueira, o pinheiro é uma árvore que necessita de tempo para crescer para dar os seus frutos.
Eis que chega o eucalipto, crescimento rápido, seca tudo à volta, sonega recursos e em caso de incêndio queima tudo à volta num fósforo.  [Read more…]

Tiro ao lado

Ouvi na Antena 1 a Quercus defender que a culpa destes últimos grandes incêndios é da monocultura do eucalipto. Que esta espécie é muito inflamável e que as suas folhas facilitam a propagação do fogo.

O que é que a Quercus terá a dizer da monocultura do pinheiro, em Portugal desde D. Dinis, e da contribuição das carumas e das resinas para a propagação dos incêndios?

Eucalipto "globulus"

O “globulus”, é para dar uma certa ideia de ciência, mas o que é certo é que é a espécie de eucalipto que nós temos cá e a que é mais utilizada na indústria do papel.Tem uma particularidade tramada, é que “bebe” tudo o que encontra ali à volta, seca tudo, não há lugar para mais vida.

Nos anos 70 plantou-se esta árvore em tudo o que era terreno para fazer face à indústria que então crescia no país. É uma actividade económica muito importante em conjunto com o Pinho que também é matéria prima para a mesma indústria. Dizem os entendidos que esta indústria foi “empurrada” dos países mais ricos por causa da tremenda poluição que causa, não só destruindo os terrenos , ao nível do plantio, mas tambem ao nível do ar e dos rios com a poluição produzida pelas fábricas.

Conhecidos os perigos, o plantio foi-se “circundando” aos terrenos onde mais nada se produz não se evitando, contudo, que algumas manchas persistam em terrenos férteis.