25 Poemas de Abril (XXV)


AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU

Era uma vez um país
onde entre o mar e a guerra
vivia o mais infeliz
dos povos à beira-terra.
Onde entre vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo se debruçava
como um vime de tristeza
sobre um rio onde mirava
a sua própria pobreza.

Era uma vez um país
onde o pão era contado
onde quem tinha a raiz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeiro
quem nascia desgraçado.

Era uma vez um país
de tal maneira explorado
pelos consórcios fabris
pelo mando acumulado
pelas ideias nazis
pelo dinheiro estragado
pelo dobrar da cerviz
pelo trabalho amarrado
que até hoje já se diz
que nos tempos do passado
se chamava esse país
Portugal suicidado. [Read more…]

Rui Rio

Olha quem voltou!

A pobre democracia

No Dia da Liberdade, olha-se para a democracia portuguesa com mais atenção e reparamos que não anda de boa saúde, está frágil, tristonha e sem graça como o tempo metereológico. Este diz que está em crise, o outro “com baixa intensidade”, aquele outro que “os interesses do povo não estão à frente de coisa nenhuma” e ainda que “não há condições para uma democracia plena”. Que “temos hoje uma democracia autoritária” que “a negociação social desapareceu” que os que nos governam estão a fazê-lo “sem norte, sem um plano estratégico para o futuro”. Que “até os direitos dos cidadãos passaram a ser problemas para a economia”. Que a sociedade civil não é ouvida nem achada, numa sociedade de obscenas desigualdes.

Freitas do Amaral pergunta, através das palavras de Cícero: “até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência”.

Já não há pachorra para comemorações e seus discursos furados e vazios de verdade.

“Isto irá, Miguel”

Hoje, a minha leitura do Público ficou pelos seguintes temas: 25 de Abril, «fragilidade da democracia portuguesa» e Miguel Portas. Mas, sem dúvida, o que mais me impressionou foi a homenagem que Rui Tavares faz ao amigo, numa crónica cujo título é uma expressão usada por Miguel Portas quando este se referia ao seu estado de saúde: «Isto irá».Tavares escreveu: [Read more…]

Para acompanhar ao minuto

A re – ocupação da Fontinha  no ES.COL.A

Os Donos de Portugal

Documentário de Jorge Costa

Donos de Portugal é um documentário sobre cem anos de poder económico.
O filme retrata a proteção do Estado às famílias que dominaram a economia do país, as suas estratégias de conservação de poder e acumulação de riqueza.
Mello, Champalimaud, Espírito Santo – as grandes famílias cruzam-se pelo casamento e integram-se na finança. Ameaçado pelo fim da ditadura, o seu poder reconstitui-se sob a democracia, a partir das
privatizações e da promiscuidade com o poder político. Novos grupos económicos – Amorim, Sonae, Jerónimo Martins – afirmam-se sobre a mesma base.
Quando a crise desvenda todos os limites do modelo de desenvolvimento económico português, este filme apresenta os protagonistas e as grandes opções que nos trouxeram até aqui.

25 Poemas de Abril (XXIV)


Grândola, Vila Morena

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena [Read more…]

Os farsolas do regime

Santana Castilho *

1. Comemora-se hoje o 25 de Abril. Foi há 38 anos. “O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Já não se crê na honestidade dos homens públicos. O povo está na miséria. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. O tédio invadiu as almas. A ruína económica cresce. O comércio definha. A indústria enfraquece. O salário diminui. O Estado tem que ser considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo”. Estas frases corridas pertencem a Eça de Queirós e foram citadas por Paulo Neves da Silva, em livro editado pela Casa das Letras. A quem revê nelas o país em que hoje vive, pergunto: e não fazemos nada? [Read more…]

25 de Abril, época

25 abril criança jornal época

viu o Victor Valente

Este 25 de Abril

cravos 25 abrilEste ano o 25 de Abril fica marcado por duas linhas de acção. Por um lado o governo fez saber que terá tolerância zero nas manifestações de hoje, indo pelo caminho da ameaça crua e que, não me surpreenderia, levasse de facto a maior revolta. E por outro lado, algumas personalidades optaram por não ir à cerimónia evocando argumentos que poderiam ter usado durante os anteriores governos mas que, parece, disso se terão esquecido. Estão bem uns para os outros.

Pelo caminho, é de recordar que no ano passado a cerimónia do 25 de Abril foi cancelada no Parlamento devido a este estar dissolvido. Decisão que teve o acordo de  todos os partidos, amplamente criticada e à qual se lhe apontou não existir verdadeiro impedimento para que tivesse sido cancelada.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

Uma Revolução Porreira (Pá)

Desconheço o autor desta fotografia, uma das várias que, para mim, sintetiza o que foi a “revolução” acontecida no dia 25 de Abril de 1974, ‘inda eu não era nascido.
Dizem que o “povo saiu à rua”. E saiu mesmo! – veio o povo apear-se junto aos soldados, eles com armas em punho e o povo com as mãos nos bolsos a ver a banda passar ou a tomar chã na praça. Foi uma revolução de sucessos.
Só foi pena que os vândalos do costume transitassem, imperturbados, do velho regime para o novo regime: um regime porreiro. Só um regime porreiro poderia permitir que um espanca-pretos se tornasse uma importante figura no estado  a que o Estado chegou.
Porreiro!

G*-63-10

conta o Victor Valente

Para onde vão os seus impostos?

Como saberá, até ao fim do mês é tempo para entregar o IRS, pelo que passei pelo portal do governo onde encontrei um simulador com o título “Para onde vão os seus impostos?” e com um sub-título a dizer “Saiba para onde vai cada cêntimo dos seus impostos”. Naturalmente que logo fui experimentar.

Simulação para rendimento anual bruto de 10 mil euros Simulação para rendimento anual bruto de 20 mil euros Simulação para rendimento anual bruto de 100 mil euros [Read more…]

25 Poemas de Abril (XXIII)


Esta é a madrugada que eu esperava
0 dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Revolução

Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta

como puro inícío
Como tempo novo
Sem mancha nem vício

Como a voz do mar
Interior de um povo

Como página em branco
Onde o poema emerge

Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação

Sophia de Mello Breyner

04h26 – 1º comunicado do MFA

“É dada ordem para ser transmitido o primeiro comunicado. Foi com emoção que em todo o País centenas de militares ouviram pela voz de Joaquim Furtado o primeiro de vários comunicados que haviam sido redigidos pelo Maj. Vitor Alves. Estava previsto que os comunicados seriam lidos pelo Maj. Costa Neves, no entanto, Joaquim Furtado, locutor de serviço ao RCP, ao saber das intenções do Movimento de imediato se prontificou para o fazer. No comunicado pede-se para que a população se mantenha calma e apela-se à classe médica para ocorrer aos hospitais.”

 

[youtube:http://youtu.be/KavG6fnfwEA]

Texto do site http://www.25abril.org

Terminou a minha ressaca

A minha ressaca-Sócrates terminou. Foram seis anos a seguir a propaganda diária, a ver as jogadas de meter uns contra os outros, a ouvir a negação da realidade e a seguir o dinheiro que se estoirou onde bem se sabe.

Hoje ouço vozes que durante seis anos estiveram caladas perante as mesmas políticas que estão em curso. Hipócritas! Dão-me asco. Mas piores do que esses são os que nos governam e que, ao contrario de mim, desejam que a ressaca-Sócrates continue na linha da frente, por forma a justificarem o virar do bico do prego, indo contra o próprio programa eleitoral que levaram a votos. Até no artificio de culpar o anterior estão a fazer o mesmo que os outros fizeram em 2005.

Acabou. Hoje, no dia da liberdade, liberto-me do carrasco para me passar a dedicar aos coveiros.

00h20 – Grândola

Paulo Coelho é o locutor de serviço, nessa noite, no «Limite». Sem saber dos compromissos assumidos por dois dos seus colegas, Carlos Albino e Manuel Tomás, quase faz perigar a transmissão da senha à hora exacta por ter antecipado a leitura de anúncios publicitários. Mas, após alguns momentos de tensão, no final da leitura do primeiro anúncio, Manuel Tomás , também presente na cabine técnica, consegue, dando um pequeno safanão (aparentemente sem intenção) na mão do técnico de som José Videira, provocar o arranque da bobine que contém a senha. Então, pela voz previamente gravada de Leite de Vasconcelos, através dos potentes emissores da Rádio Renascença, ouve-se a primeira quadra da canção Grândola, Vila Moreno, de José Afonso. Já no final da transmissão o agente da Censura, ali presente, dá sinais de que escutara algo que não previa .”

[youtube:http://youtu.be/Hbc15inYT2c]

Aqui numa versão absolutamente singular de Sara Tavares

(texto do site http://www.25abril.org)