O consumo de LSD está a assumir dimensões alarmantes

A Educação é uma das marcas distintivas do PS. Qualquer mácula nesta área de governação, corrói o capital político socialista» – diz ao SOL um responsável do PS.

.

Compasso Pascal

No Minho é assim, e amanhã é feriado a norte do Douro…

Fanny, Passos Coelho e o javali

Fanny é uma das muitas figuras públicas a quem chamam mediáticas. Alcançou esse estatuto ao manter uma distância doentia face a qualquer assomo de inteligência, equiparando-se, portanto, a Passos Coelho, concorrente de uma versão da Casa dos Segredos em que o objectivo é enganar os telespectadores com a colaboração dos restantes elementos da casa. [Read more…]

25 poemas de Abril (II)

 É a medo que escrevo. A medo penso,

A medo sofro e empreendo e calo.

A medo peso os termos quando falo.

A medo me renego, me convenço.

A medo amo. A medo me pertenço.

A medo repouso no intervalo

De outros medos. A medo é que resvalo

O corpo escrutador, inquieto, tenso.

A medo durmo. A medo acordo. A medo

Invento. A medo passo, a medo fico.

A medo meço o pobre, meço o rico.

A medo guardo confissão, segredo,

Dúvida, fé. A medo. A medo tudo.

Que já me querem cego, surdo e mudo.

José Cutileiro, «Os Medos»

Guiné – Irkutsk

  (adão cruz)

Não chovia, mas o céu ameaçava desfazer-se em água. Era plúmbeo, presumivelmente a oeste, e carregado de negro do lado oposto. Uma faixa mais clara nascia por cima de Irkutsk e desfibrava-se ao longo do rio Angorá. Mais parecia um quadro de Fiódor Vasiliev ou de Ivan Aivasovsky. [Read more…]

A minha Páscoa

Começava numa caminhada. De Rio Tinto a Contumil onde apanhava o comboio até Vila Meã. Não me lembro do tempo que demorava, mas recordo-me que depois da estação eram mais uns quantos quilómetros a pé até ao destino. Ali bem no meio entre o Pai e a Mãe. Uma vezes para a direita até Real. Outras para a Esquerda até Castelões. 

Imagem de Jorge Lopes (http://www.flickr.com/photos/jsepol/6862954096/)

Depois era tudo tão simples, mas tão perfeito. Os verdes e as flores no chão a chamar o compasso. A sineta que se ouvia ao longe e depois mais perto. Aquele grupo de gente que entrava pela casa a anunciar a boa nova – Cristo Ressuscitou!

O orgulho que havia em ser o Juíz da Cruz, em liderar a festa da aldeia. A alegria que havia em ser família. Depois era a correr de casa em casa “atrás” da cruz – umas vezes à frente, outras, mesmo atrás.

Recordo o presunto e o salpicão na mesa. Que maravilha! Que saudades.

Era hora de partir – mais carregados. Cebolas, ovos, “coisas da Aldeia” para os meninos da cidade.

Que bom que era – não pode voltar a ser?

Hoje dá na net: Monty Python, A Vida de Brian

A Vida de Brian, dos Monty Python, um filme que vá-se lá saber porquê não passa nas tv´s nesta quadra. Realização de Terry Jones, com Graham Chapman, John Cleese, Terry Jones e Michael Palin

Ficha IMDB

Em inglês, com legendas.