A singularidade do estilo de Ricardo Santos Pinto


AntonioSmith

© Shaenon K. Garrity (http://bit.ly/1KvTVTd)

 

Adivinhe de quem é.

(…)

Ora veja lá o nome do autor do texto citado e depois veja o nome do autor deste mesmo post.

Ricardo Santos Pinto

 ***

Ontem, ao procurar um texto de Malcolm Coulthard, co-autor do excelente An Introduction to Forensic Linguistics: Language in Evidence, fui surpreendido por um estudo de Rita Marquilhas e de Adriana Cardoso. O artigo de Marquilhas e Cardoso simula uma peritagem relativa a enunciados escritos no âmbito da investigação de um crime e debruça-se sobre um texto escrito por Ricardo Santos Pinto, publicado em 12 de Janeiro de 2009, no 5dias.net, mas frequentemente atribuído à jornalista Clara Ferreira Alves.

As Autoras indicam que, em 2011 ,”Clara Ferreira Alves continuava a desconhecer que se tratava de um texto de autoria já clarificada”. Como se percebe pelo episódio relatado na epígrafe, mesmo depois de indicar o texto, Ricardo Santos Pinto vê-se obrigado a voltar à carga, perante a insistência de um comentador.

Poderia terminar este pequeno comentário com um ingénuo “esperemos que este estudo de Rita Marquilhas e Adriana Cardoso venha, duma vez por todas, esclarecer o assunto”. Contudo, como demonstrado pelo caso ‘Voltaire vs. S.G. Tallentyre/Evelyn Beatrice Hall’, muito provavelmente, nem os esclarecimentos de Ricardo Santos Pinto, nem o estudo de Marquilhas e Cardoso, nem sequer este texto (para quem tiver dúvidas sobre a autoria, o meu nome está lá em cima, debaixo do título) servirão para que muitos passem a preferir a realidade à ficção. Infelizmente, como bem sabemos, desde o Maxwell Scott: “This is the West, sir. When the legend becomes fact, print the legend”.

Comments

  1. Ou de como o estilo demagogo e a conversa taxista andam de mão dada com o sucesso e propagação mediáticos.

  2. Isto é um trabalho científico? forense?
    Na página 420 o Ricardo é “um professor de história”, profissão que nem existe, ele é sim um professor de História. Na 432 já é jornalista. Grande rigor.

  3. Está muito bem cientifica e forensemente para um texto que recorre como fonte – em igualdade de circunstâncias com tudo e mais alguma coisa – ao poder cleptocrata angolano.

    • Ricardo Santos Pinto says:

      Angola? Onde é que fala em Angola no texto original? Se calhar essa parte já é da »Clara Ferreira Alves«, não?

      • É melhor reler as respostas que foi na altura dando nos comentários. Taxista então, taxista agora (mais acima).

Trackbacks

  1. […] o meu nome não fosse suficientemente credível para validar o conteúdo do texto. Se calhar porque temos o mesmo estilo, alguém se terá lembrado da pluma caprichosa. A mesma que, seis anos depois, continua a fingir […]

  2. […] leitores do Aventar conhecem o caso ‘Voltaire vs. S.G. Tallentyre/Evelyn Beatrice Hall’, logo, sabem que Voltaire nunca escreveu em francês — «Je déteste vos idées mais je suis […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s