Referendo sobre casamento homossexual (2)

Ao contrário do que se julga, a nossa sociedade é muito mais plural e liberal do que se pode pensar. Existe um conjunto de sinais, ditos, procedimento já entre nós enraizadas, que mostram que nós, portugueses, não somos tão quadrados quanto isso.

Já me referi (texto “Vinhas-me ao pau”) à lusitana tradição dos comentários finais entre jogadores de sueca, onde abundam as expressões do tipo “baldavas a tua bisca no meu pau que estava firme” ou “metias-me o pau na copa e ficavas ao corte”, entre outras. Num país homofóbico, tal não seria possível.

Além disso, e na senda da argumentação que somos um país de mente aberta, e onde a ligeireza de linguagem é disso exemplo é cada vez mais corrente o pessoal, para ganhar a vida, oferecer o pacote: seja o pacote de chamadas, seja o pacote de férias, o pacote de mensagens, seja que pacote for. Quanto mais oferecerem do respectivo pacote, mais apelativos se tornam num mercado cada vez mais concorrencial, numa guerra de pacotes sem precedentes.

Ora, deve ter sido este tipo de sinais que levou socialistas, bloquistas e comunistas a antever uma aceitação social minimamente pacífica do casamento homossexual, e, daí, a inexistência de razões para qualquer tipo de consulta popular.

Devíamos era dar graças por ter forças políticas tão atentas aos sinais.

Comments

  1. Luís Moreira says:

    Zé Mário, desde que cada um use o pacote como lhe aprouver…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.