Para começar…

Em tempo próprio, quase em simultâneo com a estreia nas salas portuguesas de “Alice no País das Maravilhas” de Lewis Carroll numa realização cinematográfica de Tim Burton, chego hoje, no mundo das aventuras da blogosfera, ao Aventar. Cabe-me, por isso, antes de mais, agradecer o convite para participar neste espaço de escrita e expressar a minha alegria pela partilha que agora inauguro e a que darei continuidade mais frequente a partir de Abril. Depois da minha apresentação feita, gentilmente, pelo Ricardo Santos Pinto  (ver aqui) e da notícia de hoje do jornal Público (ver aqui),  devo ainda esclarecer, neste primeiro momento, que sou uma cidadã de esquerda e que a expressão do meu apoio a algumas políticas do actual Governo se deve, não a incondicionais defesas partidárias ou ideológicas mas antes, a considerações que ajuizo em termos de interesse nacional e governabilidade possível (isto é, viável)  no actual contexto económico-político europeu.  Depois desta pequena nota introdutória, quero agora partilhar convosco, de forma breve, uma reflexão que considero urgente sobre um novo e cuidado olhar que é preciso desenvolver em relação ao património histórico e etnológico que, no nosso país, tão incipiente tratamento e valorização efectiva merece… para o efeito, sugiro a leitura de 2 textos que servem, simultaneamente, para se relembrar a natureza dinâmica do conhecimento e o facto de, no século XXI, não ser admissível, num país que se pretende moderno e desenvolvido, ter uma cultura científica enfeudada a pequenos, tradicionais e escolásticos núcleos de poder que se esgotam na gestão das existências… um destes textos refere uma importante descoberta em território nacional (ver aqui) enquanto o outro nos remete para uma realidade arqueológica mediterrânica (ver aqui) que cultura e etno-história portuguesas não podem continuar a ignorar.

Comments

  1. Fernando Moreira de Sá says:

    Confesso Ana, estava (e estou) a ouvir Madredeus enquanto lia o teu post e pensei, estando eu a ouvir a excelência da música portuguesa que coincidência encontrar por aqui a Ana. Que bom para o Aventar. Que bom para todos.

    Que esta sua nova casa lhe traga grandes alegrias e enorme prazer na escrita. Seja muito bem-vinda.

  2. Ana Paula Fitas says:

    Obrigado, Fernando 🙂
    … pelas boas palavras e o bom acolhimento 🙂
    É com muita alegria que partilho esta nova casa!
    Aquele abraço 🙂

  3. Luis Moreira says:

    Ana Paula, deixei-me antecipar e o Fernando não é ultrapassável, pelo que me limito a desejar-lhe o melhor aqui no Aventar!

  4. Ana Paula Fitas says:

    Obrigado, Luís 🙂
    … há caminhos bons a percorrer e esta é uma caminhada que vai, por certo, valer a pena 🙂
    Abraço


  5. Bem-vinda, Ana, a esta nossa casa.
    O melhor para si nesta nova aventura.
    Abraço

  6. Carlos Fonseca says:

    Mais vale tarde do que nunca, e assim, transmito-lhe agora os meus sinceros votos de ‘boas-vindas’. O seu texto diz-me que o Aventar ganha. Oxalá a Ana também.

  7. luís rodrigues ferreira says:

    que triste figura prof ana paula, uma vergonha vergar.se aos pés de um energúmeno como ricardo santos pinto, quando é que aparece em blogues com loas ao nazismo? que espírito tão pobre… e pobre de mim que tinha alguma consideração intelectual por si.

    • Luís Moreira says:

      Vergar-se aos pés? Você Luis não está bom da testa. A Prof Ana Paula vem para aqui escrever o que muito bem lhe apetecer.Percebo que isto para si seja dificil de entender, mas é assim mesmo!

  8. Danirla Major says:

    Seja bem vinda, cara Ana. Tenho a certeza que o Aventar ganha sendo que o que interessa é a pluridade de opiniões 😀

  9. Pedro says:

    O Aventar é um blogue plural. Ao aceitar aqui colaborar Ana Paula demonstra a sua abertura de espírito e capacidade de conviver com a difença e a diversidade ( de opiniões, estilos, filiações, alinhamentos políticos, etc.)
    Parabéns, por isso.

  10. Ana Paula Fitas says:

    Obrigado José Fernando Magalhães, Carlos Fonseca, Danirla Major, Luís Moreira, Pedro e Ricardo, pelas boas-vindas e pelas boas palavras aqui registadas 🙂 a quem reitero o meu prazer por partilhar este espaço de escrita 🙂
    … aceitem as minhas desculpas por não responder individualmente mas corro o risco de me repetir 🙂
    Abraço 🙂

  11. Ana Paula Fitas says:

    Caro Luís Rodrigues Ferreira,

    O seu comentário não merece resposta por se tratar de uma provocação gratuita… de qualquer modo, penso que me posso dar por feliz por lhe terem sido dadas respostas pelos meus colegas que, naturalmente, subscrevo. Termino lembrando que demagogia, intrigas e ofensas gratuitamente provocatórias são o maior inimigo da Liberdade e um verdadeiro empecilho para a prática democrática de uma cidadania efectiva, “de jure” e “de factum”.


  12. Como leitor habitual de A Nossa Candeia, vai ser um prazer lê-la, agora também aqui, Ana Paula.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.