O Senhor do Atlas

01

O Alto Atlas . foto Yann Arthus-Bertrand

A cordilheira do Alto Atlas marroquino é uma longa muralha com 700 quilómetros de extensão, que constitui uma fronteira entre Marrocos atlântico e sub-tropical, e Marrocos continental e desértico. Os seus cumes mais altos ultrapassam ou aproximam-se dos 4.000 metros, como são exemplo o Jbel Toubkal no Alto Atlas Ocidental, com 4.167 metros, o Jbel M’Goun no Alto Atlas Central, com 4.068 metros ou o Jbel Ayachi no Alto Atlas Oriental, com 3.757 metros de altitude. O Alto Atlas é um mundo de montanhas, rios, lagos, planaltos, vales férteis e gargantas escarpadas, habitado por tribos berberes desde tempos milenares, que conservam a sua identidade pela distância e isolamento.

Para além de fronteira geográfica, o Alto Atlas sempre foi uma fronteira política, que separou as regiões sedentárias governadas pelo poder central, o blad al-makhzen (ou país da lei), das regiões nómadas auto-governadas pelas tribos, o blad as-siba (ou país do caos). Foi a última região de Marrocos a ser dominada durante a conquista Islâmica e a última a ser pacificada pelo colonialismo francês.

Esta é a história de um homem chamado Thami El Glaoui, qadi ou chefe da tribo Glaoua, conhecido como o Senhor do Atlas, e do seu papel ao lado das forças coloniais francesas durante a ocupação e pacificação do Sul de Marrocos. [Read more…]

Olha que chatice, temos de dar esta notícia

Já bem atrasado em relação aos media internacionais, escrevi aqui que em Israel também se acampa, no pretérito dia 31 do mês findado. Na altura tinha constatado, seguindo o google news, não haver uma única referência na comunicação social online portuguesa. Hoje o Público chegou lá.

Mais vale tarde do que nunca? conhecendo o poder do estado sionista de Israel, foi deliberado. O costume.

apDC – Direito ao nome e à identidade

A apDC – associação portuguesa de Direito do Consumo – é uma sociedade cientifica de intervenção que se vota à:

– formação e educação para o consumo

– informação para o consumo

– e a estudos técnico-científicos susceptíveis de reforçar o estatuto do consumidor mediante sugestões e propostas de alterações legislativas.

Como sociedade científica produz documentos com que intervém no mercado de consumo, denunciando situações que merecem o mais vivo repúdio dos consumidores.

Conquanto sistematicamente confundida, a apDC distingue-se da DECO-Proteste.

Em quê? [Read more…]

Bem Vindos ao Cairo 003

Há duas coisas que os portugueses costumam fazer com frequência quando saem do país.

Não sei em quantas culturas é normal isto acontecer, mas tenho a noção que nós estamos perto do exagero.

Quantos de vocês é que já deram conta que estão a medir a qualidade do café  e a qualidade e quantidade de comida por preço praticado, quando saem de Portugal?

Eu acho que somos capazes de fazer isto dentro de portugal, quanto mais fora.

Sim, acredito que cada um de nós é especialista gastronómico,  segundo parametros pessoais estabelecidos desde muito cedo pelos nossos hábitos e influências das nossas mães e avós.

Desde que cheguei ao Cairo, comecei a  medir imediatamente a qualidade versus quantidade versus preço do que me era dado a experimentar. [Read more…]