O Leixões – Porto e o tesão do mijo

ONDE SE FALA DAS RAZÕES DO FALHANÇO DESTE ANO E DO NOVO RUMO PARA A PRÓXIMA ÉPOCA

Mais um empate e o título mais longe. Uma semana depois de o Benfica ter perdido dois pontos, acabámos por fazer o mesmo. Por culpa de quem? Obviamente, por culpa própria. Parece que aqueles jogos contra o Nacional e contra o Sporting não passaram do habitual «tesão do mijo» que costuma marcar a entrada de jogadores novos. Chegou Ruben Micael, pegou na batuta e parecia que tudo ia mudar, mas foi sol de pouca dura.
Como é óbvio, assim perdemos o campeonato e perdemos muito bem. Podem agora vir falar do Bruno Paixão, esse magnífico árbitro que já nos roubou um Campeonato em Campo Maior e que ontem nos roubou mais um «penalty» flagrante, mas isso é «tanga». Uma equipa que luta para o título não pode estar dependente de uma jogada, tem de jogar para ganhar desde o primeiro minuto e é isso que o Porto não sabe fazer.
As coisas são mesmo assim e não há volta a dar-lhes. Claro que, se fosse ao contrário, logo viriam os do costume falar de sistema, de fruta, de vergonha, dessas coisas. Como eu sei perder, ao contrário desses, e sei acusar quem deve ser acusado, falo de um falhanço completo que tem como principal culpado Jorge Nuno Pinto da Costa. O mesmo que foi responsável pelas vitórias do passado é responsável pela derrota do presente. Não se pode desmembrar completamente uma equipa, todos os anos, e esperar que o treinador no banco – ainda por cima um treinador normalíssimo – faça milagres. Quando não há adversário à altura, pode ser que seja suficiente. Como este ano não é isso que está a acontecer, os resultados estão à vista.
No problem. Não se pode ganhar todos anos. Venha a próxima época, um novo treinador (Domingos de preferência, André Villa-Boas em alternativa) e um novo rumo para a gestão do clube.

Comments


  1. Os do costume aparecem para subscrever tudo o que aqui se escreve!

  2. Luis Moreira says:

    Uma lúcida análise que o Miguel deve levar em conta nas suas crónicas…

  3. carla romualdo says:

    Tens razão. Por incríveis que sejam os fenómenos paralelos, estes não devem servir de desculpa. Ainda assim, a gente pergunta-se como é que possível que o Pepe, aqui ao lado, em Espanha, tenha levado com 12 jogos de castigo por ter pontapeado um adversário caído, e o Hulk, que ainda não sabe de que é acusado, já vá com 13…

    • Luís Moreira says:

      É, por isso, que a batota pode servir mas há um dia que se volta contra nós próprios. Só a Justiça, o direito e a seriedade serve. Não é isso que existe em Portugal, há muito tempo.

  4. Miguel Dias says:

    Luís, se há coisa que o Miguel não tem em linha de conta é lucidez.
    Carla, a suspensão do Hulk é um favor que vos fizeram.

    • Luís Moreira says:

      Tu até já falas de ti próprio na terceira pessoa tal qual a malta da bola. Contrariamente ao que dizes és profundamente lúcido ao tratares o futebol com todo esse humor.Sabes, é que o rídiculo mata, e os teus textos é isso que fazem ao facciosismo…

  5. António Santos says:

    O Pepe, aqui ao lado, em Espanha, tenha levado com 12 jogos de castigo por ter pontapeado um adversário caído,o luizão fes o mesmo , que castigo teve!!!

  6. Carla Romualdo says:

    eu adoro o facciosismo, sobretudo quando é da minha cor. Que graça é que tem falar de futebol sem ele?


  7. A culpa será do JUJU ?
    Não.
    O que faz falta é o “Lucho” ´que arcava com todo o meio-campo.

  8. Luis Moreira says:

    isso é verdade, sem facciosismo o futebol não vai longe…

  9. Luis Moreira says:

    Olha o meu exemplo a falar da agressão do Luisão…

  10. Miguel Dias says:

    Ó Luís, o Miguel agradece!

  11. Ricardo Santos Pinto says:

    O Ricardo não acha que seja preciso ser faccioso para falar de futebol. Como, de resto, o próprio Ricardo tem provado. Mim não sou faccioso, como diz o David Luis.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.