A recessão calorosa


O seu papel não era olhar; era ir inteiro com as mãos ao pescoço, com o joelho à arca do peito, e retirar-se uns minutos depois, como um instrumento que tivesse cumprido correctamente a sua função.

Miguel Torga

passaríamos pela sala do senhor Oliveira, que nos ouviria de olhos esbugalhados e testa toda franzida e perceberia logo que ui, essa zona quando dói é sinal que a coisa já está bastante mal, isso não me cheira nada bem

— Carla Romualdo

Hic ostendit propheta, si a bonis eloquiis interdum propter taciturnitatem debet taceri, quanto magis a malis verbis propter poenam peccati debet cessari.

— Regula Benedicti

***

Há alguns anos, avisei: “vem aí a recessão“. Ei-la, calorosa.

recessao

Os Tradutores Contra o Acordo Ortográfico (aos quais agradeço a foto aqui reproduzida, tal como ao autor, Daniel Abrunheiro) indicaram esta distinção proposta por Malaca Casteleiro, na entrevista dos assentos:

Uma das aberrações que eles apontam, e que o Dr. Artur Anselmo também já mencionou varias [‘sic’] vezes, é palavras como “conceção” e “concessão”, que até do ponto de vista gráfico se distingue — uma é com “ç” e outra com dois “s”.

Além dos conhecidos *assentos — e dos três ‘retificado’ em vez de ‘ratificado’ e da ‘retificação’ em vez de ‘ratificação’—, eis um dos momentos mais interessantes da entrevista:

excecao

Contudo, o “p” não existe na “exceção” brasileira. Para gáudio dos cépticos, deixo aqui bem visível a palavra de Houaiss:

houaiss

Entre ‘excêntrico’ e ‘excepcional’, o deserto.

Como Malaca Casteleiro estava presente no Salão Nobre da Academia das Ciências de Lisboa, no momento em que apresentei este diapositivo,

bound-morphemes

recordar-se-á que, além da função diacrítica de ‘p’, indiquei quer a relação ‘ceber’ ⟶ ‘cepção’, quer a inexistência de relação ‘ceber’ ⟶ *’cecção’.

Ao terminar a comunicação, de facto, também referi palavras «que só agora passam a ser escritas de forma diferente» e, entre elas, a ‘percepção’ e a ‘recepção’. Obviamente, neste contexto, nunca mencionaria a ‘excepção’. Claro, falei de ‘concepção’. Aliás, como tive a oportunidade de escrever (há imenso tempo), «em português do Brasil, a “concepção” mantém-se imaculada».

Efectivamente, não é contexto, são doçuras. Como cantava o Neil, «he’ll always be found selling sugar to the sweet».

***

Comments

  1. O que mais custa é saber que a maior parte dos portugueses é contra este “acordo” ortográfico e mesmo assim este atentado à identidade nacional continua impune. O que mais custa é saber que os pareceres científicos foram na sua esmagadora maioria desfavoráveis a este “acordo” e mesmo assim foram ignorados. O que mais custa é ver que a minoria de pessoas que apoia este “acordo” não entende que não se trata de evolução, mas sim de manipulação movida por interesses económicos e geopolíticos. Revogue-se esta besta ortográfica!http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=acordoortografico90

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s