A desgraça

A composição do preço dos combustíveis é um assunto opaco, como quase tudo o que dá muito dinheiro a ganhar em Portugal. Sempre que se fala no assunto, surge logo a ideia de que pagamos muitos impostos, o que é a mais pura das verdades. A seguir, quando chegamos à conclusão que estes impostos podem representar 115% do preço sem taxas (valor registado para a gasolina em Março deste ano), a conversa normalmente degenera em insultos aos sucessivos governos e à forma ignóbil como estes nos roubam descaradamente. Mais uma vez é tudo a mais pura das verdades.

Normalmente ignorado, é o facto do preço dos combustíveis sem taxas, em Portugal, ser consistentemente superior à média europeia, disso não se pode directamente culpar o estado:


 

O que o JGF diz em relação à composição dos preços do gás, também é verdade para os preços da gasolina e do gasóleo. Desde meados 2004 os preços são quase sempre superiores à média europeia, só muito raramente são inferiores e mesmo assim de uma forma quase imperceptível e sempre pontual:

Ou seja, temos mercados onde efectivamente não há concorrência, as autoridades da concorrência estão compradas fazendo o contrário do que deveriam fazer e o próprio governo, com um medo terrível de tocar nos interesses instalados, limita-se a nada fazer (o mesmo se pode dizer em relação à questão das PPPs, das rendas da EDP, etc).

Note-se que por de trás destas máquinas de fazer dinheiro, estão sempre os mesmos. Vejam quem são os accionistas destas empresas beneficiárias, descubram quem foram os financiadores da expansão das EDPs da nossa praça… São eles a desgraça deste país.

Comments

  1. Ricardo Abrantes says:

    A diferenca nao parece ser muito relevante. O desvio face a media parece ser de 2-3%. De certeza que varios paises europeus estao bem mais distantes da media europeia. Os graficos parecem provar o contrario do que se pretende. Afinal existe mesmo concorrencia em Portugal.


  2. Ricardo, eu tinha exactamente essa impressão. Não que acreditasse em mercados com concorrência em Portugal – somos avessos a isso, mas pelo menos pensava que tínhamos preços equilibrados antes de serem aplicadas as taxas. Depois de ouvir o JGF, decidi verificar o que se passa. Temos as seguintes variações em relação à média:


    Há aqui dois pontos preocupantes:

    • Temos o facto dos desvios serem grandes, mais na faixa dos 3 a 7%, o que é bastante;
    • Os desvios são sempre no mesmo sentido.

    Se olharmos mais para o passado, tanto quanto os dados permitem, temos:

    Repare que durante vários anos tínhamos desvios tanto acima como abaixo da média, isso deixou de acontecer. Eu gostava de saber porquê.


  3. Gostavas de saber porquê. Como não sabes, logo não existe concorrência. Plausível.


  4. Zé, não adiantas nada à discussão, logo é difícil responder. Se tiveres argumentos, gostaria de os ouvir.

Trackbacks


  1. […] Helder Guerreiro depois de detectar uma diferença de 2 a 3 cêntimos nos preços de combustíveis entre Portugal e […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.