A recessão calorosa

O seu papel não era olhar; era ir inteiro com as mãos ao pescoço, com o joelho à arca do peito, e retirar-se uns minutos depois, como um instrumento que tivesse cumprido correctamente a sua função.

Miguel Torga

passaríamos pela sala do senhor Oliveira, que nos ouviria de olhos esbugalhados e testa toda franzida e perceberia logo que ui, essa zona quando dói é sinal que a coisa já está bastante mal, isso não me cheira nada bem

— Carla Romualdo

Hic ostendit propheta, si a bonis eloquiis interdum propter taciturnitatem debet taceri, quanto magis a malis verbis propter poenam peccati debet cessari.

— Regula Benedicti

***

Há alguns anos, avisei: “vem aí a recessão“. Ei-la, calorosa.

recessao

Os Tradutores Contra o Acordo Ortográfico (aos quais agradeço a foto aqui reproduzida, tal como ao autor, Daniel Abrunheiro) indicaram esta distinção proposta por Malaca Casteleiro, na entrevista dos assentos: [Read more…]

Todos contra a Barragem 0,1% – Depoimentos sobre o Douro e o Tua. 4 – Miguel Torga


«S. Leonardo de Galafura, 8 de Abril de 1977

O Doiro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso de natureza. Socalcos que são passados de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor pintou ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis de visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta».
Miguel Torga, Diário XII

Outros textos:
1 – Francisco José Viegas
2 – Guilherme Felgueiras
3 – Eça de Queirós
 

Sugestões para novos textos:
Formulário de contacto do Aventar ou caixa de comentários deste post.

Clube dos Poetas Imortais: António Cabral (1931-2007)

 

António Cabral foi um dos maiores poetas da região de Trás-os-Montes e Alto Douro. Melhor: foi um dos maiores poetas portugueses do século XX. Não provocando o clamor mediático de um Torga, a sua poesia atingiu uma qualidade incomum e à qual, até agora, não se fez a devida justiça. Mas nem só poesia escreveu, pois da sua bibliografia constam, além de 15 colectâneas poéticas, cinco volumes de ficção e sete volumes de teatro. Para além de livros didácticos e de ensaios literários.

Publicou também obras sobre etnografia e antropologia, nomeadamente sobre jogos populares, matéria em que se tornou um grande especialista. A ele se deve ainda um dos mais belos textos escritos sobre José Afonso, «Introdução às canções de José Afonso», publicado no livro «Cantar de Novo» (Nova Realidade, 1970). Neste clube tenho incluído grandes poetas da lusofonia, alguns deles meus amigos. É o caso do António Cabral com o qual colaborei e que comigo colaborou em numerosas iniciativas. Um bom amigo e um grande escritor.

 

 

 

António Cabral nasceu em Castedo do Douro (Alijó) em 30 de Abril de 1921 e faleceu em 23 de Outubro de 2007 em Vila Real. Sacerdote católico até 1972, pediu dispensa e casou, dedicando-se ao ensino. Além de grande poeta, dramaturgo e romancista, foi um activo agente cultural, sendo co-fundador das revistas Setentrião e Tellus. Vemo-lo na fotografia com Amadeu Ferreira, o escritor e principal defensor da língua mirandesa. De António Cabral escolhi o poema Acorda amor, publicado na antologia poética «Vietname», que organizei em colaboração com Manuel Simões. Parece-me dar uma ideia do grande poeta que é o «imortal» que hoje vos apresento – Meus amigos, deixo-vos na companhia de António Cabral:

            Acorda amor

            Acorda, amor. Não ouves o silêncio

            ranger à volta da nossa casa?

            Algo se passa. As aves na palmeira

            do pátio acabam de estremecer.

            Ouço-as pelas frestas da velha parede

            e o medo volta de novo ao meu coração.

            Bem sei que não devia ter medo, que o sono

            é esse doce país cantado pelo poeta,

            onde os rios não correm somente

            para demarcar os ódios, e as nuvens

            apenas ocultam a boa água fertilizante.

            Condeno-me por isto. Por tremer

            diante dum pensamento e acordar, a teu lado,

            quando um leve sussurro atravessa a noite.

            É como se a tua presença não bastasse,

            fechando não sei que porta imaginável.

            Desculpa, amor. Mas tremo. A teu lado.

            Apesar do teu rosto amanhecente.

            Mesmo sabendo que em teu corpo

            Se abriu a corola de todas as delícias.

            Pelas frestas da velha parede,

            eis-me a interrogar a noite. Que acontece?

            Que sombras se movem além do rio?

            Talvez eu delire, ainda sob a impressão

            Do último bombardeamento. Lembras-te?

            Num momento, destruiram os favos

            da nossa alegria. E o mel de tantos anos

            barbaramente se diluiu na enxurrada infernal.

            Foi como se enorme sanguessuga de repente

            se colasse a nós. Ainda tremo .

            Tu escondeste a tua cabeça no meu peito

            e eu quando acordei sob os escombros,

            tinha uma perna destroçada. Podia ter as duas.

            Não é isso que me faz tremer. Mas recordo

            a febre dos teus lábios em minhas mãos,

            o quadro dos teus cabelos outonais

            e o corpo do nosso filho, parado, no teu regaço.

            Perdoa, amor, esta lágrima. Não acordes.

            Se eles voltarem, cobrir-te-ei com o meu corpo,

            com este corpo inútil que me deixaram.

            Não acordes, amor. Em que estrela

            bus
ca
s agora o nosso filho? Que palmeira

            o acolhe à sua benigna sombra?

            Ele põe a mão na rosa do teu seio

            e nos teus lábios ardem pétalas. Meu filho!

            Lembras-te como eu gostava de o levantar

            bem alto? Meus braços, agora débeis,

            fremiam, reverdeciam como ramos,

            e tu dizias, luminosa: o tronco e a flor.

            Era como se o dia voltasse a nascer,

            nascesse a cada instante,

            cingindo-me aos teus olhos belamente doirados.

            Era. Agora, não. Agora é noite. Prolongada.

            Não durmo. Doem-me as pálpebras e a alma.

            A paz escoa-se pelas frestas da parede.

            Que sombras se movem aquém do rio,

            fazendo ranger todo o silêncio?

            Se vierem… que venham. Dorme, amor.

            Amamenta em sossego o nosso filho.

            se vierem,

            Cobrir-te-ei com o que resta do meu corpo.