F de Fundir?

O conjunto de mentes brilhantes que está no governo segue dois grandes princípios: leviandade e falta de respeito pelos cidadãos.

Por vezes, nota-se mais a leviandade, que leva Passos Coelho a anunciar uma linha férrea que tem o objectivo de ligar Portugal a França, mas não tem continuação em Espanha; noutras ocasiões, é mais visível a falta de respeito pelos cidadãos, que faz com que o governo vá baixar os subsídios por doença.

Mas é na obsessão pelas fusões que se vêem ambas as atitudes de mão dada. Na reforma administrativa e na Educação, contra a autonomia e o bom senso, o Governo irá fundir freguesias e escolas, segurando a troica acima da água e afogando o país, uma espécie de Camões ao contrário.

Estudos, opiniões, pareceres, análises ou sensibilidade são palavras inúteis. O país bem pode reclamar, implorar, apelar à razão. O Governo, impelido pela tara, sem nada debaixo da gabardina aberta, só sabe gritar: “O que eu quero é fundir!”

Notícias do dia: uma para o governo, outra para o PC


Uma boa nova para o Governo: no processo de extinção de freguesias, houve quem se lembrasse daquele velho princípio “para grandes males, grandes remédios”, colocando uma botija de gás junto ao multibanco de uma Junta de Freguesia em Palmela. Foi tudo pelos ares. Resultado? Freguesia extinta, sem papelada que preste para mais alguma coisa. Fica então resolvido um assunto e agora urge proceder à anexação a uma freguesia vizinha. Simples e eficaz. Talvez a moda pegue país fora.
Uma notícia dirigida ao camarada Bernardino Soares. Naquela absolutamente democrática Coreia do Norte, o Exército Popular passa a partir de agora a incorporar aqueles recrutas que meçam mais de 1,42m. Desta forma, as Viagens de Gulliver tornam-se realidade e espera-se a todo o momento a consagração de Jonathan Swift, como fonte de inspiração para o regime de Piong-Iang. Claro que os nefandos imperialistas já fazem passar a mediática atoarda falando de “raquitismo e fome” que gerações de norte-coreanos alegadamente passam. São tudo manobras divisionistas que apenas visam confrontar a ridente sociedade zuche com o esmagador despautério consumista da Coreia do Sul. Uns safados, estes plutocratas.
*Na imagem, um turista ocidental de visita à Coreia do Norte.

A Ternura da Extinção

Não deixo de sentir uma enorme ternura pela decorrente manifestação contra a fusão de freguesias, neste sábado à tarde, em Lisboa. Basta olhar para mim, um bairrista feroz pelo menos vinte anos da minha vida aqui por Gaia, recanto onde nasci. Por Lisboa, porém, o que se vê é a festa do protesto: desfile de diversidade, com ranchos folclóricos, associações culturais, recreativas e desportivas. Talvez nada impeça a metamorfose toponímica contra a qual lutam esses bravos portugueses no seu festivo esbracejar de náufrago: há tanto século acumulado, tanta vida, nesses lugares, lugarejos, freguesias, deliciosos pardieiros espirituais do País que o topónimo parece um absoluto. Mas os jovens e os velhos que hoje provincianizam a Capital sabem que terá valido bem a pena fazer a festa do protesto.

Manifestação Nacional Contra a Agregação de Freguesias

Área de Serviço de Aveiras, pausa para almoço.