“Para ver preço, por favor registe-se”

É a indústria e o comércio nacional no seu melhor.

A Monte Campo é uma empresa portuguesa de artigos desportivos; tem um site na internet e uma página no Facebook!

A página da empresa não me deixa perceber com tranquilidade se fabricam os produtos que apresentam e vendem. Mas como o segredo é a alma do negócio, se eu quiser saber os preços das tendas, por exemplo, tenho que me registar, por obséquio…

E terá esta empresa (fabricante?) uma rede de revendedores onde eu possa conhecer e testar os produtos? Não encontrei os contactos, deve ser só uma loja online. Que aborrecimento.

Se calhar vou é comprar esta tenda da Quechua que até tem revendedores em Portugal

Compre português!…

Comments

  1. Pedro M says:

    É frustrante a frequência com que isto acontece com empresas portuguesas, por exemplo na MP Marques, que venda a conhecida pasteleira Ye-Ye, nem pelo telefone me deram preços- disseram-me para ir à loja em Águeda (!). É de lembrar que já houve um tempo em que Portugal era o 2º maior exportador de bicicletas da Europa, empregando, mais de 10.000 pessoas.

    http://www.mpmarques.pt/produtos/bicicletas/

    São problemas de GESTÃO que aniquilam a nossa economia.


  2. A Monte Campo é uma empresa portuguesa com mais de 40 anos de existência.
    Dedica-se ao fabrico e comercialização de produtos como mochilas, tendas, sacos cama, colchonetes, Bolsas e acessórios.
    Na nossa página está perfeitamente identificada a direcção completa da nossa fábrica, tendo também na secção “Garantia”, da qual muito nos orgulhamos, toda a informação necessária no que respeita aos artigos com defeito de fabrico ou material, sendo que estes devem ser enviados para nós a fim de serem reparados ou substituídos gratuitamente.
    Quanto à rede de revendedores, agradecemos o alerta para a lacuna existente na nossa página que entretanto já foi corrigida. Informa-mos que brevemente estará disponível o nosso novo website onde poderá encontrar mais informações detalhadas sobre a nossa vasta gama de produtos.
    No que diz respeito ao ter que se registar para poder ver os respectivos preços, é uma norma da empresa com o intuito de poder fidelizar os seus clientes e lhes poder oferecer em futuras promoções e lançamentos, preços mais vantajosos.
    Como nota final gostaria de lhe perguntar se consegue perceber com tranquilidade onde se fabrica a tenda da marca a que se refere.
    Claro que não, mas tratando-se de uma multinacional já não existe qualquer problema ou dúvida quanto à sua fiabilidade.
    No entanto continuamos a acreditar que as empresas portuguesas com muito esforço irão conseguir sobreviver às dificuldades actuais. Mas para isso, é necessário que os portugueses acreditem nelas e as ajudem, com críticas construtivas e acima de tudo adquirindo os seus produtos.
    Nota: Aproveito a oportunidade para convida-lo a fazer uma visita à nossa fábrica em São João da Madeira.
    Eduardo Pinheiro


    • Fiquei sensibilizado com a mensagem deixada no facebook; de uma empresa com outra postura seria de esperar que a minha mensagem fosse apagada. Mas não foi, e fico reconhecido.
      Darei também da recente alteração no website, havendo agora a possibilidade de contactar mais de perto com os produtos.
      Na visita que fiz ao site a semana passada, e sendo que eu conhecia já o nome, não fiquei esclarecido sobre se a Monte Campo fabricava ou não os produtos anunciados na loja online. E a minha dúvida tem duas razões de ser: 1) não há um texto que claramente o afirme e 2) o facto de uma marca portuguesa fabricar um ou outro produto geralmente percebido como fabrico português (será o caso das mochilas), não é – nos dias de hoje – a garantia de que tudo ali é fabricado em Portugal.
      Dou o caso recente da marca… SANJO, também de São João da Madeira. As míticas sapatilhas são produzidas algures no Oriente.

      Esperava eu, e não havendo vergonha no que é Nacional, que pode ser bom, que marca claramente deixasse dito que os seus produtos (todos eles) são conceito e fabrico português.

      Quanto à questão dos preços anunciados ou não no website: a leitura que faz a propósito da “fidelização do cliente” não é que faço enquanto… cliente. Tanto mais que o factor preço raramente é aquele que eu (pessoalmente) mais considero. A transparência, o arrojo, a coragem, a frontalidade são para mim mais importantes.
      Num universo que conheço bem, poderia dar-lhe o exemplo dos importadores nacionais de grandes equipamentos na área audiovisual. Há cerca de um ano adquiri equipamento vídeo, na ordem dos vários milhares de euros. Os dois importadores para Portugal de uma determinada marca japonesa tinham, pelo menos na altura, sites impenetráveis, cheios de mistérios e segredos… e sem o mínimo indício de preços. Escrevi, enfim, a saber preços. Semanas passaram e nem resposta.
      Ao terceiro dia, no entanto, já o meu equipamento me estava a ser entregue, vindo de representantes ingleses. Que, nos respectivos sites, claramente davam a saber os preços, as condiçoes de entrega, etc… ah, e com atendimento telefónico também muito conciso.
      Sabe quanto poupei?
      Sabe quanto perderam os importadores nacionais? (que não me responderam sequer a um simples email)?

      Dinheiro para umas ricas férias. Ricas férias!