Ricardo Rodrigues apropriar-se-á da toga do juiz

Sentença do deputado Ricardo Rodrigues é hoje conhecida

Diz-me com quem andas

Secretas: Deputado Ricardo Rodrigues solidário com Silva Carvalho

Afinal em que é que ficamos, Ricardo Rodrigues?

gravadoresRicardo Rodrigues anda confuso. Compreende-se. Isto de um homem ser suspeito em vários casos obscuros e transitar para deputado, de ser nomeado membro do Conselho Superior do Ministério Público, de desviar gravadores a jornalistas e ir parar à Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, de ser constituído arguido e ser nomeado para o Conselho Geral do Centro de Estudos Judiciários, de ter sido referido como pertencente a um “gang internacional” e ver-se na situação de coordenador da Comissão Parlamentar para o Combate à Corrupção, deixa qualquer um confuso. [Read more…]

Por vezes a tendência não é a miniaturização

Novo modelo de gravador para jornalistas

A notícia: «Gravadores furtados por Ricardo Rodrigues foram restituídos à "Sábado"», no Público

Ricardo Rodrigues, o deputado irreflectido

ricardo_rodrigues_0505

“Quando um estúpido faz algo de que se envergonha, diz sempre que esse é o seu dever”

Bernard Shaw, em “César e Cleopátra”

Alguma coisa está mal quando um deputado, seja ele qual for, por não gostar das perguntas de um jornalista, “exerce a acção directa e irreflectidamente retira” os gravadores de jornalistas. Neste caso da revista Sábado. O deputado Ricardo Rodrigues explicou assim, com a citação indicada, o seu gesto de retirar da mesa os aparelhos de gravação que estavam a ser utilizados na entrevista que concedia à revista.

O caso aconteceu há dias. A Sábado divulgou-o hoje. Ricardo Rodrigues já comentou. Disse que se sentiu violentado pelas perguntas. Podia permanecer calado. Podia ter virado costas. Podia ter simplesmente abandonado a entrevista. Sentindo-se “violentado”, como referiu, só teria de sair da sala. Mas não. Resolveu de forma “irreflectida” retirar os gravadores, disse. Ora, como foi sem autorização, acaba por ser um furto ou uma apropriação ilícita, não?

[Read more…]