Aristóteles, muito Chomsky, algum infinitivo e o Benfica-FC Porto

Global Imagens/DN (https://bit.ly/2GOVCht)

When I’m driving, I sometimes turn on the radio and I find very often that what I’m listening to is a discussion of sports. These are telephone conversations. People call in and have long and intricate discussions, and it’s plain that quite a high degree of thought and analysis is going into that. People know a tremendous amount. They know all sorts of complicated details and enter into far-reaching discussion about whether the coach made the right decision yesterday and so on. These are ordinary people, not professionals, who are applying their intelligence and analytic skills in these areas and accumulating quite a lot of knowledge and, for all I know, understanding.

Noam Chomsky

Professional sports are a way of building up jingoist fanaticism. You’re supposed to cheer for your home team. […] This idea of cheering for your home team, which you mentioned before, that’s a way of building into people irrational submissiveness to power. And it’s a very dangerous thing.

Noam Chomsky

Why do you care who wins? Why do you care who wins? Why do you have to associate yourself with a particular group of professionals, who you are told are your representatives, and they better win or else you’re going to commit suicide, when they’re perfectly interchangeable with the other group of professionals.

— Noam Chomsky

„Unter dem Entgegengesetzten aber hat der Widerspruch kein Mittleres; denn der Widerspruch ist ja eben eine Entgegensetzung, von deren beiden Gliedern eines jedem beliebigen Ding zukommt, ohne dass es zwischen ihnen ein Mittleres gibt.“

Aristóteles

Porque o árbitro se encontrava bem colocado e perto, cerca de 3/4 metros, e foi peremptório a assinalar a grande penalidade, aliado ao facto de não terem existido protestos de jogadores da equipa penalizada, que aceitaram pacificamente a decisão, com excepção do faltoso, único a esboçar contrariedade, damos-lhe o benefício da dúvida.

José Gonçalves

***

Efectivamente, porque hoje é sábado.

Reparar (opção minha, i.e., intencional, para o caso em apreço, não vá andar por aí o Ciberdúvidas, de gramática normativa em riste e corrector em punho) nos infinitivos de Duarte Gomes, árbitro que tinha dificuldade na detecção de inofensivos saltos do Jardel (o Mário) na área do Benfica, confundindo-os com lances para grande penalidade.

Isso foi há muitos anos, mas o sempiterno tema da arbitragem no futebol voltou à ordem do dia cá de casa, aqui, aqui e aqui (toma e embrulha, JJC). 

Comecemos pelo mais importante, pelos infinitivos — os tempos indicados (m:s) dizem respeito ao vídeo que aparece lá em baixo, em (*):

recordar isso em casa’ (20:49); ‘dizer também’ (20:50); ‘e dizer-vos antes’ (21:58), ‘e convidar‘ (21:59), ‘e recordar‘ (22:44), ‘e dizer‘ (23:04), ‘fazer alguma pedagogia lá em casa’ (25:33); ‘recordar que estamos no âmbito das opiniões’ (26:02); ‘ver a imagem com o dinamismo’ (26:14) ou ‘Paulo, focar, focar no braço direito’ (26:30-2), ‘Paulo, perceber que isto está em dinâmica, OK?’ (26:43-5).

De facto, esta tendência sintáctica de infinitivo isolado em início de oração aparece aqui de forma abundante, através de um falante de português europeu. Pense-se neste caso em que escrevo pense-se neste caso, em vez de pensar neste caso. Convém de facto pensar neste caso, em que não dispenso o ‘convém’ (e o ‘de facto’), para não começar a frase com pensar neste caso. Pegando num dos exemplos de Duarte Gomes, em vez de recordar isso em casa, pense-se em recorde-se isso em casa e é importante também pensar em soluções como é importante recordar isso em casa. Mas este fenómeno é assunto que vou deixar para entretenimento e discussão em aulas e em clubes de sintaxe, isto é, fica para outra altura, depois do Benfica-FC Porto de amanhã. Para um benfiquista portuense como eu, dias de Benfica-FC Porto e de FC Porto-Benfica são dias mágicos: mais do que dias de Benfica-Sporting ou de Sporting-Benfica.

Por isso, vou meter a minha colherada na celeuma futebolística da semana, aqui no Aventar — quem não gostar nem de futebol, nem de discussões sobre futebol ou sobre o árbitro, o ovo e a galinha pode ficar por aqui, em vez de ler mais.

[Read more…]

A promessa de não fazer promessas

Passos Coelho afirmou que PSD e CDS-PP não oferecem “aos portugueses um caminho de promessas fáceis, de ilusões nem de facilidades“. Fica registado. Guarda esta Ricardo, vai ficar mesmo bem a abrir a próxima compilação de aldrabices.

A singularidade do estilo de Ricardo Santos Pinto

AntonioSmith

© Shaenon K. Garrity (http://bit.ly/1KvTVTd)

 

Adivinhe de quem é.

(…)

Ora veja lá o nome do autor do texto citado e depois veja o nome do autor deste mesmo post.

Ricardo Santos Pinto

 ***

Ontem, ao procurar um texto de Malcolm Coulthard, co-autor do excelente An Introduction to Forensic Linguistics: Language in Evidence, fui surpreendido por um estudo de Rita Marquilhas e de Adriana Cardoso. O artigo de Marquilhas e Cardoso simula uma peritagem relativa a enunciados escritos no âmbito da investigação de um crime e debruça-se sobre um texto escrito por Ricardo Santos Pinto, publicado em 12 de Janeiro de 2009, no 5dias.net, mas frequentemente atribuído à jornalista Clara Ferreira Alves.

As Autoras indicam que, em 2011 ,”Clara Ferreira Alves continuava a desconhecer que se tratava de um texto de autoria já clarificada”. Como se percebe pelo episódio relatado na epígrafe, mesmo depois de indicar o texto, Ricardo Santos Pinto vê-se obrigado a voltar à carga, perante a insistência de um comentador.

Poderia terminar este pequeno comentário com um ingénuo “esperemos que este estudo de Rita Marquilhas e Adriana Cardoso venha, duma vez por todas, esclarecer o assunto”. Contudo, como demonstrado pelo caso ‘Voltaire vs. S.G. Tallentyre/Evelyn Beatrice Hall’, muito provavelmente, nem os esclarecimentos de Ricardo Santos Pinto, nem o estudo de Marquilhas e Cardoso, nem sequer este texto (para quem tiver dúvidas sobre a autoria, o meu nome está lá em cima, debaixo do título) servirão para que muitos passem a preferir a realidade à ficção. Infelizmente, como bem sabemos, desde o Maxwell Scott: “This is the West, sir. When the legend becomes fact, print the legend”.

Eram Quatro Meninas

meninas

Eram quatro meninas, qual delas a mais linda. Conheceram-se em Coimbra e os seus coraçõezinhos imediatamente se sentiram ligados por aqueles laços que tantas vezes escapam aos adultos. Eram quatro meninas que logo ali, naquele restaurante desconhecido, iniciaram brincadeiras e cumplicidades que se prolongaram para além da separação. A duas delas faltava o A.R. com que se escrevem os nomes das amiguinhas distantes. Os pais, sensibilizados por tão bela amizade, acabaram por também estreitar laços de amizade já existentes. As quatro meninas voltaram a encontrar-se, agora em casa de duas delas. Quatro meninas cujas iniciais são as primeiras quatro letras do almoço que serviu de mote a este encontro. A amizade e as brincadeiras retomaram-se no ponto em que haviam ficado naquele dia da descoberta e separação. Voltaram a separar-se com a promessa parental de novo encontro para breve, muito breve, o mais breve possível. São quatro meninas cada vez mais amigas, cada vez mais próximas. São quatro meninas, filhas de bloggers Aventadores. São quatro meninas, cada vez mais lindas, cada vez mais amigas. São quatro meninas, todas pequeninas. Serão o futuro do Aventar?

Ser, Resistir, Durar: Aventarei Também

Não sei quando tudo começou. Espartano nas Termópilas quotidianas de Ser, Resistir e Durar, ajo guerreiro pela Palavra e não abro mão de ser soldado como posso, entre o presídio dos silêncios alheios. Talvez desde a primeira hora em que as desenhei percebi o efeito semovente delas-Palavras cá dentro. De repente, estava apanhado pelo seu efeito encantatório e a sua força-fermento. Os livros e as leituras como centro dos meus interesses e tudo mais periferia intermitente por haver Deus e Mulheres: meses, anos, sempre muito só ou muito embevecido entre saias, mas acumulando sempre essas milhares de páginas-gente. De repente, coleccionava excertos, textos, livros inteiros, medievalmente transcritos e arquivados. Mais tarde insuflava o que lesse com a minha voz, vivificando personagens e tons narrativo-descritivos. Era paixão. E escrever, a outra metade. Depois fiz o meu blogue-causa e casa minha. E quando há dias o Ricardo Santos Pinto me fez o convite para ser Aventador, não fiquei a pensar. Disse logo que sim, grato. É Agora. Estou aqui para juntar a minha voz à pluralidade das vozes residentes. Oxalá seja feliz e faça felizes aqueles que eu toque ou provoque.