Maternidade Alfredo da Costa: Hora de decidir

Existem bons argumentos para se ser contra o encerramento da Maternidade Alfredo da Costa. Como existem tão bons ou melhores argumentos na defesa do seu encerramento.

Nem vale a pena referir aquele dado numérico: em Lisboa, hoje, existe uma capacidade instalada (Hospital de Loures, Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, Hospital S. Francisco Xavier, Hospital D. Estefênia) superior a 13 mil partos, a qual é excessiva relativamente à realidade de nascimentos ocorridos na região. Já para não falar na capacidade potencial de partos das nove maternidades da grande Lisboa: 28 mil partos!

Só perante estes valores, fica provada a necessidade de racionalizar recursos. Depois, temos os dados técnicos: o Grupo Técnico da Reforma Hospitalar considera, unanimemente, que a MAC não faz sentido não tendo capacidade nem financeira nem humana para se manter e que o que lá é feito pode ser perfeitamente realizado noutros locais. [Read more…]

Um velório tipo sapataria, à medida do pézinho

Fernanda Câncio tem uma nova causa: funerais à sua medida. Luís Rainha consegue escrever sobre o nojo dos outros. Eu não.

A credibilidade deste governo atingiu o zero, mas da escala de kelvin

Subsídios serão repostos ao ritmo de 25% por ano a partir de 2015

Isto corresponde à n-ésima variante sobre o mesmo tema das calendas gregas. Tenho vergonha deste país que carrega parte da população com o fardo de pagar uma muito maior parcela da escandalosa nacionalização do BPN e do miserável buraco da Madeira. Ainda para mais com o enorme desplante de permitir à nobreza da função pública, a administração de topo, ter regimes de isenção destes cortes (já vai em 14!). Os erros foram cometidos por uns poucos, poucos estes que foram eleitos por muitos, e vai ser pago por uns poucos também.

Quando havia o escudo estes buracos também aconteceram muitas vezes. Mas, então, a desvalorização da moeda era o machado que a todos cortava o poder de compra por igual. Lembro-me, por exemplo, de haver depósitos a prazo que pagavam 18% ao ano, tal era a inflação. Agora, que esse algodão de limpar nódoas da má governação se foi, sobra-nos a sabedoria de Mazarin.

E não sou funcionário público.

O campeonato ainda não acabou

Académica de luto frente ao Sporting. Porque para haver justiça todas as equipas com 3 meses de salários em atraso deveriam ser penalizadas.

Para acabar de vez com o 1º de Maio

O ano passado foi o que seu viu. Este ano mais um grupo de hipermercados quer abrir as portas.

O Primeiro de Maio nasceu com a luta pelas 8 horas de trabalho (sim, trabalhar de sol a sol não é uma invenção recente, era assim até ao séc. XIX). É o dia em que se celebram os direitos dos trabalhadores em todo o mundo, logo faz todo o sentido que se acabe com ele e que à frente desse combate estejam as grandes distribuidoras, as primeiras a usufruírem das flexibilizações de horários que cada revisão das leis laborais vai incrementando. Para eles vale tudo. A quem queira ser solidário valerá não meter lá os pés. Não é nada consigo? quando lhe cair em cima, e não falo do fim de mais um feriado, falo do regresso à selva laboral, vai ver que é.

Dia do Trabalhador

Amanhã é feriado, Dia do Trabalhador. 

Há mais de cem anos que se comemora este dia, mas ainda há muito a fazer na defesa dos direitos do trabalhador, que parece estarem a perder-se, ao invés de serem reforçados e respeitados. Andamos para trás… 

É difícil não pensar, sobretudo, naqueles que perderam o seu trabalho. Recordo os números do desemprego no último ano: em Maio de 2011, previa-se que subiria para os 13% em 2012; em Novembro de 2011, atingia-se os 12,6% e previa-se os 13,6% para 2012; em Janeiro 2012, já estava nos 14, 8% e, no mês seguinte, nos 15%, número redondo.

Felizes os que (ainda) têm trabalho.

Felizes os que podem trabalhar.

Felizes os que gostam do que fazem, apesar de tudo.

Foto de Lewis Hine

A democracia em Portugal está perfeitamente consolidada

É o que dizem, o problema são as falhas sísmicas. Myriam Zaluar conta um caso verídico do ponto de vista de uma mulher qualquer. Onde o dinheiros dos seus impostos é gasto para desconsolidar a democracia. Ou acabar com ela.

Reposição de subsídios será total em 2015

Vítor Gaspar declarou que os subsídios de férias e de Natal serão repostos ao ritmo de 25% por ano, a partir de 2015. O Zandinga que há em mim vê o futuro de outra maneira: os subsídios serão totalmente repostos em 2015 e haverá aumentos salariais, independentemente do “espaço orçamental”, esse estranho espaço cuja área aumenta estranhamente em ano de eleições. No ano seguinte, o governo PS-PSD-CDS retomará o plano de emagrecimento do Estado, à custa do empobrecimento dos cidadãos.

Dia Internacional do Jazz

Celebra-se hoje, pela primeira vez, o Dia Internacional do Jazz, uma proposta bem sucedida do músico e compositor, Herbie Hancock, considerado um dos mestres do Jazz.

A Unesco defende que o Jazz é uma expressão musical que “pode derrubar barreiras e simboliza a paz e a unidade”. (A música em geral).

Na Música, não há passado nem presente. No Jazz, podemos assistir ao encontro harmonioso entre J.S. Bach (1685-1750), J. Loussier e Bobby Mcferrin:

Vítor Pereira acredita em Jesus

Vítor Pereira: “Hei-de dar a este clube muitos mais títulos”

AntiDeuteronómio I

  (Javier-de Juan-Creix)

A cidade está deserta por dentro e por fora de nós começa a não haver vivalma neste lusco-fusco brumoso neste irracional azul de um céu de chumbo nesta descrença de manhãs de sonho em bicéfalas e bárbaras bandeiras de um mundo informe e medonho [Read more…]

Carta do Canadá – As palavras proibidas

Quando assentei  praça no jornalismo, no século passado, a comunicação social era mantida,com trela curta e açaime, pela censura. Esta era uma coisa misteriosa, sinistra e caricata, personificada por uns coronéis tarimbeiros sobrados do 28 de Maio de 1926. Eram engraçados,os coronéis da censura. Um grupo de universitários que eu conheci, pontificado por um que veio a ser médico em Moçambique, resolveu editar uma revista, isto em Coimbra, para o que montou um elaborado plano de pega de cernelha à censura. Como o militar que naquela cidade chefiava a censura ia todos os dias tomar a bica à mesma hora, a rapaziada foi-se-lhe chegando, mansa e sonsa, numa conversa mole que encantava o tropa. Quando acharam que o bicho estava pronto para a pega, apareceram-lhe com as provas da revista para a censura. O coronel passou os olhos pela prosa, achou aquilo inocente como o chá de tília e assinou de cruz. A coisa ia andando neste remanso. A pouco e pouco, como quem não quer a coisa, eles começaram a meter umas poesias, daquelas em que verdade rima com liberdade, pão com revolução, e assim. E o tropa sempre a assinar de cruz.  Até que caiu o Carmo e a Trindade: o coronel foi questionado e apertado pela Pide por causa da revista dos rapazes. Quando eles se abeiraram, prazenteiros, da mesa do tropa, este atirou-lhes à cara: [Read more…]

Abençoados BPN e Alberto João

Por vossa arte e com o apanágio dos que em 2010 estipularam as colectas e respectivas deduções, este ano não só não vou receber IRS de volta como ainda vou pagar o dobro do que costumava receber. Obrigado, ó filósofo parisiense, por tão belo presente para os que cá ficaram. Felizmente que este esforço adicional vai para duas nobre causas como o BPN que nacionalizaste e para a ilha dos que agora governam.

Azar meu, claro, não ter comprado carro eléctrico nem equipamentos de energias renováveis, nem ter melhorado a classificação térmica da minha casa que sempre  via parte da factura paga em deduções à colecta   (ver aqui e aqui). Os luxos são para quem pode e se todos pudessem deixava de ser luxo.

Hoje dá na net: Piratas!

O outro lado da pirataria somali, ou de como convêm ver os acontecimentos de vários ângulos para se formar uma opinião sobre quem são realmente os piratas.

Realizado por Juan Falque. Legendado em português.

NO PÚBLICO DE HOJE

No PÚBLICO de hoje. Boa leitura.

Os nomes dos meses: Abril na CPLP
Por Francisco Miguel Valada

Peixe Pequeno

Uma rede que apanha peixe pequenino, consegue apanhar tubarões?
Façam-me rir, vá.

%d bloggers like this: