Não me toca na parceria público-privada

033_FigueiraFozSegundo parece, a Câmara Municipal da Figueira da Foz fez um acordo com a empresa Malpevent, responsável pela promoção de um concerto de Anselmo Ralph. O negócio é o seguinte: se não se venderem noventa mil bilhetes, a Câmara da Figueira compromete-se a entregar 16500 euros à dita Malpevent. Para além disso, a autarquia prescinde do pagamento de 8800 euros de taxas e assume o pagamento de elementos da Cruz Vermelha Portuguesa (3500 euros).

Em resumo, a Câmara da Figueira não quer uma receita, garante uma despesa e arrisca-se a outra, para minimizar os riscos de uma empresa que promove o espectáculo de um artista extremamente popular, goste-se ou não da música. Acrescente-se que, ao que tudo indica, um concerto de Anselmo Ralph terá custado, em Julho, 48500 euros à Câmara de Elvas. [Read more…]

Paula Bobone no Aventar

2013-03-21142713_961f1e4c-aef8-4f3d-8935-154a61e36164$$2066B98B-1131-4DFF-8A54-59CDCD6190D9$$AC15C368-272F-472A-B1C0-5E9A35021A44$$img_detalhe_noticia$$pt$$1Pelo Aventar, tem passado muito gente ilustre, alguma também ilustrada. Ontem, por aqui também passou Paula Bobone, comentando um texto meu com o título “Do direito à futilidade”, o que só pode ser uma maldade do acaso.

Ora, quando o jet-set suspende, por momentos, a degustação do néctar e da ambrósia, favorecendo um pobre mortal com palavras que usam, todas elas, perfumes caros, isso merece ser assinalado, porque pode corresponder ao momento que lançará o Aventar na ansiada senda das passadeiras vermelhas da Alta Sociedade ou nas páginas róseas da imprensa cardiovascular.

No referido texto, atribuía eu à personagem desempenhada por Paula Bobone a emissão habitual de dislates, ao que a senhora comentou:

por lapso vi isto. Não percebi mas devem ser “dislates” de V. Exa. [Read more…]

E o piloto conduz mais que as gentes que leva…


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 13 – O Barco para a Afurada. Letra e música de Pedro Abrunhosa.

As cidades sem coreto e os coretos sem amor são como igrejas vazias


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 2 – À sombra de dois trombones. Letra e música de Mário Alves.

Hoje o Porto desde a Foz até às Antas esqueceu as divisões que não são suas


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 9 – Uma noite não são noites. Letra e música de Pedro Osório.

Um bom copito dá força a qualquer morcão


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 8 – Todos à Rua. Letra de João Lóio, música de José Mário Branco.

Prefiro as ervas daninhas e aquela que é proibida


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 6 – Erva Proibida. Letra de Regina Guimarães, música de Pedro Moura.

Por isso o povo todo junto pouco a pouco se faz muito


Do CD Junta Corações – Festas do S. João do Porto. Faixa 12 – É nosso o S. João. Letra e música de Sérgio Godinho.

Santo António é Lisboa…

… e o resto é paisagem. Neste orgasmo antonino das estações de televisão nos últimos dois dias, em que, pelos vistos, só em Lisboa se comemora o Santo António. Curiosamente, quando chega o S. João, já se lembram que também é de Braga. É a chamada “regionalidade selectiva”.

as minhas memórias-2-História do Chile


A História do Chile não regista as maldades que narrei na minha escrita da manhã, essas atrocidades em que eu ia morrendo e tive que sair a correr do país en que menos tempo de minha vida, vivi.
O Chile foi sempre simpático, acolhedor, alegre, com festas e desfiles por sim ou por não. Teve duas guerras, como tenho relatado nos meus livros sobre a História do Chile, nos anos 30 do Século XIX, contra a confederação Peru – Boliviana que atacou ao país pelo norte, para se apoderar das do Nitrato de Sódio, que eram uma fortuna. O Chile defendeu-se e ganhou todas as minas: as que possuía antes e as que eram de Bolívia, em Antofagasta, que passara a ser chilena, como a Província de Arica, antes do Peru, mas por direito de conquista passou a ser do nosso país. Tinha também conquistado Tacna, mas por tratado entre os Presidentes Leguia e Figueroa, o armistício foi assinado a 29 de Agosto de 1929, e Tacna foi devolvida ao [Read more…]