Cinco tostões sobre a pandemia

A propósito do pânico crescente que vem tomando conta de muitos portugueses, devido ao aumento exponencial de casos positivos ao longo dos últimos dias, queria partilhar convosco três pedaços de informação: um comparativo entre 29 de Dezembro de 2020 e 29 de Dezembro de 2021, uma imagem retirada directamente da plataforma da Universidade John Hopkins e um quadro-resumo feito pela CNN Portugal.

Comecemos pelo comparativo:

29 DEZ 2020

3336 casos
74 óbitos (média semanal: 71)

29 DEZ 2021

26867 casos
12 óbitos (média semanal: 14)

Não me quero armar aqui em cientista, mas parece-me que o número de casos positivos não será a métrica mais preocupante neste cenário. Até porque número de óbitos é cerca de 1/6 daquele que se verificava há um ano, ao passo que o número de casos positivos é hoje o óctuplo do valor registado há exactamente um ano. A ocupação das UCIs também é bastante inferior à verificada há um ano, mas já lá iremos.

O que é que isto quer dizer?

[Read more…]

Vacinação acima da cauda

Dos 5,4 milhões de portugueses com a vacinação contra a covid-19 completa, apenas 16 mil foram novamente infectados, o que corresponde a 0,3% do total de vacinados. Tendo em conta que nenhuma vacina nos foi apresentada como tendo uma eficácia de 100% (nem lá para perto), parece-me um resultado muito positivo, a par do processo de vacinação global, que está a ter um desempenho raro para aquilo que é comum num país habituado a andar pelas caudas de tudo e mais alguma coisa. Para não falar nas dezenas ou centenas de euros que estes 5,4 milhões de pessoas pouparam desde que começaram a emitir o seu próprio 5G. Não fosse a comichão que o microchip causa, seria perfeito.

Sobre o atribulado processo de desconfinamento, o oportunismo político e as várias narrativas que proliferam

1) Tal como muitos de nós previam, o desconfinamento, em grande parte forçado pela elite económica, com o alto contributo da obediência canina do governo, levou a que muitas pessoas baixassem a guarda, convencidas de que a pandemia tinha chegado ao fim. Não só não chegou, como pode perfeitamente piorar e colocar o país numa situação mais crítica do que a inicial, com custos ainda mais elevados para a saúde pública, para a economia e para a imagem de Portugal no exterior.

2) Por todo o lado, mas com especial incidência nas regiões de Lisboa e Algarve, multiplicam-se os ajuntamentos, desde festas ilegais a encontros “espontâneos” junto de bombas de gasolina ou zonas de divertimento nocturno, não esquecendo algumas manifestações, mais ou menos inevitáveis, mais ou menos desnecessárias, mas também cerimónias religiosas em Fátima, que foram já palco de pelo menos uma concentração de algumas centenas de pessoas, e onde hoje foi reportado um pequeno foco de contágio. Mas a Festa do Avante, que ainda não aconteceu – e que, a meu ver, não devia acontecer – é o único problema que inquieta algumas pessoas. Percebe-se bem porquê. [Read more…]