Em cinco séculos, nada mudou.


Portugal parece ter despertado de uma longa e ruinosa letargia de mais de duas décadas e o governo tem nos últimos dois anos, mostrado um inusitado afã na promoção das empresas portuguesas no além-mar. Desde o fim do Império, o país habituou-se à miragem de uma Europa pródiga em dinheiros e possibilidades de enriquecimento fácil. A miragem era afinal nada mais que isso mesmo, esgotadas as ilusões de uma caminhada triunfal em direcção a um almejado Estado à imagem das “ominosas monarquias escandinavas”, sempiterno modelo a seguir pelos iniciados nas coisas da política económico-social do defunto século XX.

A decepção avoluma-se há mais de uma década. O país não assistiu ao verdadeiro arranque dos prometidos “Silicon Valley” do extremo oeste peninsular. Portugal debalde esperou pela terminal-central de contentores que veria desembarcar as riquezas da infrene indústria de consumo chinesa. Fecharam fábricas de automóveis e de químicos. Liquidaram-se empresas vidreiras da época do despotismo esclarecido do josefismo-pombalino. O comércio com o antigo Ultramar estiolou numa exasperante inércia e as delegações do ICEP confirmaram aquilo o que delas sempre pensaram os portugueses interessados, isto é, a existência pela necessidade da presença meramente formal. quanto à agricultura, as sapiências de outros tempos condenaram-na a coisa inútil e pronta para o sacrifício em prol do turismo rural, campos de golfe e lotes de terreno destinados ao imobiliário. Viu-se no que deu esta loucura.

[Read more…]

Ou mesmo do séc. XXII

Tolentino Mendonça, talvez o grande intelectual português do século xxi (sic), padre, poeta, arrasa a insignificância das vidas desperdiçadas.

Martim Avillez Figueiredo