Falarmos de netos

falarmos de netos

Foi uma surpresa. Sabiamos que vinha, mas nunca tão cedo, o nosso weñe Javier ou Javie Weñe. Nasceu as 13 ppm da quinta-feira 18 de Agosto dum espirro da mãe!

Não é simples nem difícil. Falar de netos e referir uma geração que substitui a outra. Em anos curtos, ou ao longo de mais da uma década. Há factores heterogéneos, diversos que permitem que três gerações posam partilhar a sua vida dentro do mundo. Parece-me que a mais elementar é a cronologia das idades dos progenitores da geração mais antiga. Se a paixão, o namoro, a sedução começam a uma idade temprana, pode acontecer três gerações partilhem o mundo ao longo de um tempo cumprido. Se o convívio sedutor começa tarde na vida, o mais provável é que a vida em conjunto seja mais corto que o que desejarmos. O leitor pode entender que falo de pessoas que se amam, respeitm e convivem em paz e serenidade, colaboram nos afazeres da vida e respeitam as opções que a geração seguinte opta por realizar. Alternativas afirmativas, enfim, que inspiram reverência, não por causa do seu conteúdo, mas porque a geração mais nova adoptam como ícone ao adulto que mais o orienta dentro das suas opções.

Ser neto não é emotividade, é entendimento, é racionalidade, é seguir com respeito as ideias consultadas a pessoa que sabe entender a via e as suas heterogeneidades. Parece-me que a emotividade pode nascer do agir imitativo de quem não sabe ser orientador dos mais novos e comportar-se com respeito e sedução.

Pode-se pensar que ser avo é complexo por sentir um dever esse orientar. Mas o comportamento e a conduta sábia e calada, exprimida apenas de o agir que não fala, apenas faz, acaba por fazer da tarefa de ser neto, um fugir de carícias e uma reprodução do que se vê é feito e, por imitação, aprende que ser neto não são carícias e seduções, apenas conversas sobre os acontecimentos. Entre nós, as carícias são as formas normais de se contactar. Grande engano.

Faz 28 horas tive um novo neto. Nem desejo correr, desejo respeitar a geração paterna que dirá dia e hora para o conhecer.

Ser neto é um trabalho que deve ser respeitado. Não ser o descendente de um velho que brinca com o bebé e vice-versa. Ser neto é o respeito mútuo entre gerações. Como acontece o quebra-nozes de Tchaikovsy:

na dança da fada açudada.

Ser neto um grande trabalho..

Raúl Iturra, 21 de Agosto de 2011.

 

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: