Como o "youtube" mudou a minha vida!

Foi há  cinco anos que nasceu o youtube tal qual o conhecemos hoje disse-me quem sabe disto e sabe como tratá-lo e como usá-lo, e assim por diante, de modo que deve ser verdade. O que eu quero aqui dizer muito dramaticamente é que nos primeiros nunca tive acesso ao “youtube”. O meu filho vivia cá em casa e achava que eu  perseguia no “youtube” coisas que ele considerava não apropriadas para a minha idade e, como tal, não tinha acesso, ou porque o computador não estava “up-to-date” e o vídeo não corria ( francamente, nunca vi nada em condições…) depois porque a minha vida era muito intensa e eu também não tinha muito tempo, a verdade é que só há dois, três anos é que comecei a ver o que se encontra no “youtube”. Continuar a ler “Como o "youtube" mudou a minha vida!”

a paixão que mata o amor

A morte de Beatriz

Para a mulher que respeito e amo, ela sabe quem é….

O povo português anda preocupado pelas batalhas políticas. Nem sabemos quem nos governa: se é o primeiro-ministro ou a oposição. E se é a oposição, qual é, entre todos os presidentes dos partidos das bancadas que fazem do governo uma minoria, o que exerce o poder? Minoria que, estrategicamente, procurará convénios com os partidos mais pequenos que apoiam o governo minoritário, com condições eternas.

Devo confessar que é um tema interessante, apaixona-me no meu querer saber de como vamos resolver a crise económica que nos atormenta e empobrece, como vamos criar mais postos de trabalho, como vamos agasalhar os que têm frio e fome especialmente em dias de festa, como o carnaval. Povo teimoso que, com frio e tudo e sem dinheiro, passeia e anda pelas ruas da alegria, esquecendo assim as da amargura.

No entanto, quando estamos no meio de outros problemas, sobretudo emotivos, o que o governo faça ou não, passa para segundo plano nos nossos interesses. Até um certo ponto. A crise económica entra nos nossos sentimentos e ficamos fracos para o amor. Bem queríamos amar sem preocupações e oferecer presentes, mas a carestia de vida em que este fraco governo nos meteu, faz-nos mais pobres ainda: de recursos e de emoções.

Os recursos, podem ser resolvidos, o amor também. Um nada de optimismo coloca-nos nas portas da serenidade e da paz. Requisito mínimo, para sabermos conviver em permanente conflito político, especialmente nós, que apoiamos o governo de minoria e os seus aliados. Continuar a ler “a paixão que mata o amor”

Requerer e não Interpor uma Providência Cautelar

As festas caseiras, cenário de convivência mais ou menos regada, desempenham um papel familiar e social – rotineiro umas vezes, outras mais interessante; em alguns casos de muita utilidade. Do humor à política, o menu festivo pode incluir um naco de tudo, até matéria semântica.

Acho, pois, curioso verificar que até podemos beneficiar de uma boa lição. Sobretudo se, na festa, há gente letrada, com advogados à cabeça. Estão sempre disponíveis para corrigir o uso incorrecto de termos e definições que, para os mais comuns, são os ingredientes do pobre léxico empírico da sociabilidade no quotidiano, incluindo a leitura de jornais, ouvir rádio e ver televisão.

Na esteira do que li, ouvi e vi na comunicação social nos últimos dias, citei que o tal Rui Pedro Soares “tinha interposto uma providência cautelar…”; imediatamente, dois convivas, não por acaso advogados, caíram-me em cima impiedosamente, argumentando que, para a providência cautelar, se deve aplicar o verbo requerer, ao passo que interpor se emprega quando nos referimos a um recurso, e instaurar / pôr usam-se para uma acção judicial.

 Registei, fiquei agradecido e fiz a emenda sugerida. Todavia, agora, sozinho, ao consultar jornais recentes, dou conta de que ‘providência cautelar’ está sempre precedida de tempos do verbo interpor. Até na revista ‘LER’, página 10, edição de Fevereiro, o Pedro Mexia diz a certa altura “…interpuseram uma providência cautelar”. Perplexo, concluo: neste País os erros ocorrem uns atrás dos outros. Ao erro político do jovem junta-se um erro generalizado do uso do português, por parte de jornalistas e intelectuais.

Pelo menos, desta providência cautelar, já retirei algum proveito pessoal. Sócrates é que não. É bem feito.

Uma boa notícia

Constâncio vai para o BCE. Inicia-se agora o processo de escolha de um novo Governador do Banco de Portugal que não veja, não ouça, nem repare.

Haverá um lugarzinho aí na Europa para José Sócrates? Qualquer coisa na área da engenharia civil, por exemplo, desde que não faça projectos.

Ainda pensei no Haiti que está a precisar de mão-de-obra especializada, mas uma catástrofe num século para um país pobre já chega.

Do YouTube ao PornoTube

http://www.pornotube.com/player/v.swf?v=bT0xNjk5NzYxJmFtcDtsb2NhbD1mYWxzZSZhbXA7dT0zNg==
O YouTube abriu há 5 anos um novo mundo na pantalha virtual. Como o Google, por exemplo, embora a uma dimensão menor. Hoje em dia, faz parte do nosso dia-a-dia. E como não poderia deixar de ser, começaram a surgir os derivados. Só se copia o que é bom. E assim nasceu o TeacherTube, dedicado aos professores; o Tangle, dedicado aos cristãos; o Totlol, dirigido às crianças; o GifTube, especializado em animações; o ShoeTube, sobre sapatos; o PornoTube, para amantes do porno, e muitos mais.
Completamente ao calhas, escolhi este último para destacar. É um site que funciona exactamente como o YouTube, com a diferença de que é restrito a menores de 18 anos. Quem quer aceder tem de colocar a sua data de nascimento, o que, como se supõe, evita desde logo a entrada de menores. Iam agora os putos mentir quanto à sua idade!
Depois de entrar, tem várias secções, dirigidas a hetero ou gays e uma caixa de pesquisa que permite ir directo ao tipo de vídeo que se quer ver. Diz que é um site muito educativo. Eu não sei, que nunca lá entrei…

Abaixo a Pena de Morte!


Enquanto vai usando dos subterfúgios próprios de regimes párias, a despótica teocracia de Teerão intimida a população, promovendo execuções em série. Como claro sinal de aviso à oposição interna e externa, o governo dos aiatolás ataca em múltiplas frentes, servindo o nuclear como pretexto para acusar o Ocidente de ingerência na política interna do país. A situação no Irão, deixou há muito de ser um problema local ou da região, pois o desenvolvimento de sistemas de ataque de longo alcance, consiste numa série ameaça à Europa, aliada dos EUA.

Geralmente indiferentes a problemas que lhes parecem longínquos, os portugueses poderiam hoje empenhar-se mais na causa dos direitos daqueles que têm arriscado a vida para o regresso do Irão a um sistema mais consentâneo com a sua história milenar.

Aqui deixamos o apelo à colaboração de todos, assinando por Portugal a petição on-line e manifestando o nosso repúdio pela vaga de execuções agendada.

Ajudar aqueles que lutam, é defendermo-nos da prepotência. Colaborem!

http://www.servisis.co.uk/greenwave/greenmail_po.html

Filmes de animação para ver no Youtube

Pigeon:Impossible, é um filme de animação realizado pelos estúdios Martell Animation e colocado no Youtube pelo seu criador, Lucas Martel. Em pouco mais de um ano atingiu o número fantástico de quase quatro milhões de visualizações.

O Youtube como poderoso instrumento de divulgação…

… revela-se igualmente no caso de Muto, do autor que assina BLU, uma animação de baixo orçamento, filmada nas ruas de Buenos Aires aproveitando grafitis e elementos da chamada street art. Mais de seis milhões de visitas até agora, confirmando o Youtube como gigantesca plataforma onde projectos aparentemente dirigidos a públicos minoritários encontram, afinal, os olhos abertos do mundo.

Continuar a ler “Filmes de animação para ver no Youtube”

Youtube, a irrelevância do directo

Este ponto da (ir)relevância das transmissões em directo, refere-se essencialmente a um dos pontos em que o youtube concorre, que é a transmissão de informação.
De facto se passados 5/15/30 minutos da ocorrência de um evento interessante temos essa informação disponível no youtube qual a necessidade e importância de vermos isso em directo?

Mais, qual a probabilidade de, quer a nivel global, quer mesmo a nivel nacional, termos todas as pessoas que nos interessam, sentadas, à mesma hora, com a mesma motivação em frente a um televisor / monitor para assistir a algo que alguém considerou que ia mudar as nossas vidas? Nos tempos do contínuo fluxo de informação via twitters e facebooks eu diria que nenhuma.

O outro lado da moeda é a edição, a selecção do que pode ser relevante, embora no limite tudo seja relevante embora para publicos distintos.. mas isso fica para outra altura.

14 de Fevereiro de 1910 e os 5 mil contos do défice


O «Diário de Notícias» revela que ontem, Domingo, os ministroa do Reino, Justiça e Fazenda foram a casa de José Luciano de Castro, com quem conversaram durante algum tempo. Ontem, foi também a reunião do Partido Regenerador em Cascais.
Teixeira de Sousa, que fora eleito chefe do Partido no dia 16 de Janeiro, promete que irá tentar fortalecer o Partido e respeitar a memória de Hintze Ribeiro. Critica a situação económica do país, que já tem 5 mil contos de déficit e 80 mil de dívida flutuante. O rendimento das alfândegas está hipotecado, bem como o rendimento dos Tabacos, dos Fósforos e dos Caminhos-de-Ferro. Há risco de bancarrota porque não há mais nada para hipotecar. O estado das colónias é de descalabro. Não há assistência pública,a instrução é rara e má, as corporações administrativas asfixiam sob uma tutela que as esmaga. «A lei eleitoral é uma burla, a soberania do povo não existe»
De Coimbra, Hipólito Raposo escreve o texto «As Engomadeiras». «A minha engomadeira é uma mulher esperta, risonha e bem falante, com o timbre de voz docemente cantado que torna a pronúncia de Coimbra a mais bela de Portugal.»
No futebol, o Gilman Sporting Clube ganhou por 3-0, no Lumiar, ao Sporting Clube de Portugal

O Segundo Caderno de Pensamentos do Sr. Anacleto da Cruz

Aqui há uns anos publiquei no defunto O Afinador de Sinos o Caderno de Pensamentos do Sr. Anacleto da Cruz.

A partir de hoje começo a publicar, aqui no Aventar, o Segundo Caderno de Pensamentos do Sr. Anacleto da Cruz. Às vezes óbvios, ou mesmo demasiado óbvios, volta e meia surpreendentes, de quando em quando disparatados ou mergulhados em nonsense, são como o seu criador. Se gostarem, fico com os louros, muito obrigado. Caso contrário, a culpa é do Sr. Anacleto, pois claro.

I

Entre verdades muito grandes, escolhe sempre

a mentira mais pequena.


II

Contenta-te com pouco. Ou com nada.

Contenta-te, contudo.


O meu Youtube

Sou do tempo em que o acesso à NET se fazia com uma banda sonora muito particular: os ruídos de um modem capaz de nos conectar através de uma linha telefónica a essa velocidade de sonho: 56 K.
Modem 56K
Lembro-me de fazer páginas com meia dúzia (literal) de KB, seguindo o lema, less is more.

Recordo, sem saudades, a primeira imagem que coloquei num site e o cuidado que tinha com o seu tamanho – vídeos era coisa que ninguém ousava colocar na Web. Continuar a ler “O meu Youtube”

O primeiro vídeo do youtube

Este é o primeiro vídeo colocado no youtube, onde se vê um dos seus fundadores e nada de especial acontece.

Uma boa metáfora para muito do que o youtube viria a ser. O nada de especial pode ser importante para uma ou duas pessoas (certamente para os progenitores do rapaz, por exemplo), e a exposição ao mundo dessas coisas sem importância passou a uma forma de expressão cultural, chamemos-lhe assim por enquanto.

Nota: Hoje comemora-se a constituição de empresa youtube, por 3 funcionários da Paypal. O 5º aniversário do ínicio das emissões será a 23 de Abril.

A grande feira

Quando à descrença se junta a indignação, dificilmente se reserva o devido lugar, o devido espaço, à lucidez. O actual momento político e social que se vive é um claro exemplo disso.

Tem-se feito muita confusão sobre coisas distintas, a começar pelo papel e legitimidade de instituições da República e dos órgãos de comunicação social, passando pela substância política e partidária do momento.

As suspeitas que se estão a lançar sobre o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), não têm qualquer fundamento: as escutas a José Sócrates foram consideradas ilegais e bem, ao abrigo da Lei Processual Penal vigente. E, também, correcta a ordem de as destruir, pois o que é ilegal não deve produzir efeitos. Outra coisa, são todas as demais escutas, que têm vindo a ser publicadas, nomeadamente pelo semanário “Sol”, e de cuja análise se pode concluir a existência de um plano para controlo da comunicação social em benefício da governação de José Sócrates. Destas escutas, sim, deveria já o Procurador-Geral da República (PGR), no caso de concordar com tal concepção do alegado plano, agir e abrir o respectivo inquérito criminal. Se não concorda, deverá explicar porquê. Tal não cumpre ao Presidente do STJ, que fez o que deveria fazer, no estrito cumprimento da Lei. É ao PGR que cabe esclarecer quem representa, ou seja a sociedade.

Por seu turno, o semanário “Sol” depende, e muito, de capitais angolanos. Espero que tal não esteja a ser, também, um dos fundamentos desta actuação do jornal que, ao invés de pôr tudo, definitivamente, às claras, vai publicando aos poucos. E fazendo “edições extras” em que cobra o mesmo preço a que vende normalmente o jornal com “dvd” e revista. Se as “revelações” continuarem neste ritmo e nesta lógica, acho que começa a cheirar já a despudorado mercantilismo. E espero que as páginas relativas a Joaquim Oliveira sejam publicadas na próxima edição em papel do “Sol” em Angola.

Continuar a ler “A grande feira”

Sócrates regressa em forca, Mário Lino é o último a saber

Mário Lino que tutelava a PT diz que essa coisa de a PT comprar a TVI é uma patranha. Depois de Granadeiro se sentir corno, Mário Lino assume o papel do esposo traído que só acredita se vir os amantes na cama,e confirmar que não se encontram apenas a dormir.

Sócrates mandou dizer que o Carnaval acabou, convocou os órgãos do partido (dizem que por sms, mas parece má língua), e vai aparecer.

Mas tinha desaparecido? E eu a pensar que o homem ainda andava por aí.

Não sei em que livro de citações decorou ele que a sorte protege os audazes, depois perceberá que as fugas em frente aumentam a dimensão do tombo na hora em que ocorre. Ainda tem tempo. A Quaresma começa na 4ª feira.

Mais um golpe, mais um roubo

No Aventar os xutos na bola, com a rúbrica FUTaventar entrou tarde e ainda há quem resista à discussão, talvez com algum sentimento elitista considerando que a bola é coisa de pobre! É sim senhor! E ainda bem que existe porque tudo o resto é muito mais vergonhoso.
Atente-se:
Gaia: a Escola António Sérgio fica no centro da cidade, bem juntinho ao hospital, ao novo hotel; A Secundária de Canidelo, junto ao nó do fojo a meio caminho entre a VCI e a praia…
Gondomar: a Secundária é absolutamente central na sua localização…
No Porto… Em Lisboa…
Temos estas localizações todas nas mãos de uma coisa a que chamam Parque Escolar. Esta coisa, se calhar uma sucateira ou uma PT ou… vai ficar com todas estas escolas secundárias na mão. Não tarda nada, temos as escolas com poucos alunos, os terrenos fora das mãos do estado e algum boy a lucrar milhões.

Por estas e por outros é que prefiro falar e escrever sobre o Simão.

Está tudo em aberto….

A saga de Sócrates prossegue.
A direita não desarma .Ele defende-se dizendo que só sai ,se houver eleições democráticas.Desafiada, a oposição recusa uma moção de censura,sob o pretexto de que não seria bom para a imagem do país . Querem assar o Governo em fogo lento .

O país está dividido.Para uns há uma enorme manipulação.Para outros há uma insuportável verdade.
Em qualquer dos casos,creio, há uma derrapagem democrática.
Na Madeira a intervenção nos media nunca levantou protestos nacionais deste género.
Nem nenhum dos governos do pós 25 de Abril tem a este respeito as mãos limpas.
A imprensa, de contra poder que devia ser ,foi passando , paulatinamente a ser um “quarto poder”, nas mãos de yes men,ou de boys, graças às intervenções do Poder .

Agora, o “Sol”,que aqui clama que não há liberdade de imprensa, teve de retirar duas páginas da reportagem da edição desta semana, na edição que vai para Angola-”modelo” de democracia- ,porque um dos envolvidos no caso da “Face Oculta” é sócio da filha do Presidente da República ,que não se quer sujar com isto, e é sócia também do semanário.
Por outro lado ,neste assunto das escutas ilegais, Sócrates não tem sido assertivo. Tem falado a destempo, sem dizer o que devia.
Parece-nos que era altura de despedir alguns “amigos” ,e definitivamente,se é esse o caso, desautoriza-los por terem falado em seu nome,sem sua autorização.
Tem-se a impressão que há (ir)responsáveis que ocupam lugares no topo de empresas do Estado,simplesmente por causa da côr do cartão partidário, e constata-se que nestas situações mais agudas, em que é preciso,sangue frio e maturidade,não estão à altura .Só tentam salvar-se, e aos ordenados chorudamente desmedidos que auferem ,sem pensarem nas empresas que representam,na oportunidade das suas intervenções, no Estado que os colocou lá, e no país em que vivem E na Justiça assistimos ao mesmo desacerto .Causam muito desgaste e descrédito ao regime .
É nessária e urgente uma intervenção clara , e forte .
O Governo tem de agir aqui rápida e definitivamente ,e mostrar que está a trabalhar nas outras áreas que tanto preocupam os portugueses, vitimas de uma crise para a qual o Governo não os preparou, minimamente,não falando toda a verdade quando era tempo. Basta de erros!
António Costa fez muito bem em recusar passar da CML para o Governo,pois há quem fale já na substituição de Sócrates no próprio PS, lembrando que tinha um compromisso de quatro anos com Lisboa. O país e os lisboetas não esquecerão esta garantia da sua palavra. Manter a palavra nos políticos já é tão raro,que ele só terá a ganhar com isso.
ASerzedelo

O sr. Lopes e o sucateiro generoso

As faces quando se ocultam ocultam-se para todos: parece que o sucateiro bigodinho também passou cheques a Paulo e Pedro Santana Lopes.

Não vejo o espanto. Politicamente Pedro Santana Lopes tem sido um grande produtor de sucata. É natural que a venda. Mau seria se a tivesse despejado numa lixeira qualquer.

Mas alguém pensava que o verdadeiro homem de negócios só subsidia uma parte do Bloco Central? Se ele já estava no ramo quando PSD e PP foram governo estavam à espera de quê?

O Carnaval de Ovar


O carnaval de Ovar é hoje a maior manifestação cultural da cidade e um dos mais importantes certames do género do país. Realiza-se todos os anos com a presença de milhares de espectadores, vindos de todo o país para assistir «in loco» a um cortejo marcado pela alegria e vivacidade, pela cor e movimento.
Apesar de toda a organização que revela hoje em dia, podendo ser considerado um verdadeiro produto turístico que traz enormes benefícios para o concelho, o carnaval de Ovar começou por ser algo de espontâneo que se realizava todos os anos por vontade da população, que «se lembrava» de sair à rua para se divertir, esquecer as agruras do dia-a-dia e, por uma vez no ano, fingir que era alguém completamente diferente.
«Nesses tempos, diz-que os vareiros – «eles» e «elas» – perdiam alguma vergonha no carnaval. De certo modo assim era, porque até onde a memória nos leva, vemos o carnaval em Ovar como a válvula de escape da loucura que os vareiros domavam dentro de si, durante muito mais de trezentos dias e outras tantas noites – o que é, ainda, mais difícil -, com uma paciência que só a planura do chão- e não a dos costumes – pode justificar… E durante os três dias e as três noites, longas quanto baste, que antecedem a quarta-feira de «cinzas», «eles» e «elas» trocavam entre si as momices que a quadra exigia… e que a moral só permitia nessa quadra.» (A. Hugo Colares Pinto) Continuar a ler “O Carnaval de Ovar”

Noites Brancas (Memória descritiva)

Já aqui contei que traduzi o livro «Noites Brancas», de Feodor Dostoievski. Fiz a tradução a partir da edição francesa, pois de russo apenas sei aquela meia-dúzia de palavras que toda a gente conhece. Traduzi a partir da tradução francesa de Pierre Pascal e Boris Schloezer – essa, sim, feita directamente do russo. Havia já as excelentes traduções de Maria Franco e de José Marinho (que fiz questão de não consultar durante o meu trabalho). Houve posteriormente a de Luiz Pacheco para a sua artesanal editora – a Contraponto. Mas não contei os motivos por que fiz a tradução e num tempo recorde, em muito poucos dias. Bem sei que o livro não é grande, mas, mesmo assim, foi uma maratona e tanto. Por que tive de traduzir o livro tão à pressa?

Estávamos na primeira metade dos anos 70, eu trabalhava numa editora internacional e íamos lançar uma «História da Arte» em muitos volumes. Era uma obra preparada com cuidado, com a versão portuguesa dirigida por um grande especialista na matéria, José António Ferreira de Almeida (1913-1981), professor catedrático na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde viria a ser presidente do Conselho Científico.

Lembro com saudade o professor, as reuniões que fazíamos na editora ou na sua casa do Restelo – pois, com aulas também na Faculdade de Letras de Lisboa, de onde, aliás, era natural, dividia o tempo e a vida entre as duas cidades. Numa moradia não muito grande, acumulava mais de 40 mil livros. Salas e corredores, tudo estava forrado de estantes até ao tecto -. um espectáculo impressionante. Era uma pessoa alegre, bem disposta, e com uma cultura vasta que não se restringia à sua área de especialização. Continuar a ler “Noites Brancas (Memória descritiva)”

Ouvi dizer – Ornatos Violeta


Ouvi dizer que o nosso amor acabou.
Pois eu não tive a noção do seu fim!
Pelo que eu já tentei,
Eu não vou vê-lo em mim:
Se eu não tive a noção de ver nascer um homem.
E ao que eu vejo,
Tudo foi para ti
Uma estúpida canção que só eu ouvi!
E eu fiquei com tanto para dar!
E agora
Não vais achar nada bem
Que eu pague a conta em raiva!
E pudesse eu pagar de outra forma! Continuar a ler “Ouvi dizer – Ornatos Violeta”

É a privatização do ensino, pois é

O Público desvenda hoje o fascinante mundo da privatização dos edifícios escolares.

No que parecia ser uma medida correcta do governo em termos de investimento público, renovar as instalações escolares, já sabíamos pelo Tiago Mota Saraiva e pelo Paulo Guinote que nem tudo ia bem: obras mal inspeccionadas, contratação de gabinetes de arquitectura e das grandes empresas de construção civil em moldes no mínimo suspeitos.

Agora descobre-se que a Parque Escolar ficará proprietária dos edifícios onde interveio, e que assim poderá vender os terrenos “excedentários”, normalmente localizados em locais bem apetecíveis para a especulação imobiliária.

Melhor ainda: o aluguer dos espaços escolares, uma das poucas fontes de auto-financiamento das escolas, reverterá em 50% para a Parque Escolar.

Sobre a qualidade das intervenções, quando

Na D. Pedro V pagaram, em Dezembro, seis vezes mais do que em igual período do ano passado. De 600 euros a factura de electricidade passou para mais de três mil.

pergunta-se como, já que a ideia era precisamente a inversa, isolar os edifícios de molde a baixar os custos de aquecimento.

É a privatização do ensino em marcha, no que toca aos edifícios, que quanto ao resto Maria de Lurdes Rodrigues lançou o tratamento de choque que o irá justificar politicamente.

No mesmo Público Rui Tavares escreve que Sócrates é do centro-esquerda. Boa piada.

Sou Trendy com um toque vintage

Aí em cima, no título, está o “estilo” de um gajo que responde a uma série de perguntas de uma revista “Pública”.
E o que veste? Camisola Burberry, calças h&M, sapatos Fly London, casaco vintage. E…
E depois, porra? O que é que isso tem a ver com a felicidade das pessoas, a começar pelo próprio? Eu calço (deixa ver…) Rockport, calças Armani (mentira…) e camisa H&M (não consigo ver a etiqueta no pescoço, deve ser mentira.). Visto-me assim todos os dias? Sei lá, visto o que está mais à mão, os sapatos mais confortáveis, conforme está frio ou calor.

Se vou a um jantar visto um casaco e uma gravata (por acaso sou doido por gravatas tenho uma legião delas compradas em sítios muito diferentes) que é sempre a mesma, isto é, uma para as alegres outra para as tristes, mas isso não concorre em nada para o meu estilo.
Andei anos seguidos de fato e gravata, no inverno e no verão (profissão oblige…) chegava à loja e trocava um dos fatos por outro igual, por acaso todos muito caros, mas era porque eu não aguento a “fazenda” junto ao corpo, tinha que ser do melhor, nem assim me safava estava sempre com vontade de urinar o que só me passava quando vestia umas jeanes.

Será que nem trendy consigo ser? E vintage? Quem não aguenta andar muito direitinho para não amarrotar os casacos “armani” tem que, forçosamente, andar mal vestido?
Eu ando bem vestido! Mas a verdade é que ninguem me pergunta nada sobre o assunto, ao contrário de um amigo meu jornalista que me telefona e pergunta-me uma coisa qualquer sobre economia, ou Gestão de Empresas, e só na semana passada descobri que apareço no jornal a dar doutas sentenças!
Um gajo quando é pobre…

nÃO sEJAS dURO dE oUVIDO 2010 Fev #12:

Desta vez trago mais três novos lançamentos, sendo um deles um caso muito especial.

Assim, temos os Midland (The Courage of The Others) e Hot Chip (One Life Stand). Não posso deixar de sublinhar o regresso dos grandiosos Tindersticks (Falling Down a Mountain) com direito a concertos em Portugal. Há uns anos assisti a um concerto de Stuart Stample e sua banda no Coliseu, uma coisa de outro mundo. Memorável.

Continuar a ler “nÃO sEJAS dURO dE oUVIDO 2010 Fev #12:”