PSD directas – Resultados lV

Resultado final na Maia : 339 para Passos Coelho, 180 para Rangel. O melhor resultado de sempre de um candidato.

Resultados finais favoráveis a Pedro Passos Coelho: Porto acima de 60% ; Sintra acima de 60%; ganha em Guimarães, espinho,Lagos, Sever do Vouga, Ovar.

Na Trofa resultado histórico : PPC 651 votos contra 177 de Rangel.

PSD directas – Resultados lll

Em Gaia, faltando apenas os resultados de duas mesas Pedro Passos Coelho ganha com 80% dos votos!

Na Maia, terminada a votação ganha Pedro Passos Coelho!

Somos tão parvos…

… todos os “portugueses” que vivem para cá de Almada e Vila Franca de Xira…
Dia 8 de Abril chega aos cinemas de bom gosto Pare, Escute, Olhe de Jorge Pelicano.

PSD directas – O Aventar sabe primeiro -2

Grande afluência às urnas, tudo indica que vão ser as mais concorridas de sempre. Entretanto, nas pequenas seccões onde a contagem se faz mais rapidamente, Pedro Passos Coelho toma a dianteira e vence .

Nas grandes seccções os militantes ultrapassam os mil votantes como é o caso do grande Porto.

A tendência (forte) inclina-se para Pedro Passos Coelho. Mais informações daqui a meia hora!

Mudança da hora

É só para lembrar que no próximo Domingo muda a hora. Pois é, entramos na chamada “Hora de Verão”.

Por isso convém não esquecer de adiantar o relógio uma hora na madrugada do dia 28 – da uma da manhã passar os ponteiros para as duas.

Depois não se queixem que chegaram atrasados à missa ou à casa dos sogros por causa da mudança da hora, ou, pior, dizendo que a culpa foi da canalha.

Marcelo a votos nunca ganhou nada!

Uma forma de desvalorizar a vitória de hoje, seja de quem for, é apresentar uma pretensa sondagem que dá Marcelo Rebelo de Sousa como provável vencedor se estivesse na corrida. Como não está, ganha ele nas intenções de voto. A verdade, verdadinha, é que Marcelo sempre que foi a votos perdeu !

Mesmo com mergulhos temerários no Tejo, a precisar de prévia vacina contra o tétano, perdeu Lisboa. Como Presidente do PSD deixou-se enrolar na conversa mole e de encher de Paulo Portas e acabou com a coligação, demitindo-se. Analisar é uma coisa, apresentar  propostas concretas, acreditar nelas, lutar por elas, convencer, é outra muito diferente.

Marcelo tentou ser entronizado, não ía a votos, desistiam todos a seu favor . Isto tinha uma vantagem e várias desvantagens. A vantagem é que todos ficavam “debaixo da lei da rolha” não por 60 dias mas para sempre e o PSD deixava de ser uma arena de “facadas”, por trás, pelos lados e pela frente. Mas as desvantagens tambem não seriam pequenas. Desde logo porque não tinha a legitimidade de quem vai a votos, depois porque o PSD não seria renovado, a geração de Marcelo, Cavaco e Manuela F. Leite e com eles todos os barões e baronetes ficariam no remanso dos lugarzinhos.

Como Marcelo não quiz fazer esse papel houve que ir buscar a Bruxelas, Rangel ! Não ganha? Mas ganhava Marcelo!

É a vingança do chinês…

1300 estágios para licenciados em Direito

Foi anunciada a criação por parte do Governo de 5000 estágios, sendo 1300 para licenciados em Direito.

Face a isto, a Presidente da Associação Nacional dos Jovens Advogados, Joana Pascoal, veio defender a tese que esta é a prova de que não há Advogados a mais.

Sobre o número execessivo de Advogados já escrevi no Aventar, e recordo sumariamente:

“- Em 1991, a totalidade de cursos de Direito em Portugal “produzia” cerca de 1.500 licenciados por ano, sendo que a partir de 1994 passou para cerca de 2.000 por ano. Destes, em média, cerca de 82% inscreveram-se como Advogados (após conclusão do respectivo estágio).

– Em 2003, havia cerca de 20.000 advogados inscritos na Ordem dos Advogados (doravante OA).

Hoje, existem cerca de 31.000, dos quais cerca de 27.000 exercem, sendo cerca de metade, jovens advogados (com inscrição na OA há menos de 10 anos). Uma racio de um advogado para cada 350 habitantes (na Áustria será um para cada 4.200, na França um para cada 1.800).”

A decisão do Governo, prende-se com a preocupação de fazer baixar o número de licenciados inactivos, sem saída profissional ou sequer ocupação. Porque primeiro licencia-se sem limites e depois é que se vai arranjar modo de ocupar todos os doutores e engenheiros que este Governo tanto gosta agitar como grande bandeira.

Trata-se de remendar, e mal, políticas de ensino desadequadas do mercado de trabalho, com especial relevo para a proliferação de licenciaturas em Direito. Bem como baixar, estatisticamente, as racios de desemprego e de inactividade de milhares de licenciados em Portugal. Tanto mais que é sabido o crescente número de jovens licenciados que nem sequer o primeiro emprego conseguem conquistar.

O que está em causa é ocupar e dar alguma saída a licenciados em Direito, não é dar empregos a Advogados.

Uma coisa é haver – e há, certamente – carência de Juristas seja na Administração Pública seja nas empresas privadas. Outra coisa é que se confunda ser Jurista com ser Advogado.

Quando não se sabe, ou não se quer ver, a diferença, algo está muito mal.

PSD: Afluência recorde na primeira hora

Na primeira hora de votação no PSD, estão a bater-se recordes .

Só para se ter uma ideia, só na primeira hora votaram 600 militantes em Vila Nova de Gaia e 200 na Maia. Números que estão a ser mais ou menos iguais no resto do Grande Porto.

As urnas deviam fechar às 23 horas, mas a continuar assim, devem fechar mais tarde.

A mim não guiará a igreja.

A propósito do post de A. Pedro Correia, e aludindo ao comentário de “Odisseia” eu diria que a mim não guiará a igreja, em nada. Quanto à responsabilidade da igreja e do papa nos abomináveis crimes de pedofilia, venha quem vier e diga o que disser para aligeirar as coisas, que isso não passa de uma tentativa de atirar areia aos olhos de quem vê.

Em primeiro lugar, a carta do papa tenta focalizar, intencionalmente, esses sórdidos actos na igreja da Irlanda, como se de  uma situação endémica se tratasse, quando todos sabemos que eles invadem como uma epidemia quase todos os países e continentes.

As vítimas e muitas outras pessoas ficaram indignadas, porque as palavras do papa não são de molde a criar em nós um sentimento de credibilidade na sua sinceridade e naquilo que ele diz e sente. E compreende-se essa incredulidade dado ter sido este papa, quando cardeal Ratzinger,  um dos que mais se empenharam no encobrimento destes crimes, criando, nomeadamente, por escrito, há já alguns anos, normas, regras e directrizes, tácticas e estratégias, ministráveis aos membros do clero, no sentido de os ensinar a encontrar a melhor forma de esconder, escamotear e evitar o conhecimento e as denúncias de tais casos. [Read more…]

PSD directas – O Aventar sabe primeiro

Primeiros números: Em Macau, temos resultados finais. Passos Coelho 19 votos a favor ; 1 para Rangel.

Na Maia votaram mais de 200 pessoas e em Gaia mais de 600 militantes.

Mantenha-se atento. O Aventar sabe primeiro!

o medo que o adulto tem da criança

para os homens que são pais.

filhas a rirem do pai

1. O problema.

Estou certo de que o titulo deste texto, não é um titulo que pareça ser verdadeiro. Até parece uma invenção da minha parte, propor que o adulto tenha medo da infância. Na nossa cultura ocidental bem como na maior parte das culturas ou modos e maneiras de pensar, a ideia parece ser ao contrário. Até as artes dedicam a sua estética a salientar o amor que a criança recebe. Amor do qual ninguém parece duvidar pela pratica do sentimento, um conceito de sui. Sentimento racionalizado que coloca outra questão. E esta outra questão é simples: porquê tanta insistência em amar os pequenos? Será por ser um sentimento nem sempre praticado? Será uma questão que tenta lembrar o tabu que significa o não tomar conta da infância? Assunto este que não parece problemático na quotidiana interacção social nem estimulante para pensar.

No entanto, é problemática para mim. Estou habituado a observar que o que é socialmente mandado e não obedecido, pode fazer mal. E, para que mal não faça, é reiterado como norma de comportamento entre as pessoas. Como é para os adultos o facto social de estarem devotados de criar a pequenada. Como é que a fidelidade entre adultos é parte do bem criar a infância. A não relação reprodutiva entre consanguíneos, tem feito parte de divisão social dos sentimentos, espalhados na interacção entre conhecidos e desconhecidos ao longo da vida. O respeito à lei, o temor à polícia, a aceitação das hierarquias, o desejo de bem-estar, é ideias culturais que o adulto deve transferir à infância, tal e qual a fidelidade e lealdade entre eles, já referida. Talvez, uma simples análise das histórias de crianças nos possa revelar a necessidade de enfatizar a valentia, o saber lutar, resistir, aceitar mas com critica. Donde, a insistência do amor i.e., respeito e cuidados do adulto pela criança, levanta questões em mim. Como deve levantar em muitos adultos, que se importam analisar a interacção adulta criança. Não posso deixar de reconhecer que há amor à pequenada, que a pequenada faz ilusão, que a pequenada é desejada entre as pessoas. Não há ninguém que não se queira ver reproduzido noutro ser derivado de si, em fazer berço dos braços para acarinhar esse ser feito. Em criar pensamentos que introduzam os mais novos dentro da vida social. Criança feita por nós, na relação íntima com mais alguém. Se acontece ser natural pensar, cantar, instruir, construir ideias para transferir, beijar, sorrir e lutar pelo ser que fizemos, porquê passa a ser necessário desenhar, cantar, escrever, debater, raciocinar, abstrair dentro da cultura um facto que parece ser normal? Não será necessário lembrar aos adultos o tipo de relações com a nova geração? Porém, ideias desenhadas para orientar esta interacção entre os adultos e  infância

2. A paixão.

Duas pessoas encontram-se um dia olhando-se nos olhos. Os olhos, a dita janela da alma do corpo. E do pensamento. E gostam, e os olhos sorriem e penetram profundamente no sentimento de quem aceita esse olhar sedutor. Nasce uma paixão entre esses seres até uma nova entidade humana nascer um dia. Novo ser resultado da culminação do amor entre dois. Cume que, no começo, nada tem de vendavais. E se vendavais houver, como falta de meios para alimentar, como pranto á noite, como fraldas, como cuidado que querem introduzir os pais dos pais, como falta de licença para fazer esse ser, como existência de outros afectos com outra pessoa, enfim, todos esses vendavais são abatidos pela paixão, é dizer, pela atracção dura e tensa de dois corpos que só se sabem entender e se procurarem. E mais nada a fazer. Eis que a mente humana criou o mito da concepção virginal para salientar a identidade de quem pode mudar a matéria e abater a morte. Em todas as culturas de todas sociedades. Donde, o ser feito é uma continuidade de dois adultos. Donde, o ser feito identifica os adultos sintetizados nele. É o que se diz ser complementar o amor. Amor, um entendimento do contexto do outro e um respeito a esse contexto, uma companhia a esse contexto. Uma idealidade de vida, uma amabilidade na vida a dois. Como a nossa sociedade manda.

É aí que nasce o primeiro medo do adulto à criança: o de interromper o contexto a dois, o entendimento a dois. Um rompimento da paixão se ela não incluir o novo ser que fez. Paixão que podia ser a três, a quatro, a mais, se se entender e sentir que todo novo ser é mais um membro do casal original e não um intrometido como tenho observado acontecer. Romantismo, pode dizer o leitor? Mas, quem pode procriar e amar e manter a paixão sem romantismo? Será a materialidade reprodutiva, a posse de recursos, a possibilidade de juntar pessoas e bens que guarda o amor, e o amor com desejo e compreensão, a paixão? Responda o leitor.

[Read more…]

Pequeno contributo para a defesa da Igreja Católica

Citando o documentário “The Myth of the Spanish Inquisition”, da BBC, conta-nos a Eternal World Television Network, canal de televisão de inspiração católica:

“A tortura era usada, mas não podia durar mais de 15 minutos e nunca poderia ser aplicada duas vezes na mesma pessoa. Walsh [William T. Walsh, historiador americano] afirma que, para que a tortura pudesse ser usada, um médico tinha de estar presente, e, à sua ordem, a tortura deveria ser interrompida.”

Ah, bom, isso já é outra coisa.

Acabemos com esse difamatório erro histórico e vejamos a verdadeira Inquisição espanhola:

A leitura das sondagens

Dizem os “ analistas” que o facto de haver um maior número de votantes  socialistas a preferirem Pedro Passos Coelho é porque têm medo de Paulo Rangel. Como socialistas preferem o que menor perigo representa.  Esquecem é que há 20% de votantes socialistas que já votaram social-democrata, são os tais 20% que dão ou não maiorias, que dão ou não a vitória e, sendo assim,  uma leitura certeira é estes votantes “volantes” preferirem PPC quando se trata de votar o futuro potencial primeiro ministro.

As leituras das sondagens podem ser várias, até antagónicas, pois se até nas eleições perante “factos” os partidos que têm menor número de votos conseguem dizer que não perdem!

Mas o que é absolutamente importante é que PPC apresente um caminho alternativo a este caminho Socrático que nos arrasta para a pobreza, como hoje é claro para quem quer ver. Um caminho assente numa economia virada para as  pequenas e médias empresas ( e não nos negócios da PT, BCP, CGD…) que exporte e substitua importações, que inove, que invista em novas tecnologias, que crie emprego e valor.

Bandeira Monárquica no Parque

O nosso Nuno já nos tinha avisado que hoje era um dia especial e tal, metia massa, carbonara, facebook e pensei logo na Mónica. Grande malha. Eu gosto sempre de ver uma bandeira azul e branca.

Depois do 31 da Armada e do anúncio do nosso Aventar, mais um sinal da força e irreverência das redes sociais.

Sobre a transferência do Museu Nacional de Arqueologia

O que pode querer um Ministério da Cultura que estabelece o prazo de um mês para o Director do Museu Nacional de Arqueologia abandonar as actuais instalações do Museu?

Pretenderá que ele cumpra a ordem de serviço?

É óbvio que o Ministério sabe que a ordem não tem qualquer viabilidade de ser cumprida. Não teria, em condições operacionalmente rigorosas, mesmo que tivesse sido acatada em Agosto, como se alega.

Assim sendo, o Ministério sabe que a ordem não vai ser cumprida. Atira o Director do Museu para uma situação de desobediência. Deixa-o de mãos atadas, com a cabeça no cepo. [Read more…]

A POLÍTICA DE CONSUMIDORES NA UE E SEUS REFLEXOS EM PORTUGAL

O nosso Aventador Prof. Mário Frota – Presidente da Associação Portuguesa de Direito de Consumo -, é o orador convidado deste Seminário, que ocorrerá no próximo Sábado, dia 27de Março, às 11.00, na Universidade Lusófona do Porto.

Presente e futuro da Advocacia: uma questão de República (8)

Continuando o que escrevi aqui.

Uma vez que a estatística passou a ser o fundamento maior das opções políticas, ao invés da defesa e prossecução do bem público, a Justiça foi a reboque desta nova corrente iluminada de reduzir tudo a números. Assim, um modo de reduzir o número de processos nos tribunais, é retirar certas matérias dos tribunais. Como os tribunais deixam de tratar de certas questões, obviamente o número de processos pendentes baixa.

Uma outra, é afastar os cidadãos dos tribunais, tornando a Justiça num serviço financeiramente incomportável para a grande maioria do povo.

Começo pelo processo de desjudicialização a que assistimos, como é o caso da Lei 29/2009 de 29/06, que prevê que os processos de inventário deixem de ser tratados directamente pelo Juiz, antes passando este a ter intervenção directa limitada aos casos previstos no diploma (artº 6º). O Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado por aquela Lei, era para entrar em vigor no passado mês de Janeiro, e foi, após constantes pressões da Ordem dos Advogados, prorrogado para 18 de Julho próximo.

Repare-se que ao falar de Inventário, está-se a falar de partilhas, o que são sempre matérias delicadas e de potencial conflito. Mas isso pouco importará, ao contrário da agilização.

Acresce a famosa Acção Executiva sobre a qual o controlo dos Juízes é mínimo. De tal modo, que hoje a destituição do Agente de Execução já não passa pelas mãos do magistrado judicial do processo, antes é avaliada pela respectiva entidade com competência disciplinadora (artº 808º nº 6, com a redacção do DL 226/2008, de 20/11). Hoje, isto tipo de acção judicial está praticamente privatizada, nas mãos de profissionais liberais que são os Agentes de Execução.

Aliás, em matéria de cobrança de dívidas, muitos há que entendem que se trata de “bagatelas jurídicas” que nem sequer têm dignidade para serem tratadas num tribunal. Obviamente que são aqueles que têm o seu salário garantido ao fim do mês, não precisando de se preocupar em cobrar créditos para pagar salários ou cobrar os seus honorários.

[Read more…]

A rotativa do República (Memória descritiva)

Em Novembro de 1961, o dia de São Martinho calhou a um sábado. Com um numeroso grupo de colegas e amigos da RTP fui festejar a data para um restaurante dos arredores. Cozido à portuguesa, vinho tinto, castanhas assadas e água pé, pois claro. Ao meu lado sentou-se um jovem, uma meia dúzia de anos mais velho do que eu, mas com menos de trinta anos, trabalhava no Lumiar enquanto eu estava na sede, na rua de São Domingos à Lapa. Falámos durante todo o almoço. Chamava-se João. João Soares Louro.

Na altura era ele um simples funcionário, embora com uma categoria superior à minha, pois trabalhava na empresa desde a sua fundação. Brincámos com a semelhança do nome – Louro, Loures – naqueles tempos se queríamos saber como funcionava politicamente um desconhecido, íamos lançando uns balões sonda para o meio de conversas banais. Embora um dos «subversivos» que trabalhava comigo e o conhecia me tivesse logo tranquilizado sobre aquele colega. Seria tudo menos um bufo. E, antes de terminarmos as entradas, já percebêramos que estávamos do mesmo lado. [Read more…]

Faltam 413 dias para o Fim do Mundo

Hoje é dia de directas mas parece que não se pode falar no tema. É a ERC. Pois. Deve ser por isso que ninguém fala nas directas, ninguém publica sondagens, nade de artigos de opinião. Nada.

É dia de reflexão no laranjal. Imaginem se os barões apanham um desgraçado a caminho da mesa de voto, é devorado. Noutros casos, podem verdadeiras ilhas ser engolidas pela força da maré ou pior. Nada lhes escapa.

Uma coisa é certa, o Aventar vai acompanhar tudo a par e passo. Diz quem sabe que vai ser o Aventar o primeiro a anunciar o vencedor das directas. Não acreditam? Então estejam atentos a partir das 23h.

Aconteça o que acontecer, não vamos estar a dormir. Na verdade, vamos dormir menos horas…

Centenário da república: a melhor vista, no alto do Parque

Não existiu qualquer profanação ou ofensa de nenhum dos símbolos históricos de Portugal, passados ou presentes. Num mastro deixado ao abandono desde Novembro de 2009, alguns fizeram brilhar ao sol, cores que ali não se viam há quase cem anos. O local tem sido profanado, isso sim, pela omnipresença de uma entidade bancária que fazendo publicidade, pretensamente oferece uma árvore de Natal aos lisboetas. No local panoramicamente mais conhecido da capital.
Para quem tenha qualquer dúvida, aqui está a prova, sem truques de perspectiva, photoshop ou outras habilidades do género. Alguns órgãos de comunicação social de “referência”, já iniciaram a campanha de desinformação, dizendo terem os “Carbonaros” substituído um certo – e respeitável – símbolo inestético e de má memória de um péssimo século, pela bandeira azul e branca.

Como sempre, mentem. A novidade é uma não-notícia, porque totalmente falsa!!

Nos sectores da blogosfera políticamente bem instalada na vida, a resposta obedece previsivelmente ao cânone clássico, preferindo-se desprezar a ousadia e invectivando os monárquicos de patuscos! São tão conservadores e elitistas, são reverentes ao poder, caquéticos, imobilistas e agarram-se ferozmente aos capitosos privilégios de casta! É o eterno argumento dos vencidos reduzidos à defensiva e incapazes de sequer colarem um cartaz, coisa que a passada juventude jamais lhes proporcionou. Sempre tiveram quem o fizesse por eles, a troco de metal sonante. No fundo, fica-lhes tão bem.

Não sabem o que é ser irreverente, com respeito por aquilo que deve ser respeitado.
Pois eu rio-me e muito.

A minha menina

May Malen, Cambrige, 240310

A neta ri com brincadeiras do avô

Ou talvez, o meu bebé? Menina define uma criança já crescida, que fala, tem uso de razão, sabe usar a sua inteligência, enquanto um bebé apenas quer comer e dormir e estar no colo dos seus pais, especialmente nos braços da sua mãe. Para um bebé, essa mulher adulta que amamenta, é o mel dos seus olhos. Como são de mel, na permanente carícia, as palavras que me são impossíveis de descrever. São apenas sons, quase em silêncio, palavras doces, um permanente olhar para o fruto da sua criação, resultado de dois que se amam com imensa paixão. Nem podia ser de outra maneira. Referi num outro texto meu como os seus pais se tinham conhecido aos cinco anos de idade. Trinta anos depois. Passara um tempo, o rapazito de cinco anos teve de se ausentar da escola onde os dois estudavam as sua primeiras letras, por causa do trabalho dos seus pais e pelo mesmo motivo, voltaram a reencontrar-se já mais crescidos, na mesma escola que lhe transmitira os primeiros saberes. [Read more…]

Papa e pedofilia

Um post ontem publicado no Aventar levantou alguma celeuma e discussão sobre a justeza do título. Segundo o seu autor, e a propósito deste caso “É tão ladrão o que rouba como o que fica à porta. É tão pedófilo o que viola crianças como o que sabe e fecha os olhos.”

As opiniões, como sempre, dividem-se. Segundo uns, o Papa mostra coragem ao abordar o tema e ao denunciar publicamente os abusos, segundo outros, isso, por si, não basta. E o que é sagrado para os primeiros, é uma das origens do problema para os segundos.

Mas o Papa é acusado de ter dois pesos e duas medidas: É que, se por um lado denuncia e afirma que os padres pedófilos devem sofrer as consequências, inclusive judiciais, pelos seus actos, por outro nada faz, enquanto chefe máximo do Vaticano, para os punir exemplar e publicamente. Dir-se-á que não abre nem fecha os olhos. Pisca-os.

PEC: A vitória de Pirro do Governo

Por todo o lado, lê-se e ouve-se que o PEC foi aprovado, o que significa que estariam à partida aprovadas as medidas constantes desse documento.
Nada de mais errada. Ontem, foi aprovada apenas uma resolução sobre o PEC, nada mais. Quanto às medidas propriamente ditas, vão ter de ser aprovadas, uma por uma, no Parlamento.
E é por isso que o Governo está tão preocupado. Porque a vitória de ontem foi apenas uma vitória de Pirro. Nada significa. E é por isso que o Governo tenta vincular a votação de ontem ao futuro líder do PSD.
Seja com Pedro Passos Rangel, seja com Paulo Coelho, os únicos que hoje podem vencer (a inversão dos nomes é propositada), está garantidíssimo que as medidas previstas no PEC nunca verão a luz do dia.
Claro que não é coincidência (nestas coisas não há coincidências…) o facto de o «Sol» ter retomado, hoje, as escutas das conversas entre Sócrates e Armando Vara.

2010, Março, 26

Chiiiiiuu, não digam nada à ERC…

…mas segundo a sondagem do SOL, o Pedro Passos Coelho está com 49%, o Paulo Rangel com 39% e Aguiar Branco com 5%. Mas, por favor, não digam nada a ninguém pois se a ERC descobre lá vai o Aventar abaixo outra vez. Chiiiiiiuuuuuuu.

Foi assim

O PEC é aprovado. O PSD absteve-se. Salvou a pouca face que lhe resta, embora alguns possam considerar uma atitude cobarde. Talvez, não digo que não. Mas parece-me que em véspera de eleições não se podia fazer melhor. Há quem critique Ferreira Leite porque o PSD é isto e aquilo e mais os cobardes. Eu queria ver Rangel e Passos Coelho com coragem, de facto, isto é, sem as brincadeiras das campanhas, a votar contra o PEC. Culpar Ferreira Leite é a coisa mais típica e mais fácil. Não que ela não tenha culpa, mas os problemas do PSD não se devem a Ferreira Leite. O PSD é o que é desde há muito tempo, não é de agora e achar que alguém como Passos Coelho ou Rangel (que apesar de tudo é o melhor dos quatro) podem resolver os problemas do partido é no mínimo ingénuo.
Olho para Ferreira Leite e vejo duas coisas: uma mulher arrependida, certamente por se ter metido nisto, e cansada de um partido que já nada tem a ver com o que um dia foi. Não foi sem dúvida a melhor das despedidas mas a continuo a achar que das opções da altura ela foi a melhor. E agora que se afaste porque é o que qualquer pessoa com bom senso faria.

Apontamentos de Óbidos (19)

(Lagoa de Óbidos)

Força Vasco!

E se o 31 da Armada se transforma em 31 da Sarrafada isso não é “impulse“, é a malta mais à direita que anda com o nervoso miudinho. Calma, daqui a 24 horas isso passa.  É estranho verificar o interesse de certos militantes de outros partidos nestas eleições. Ou não.

Por isso, desde aqui, do Aventar, envio uma mensagem solidária e de apoio ao Vasco:

Força, força companheiro Vasco
Nós seremos a muralha de aço

Há quem goste de marcha atrás
Há quem prefira meter mão no travão
Mas o povo laranja acelera e faz
O caminho da revolução

Há quem queira mandar para os quartéis
Os soldados, nosso povo armado
Mas a casa dos amigos certos
É na rua e do nosso lado

Há quem queira deixar esta terra
Ao alcance dos da carlsberg
Mas o povo não desarma e diz
Não queremos o do Bildberg

Há quem queira deixar como está
O poder entregue aos morcões
Mas o povo não alinha mais
Co’a preguiça dos senhores Barões

Carbonara – Movimento Monárquico para as Massas:


A Carbonara – Movimento Monárquico de Massas, levou esta noite a cabo, a sua primeira acção directa. Esperem pela manhã de sexta-feira, 26 de Março. O prato servido a Portugal está bem condimentado e tem todos os ingredientes necessários para agradar. Pela irreverência e ousadia! Não perdem por esperar mais umas horas.